Morre, aos 93 anos, a ex-vedete Virgínia Lane

Atriz e cantora estava internada desde o último dia 2 no Hospital São Camilo de Volta Redonda, no Rio de Janeiro

Morreu nesta segunda-feira, aos 93 anos, a ex-vedete Virgínia Lane. A informação foi confirmada pelo Hospital São Camilo de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, onde ela estava internada desde o último dia 2. Segundo a assessoria do hospital, a morte ocorreu por volta das 16h50. A causa, no entanto, não foi informada.

Nascida no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro, em 1920, Virgínia Lane iniciou sua carreira artística aos 15 anos no teatro do Cassino da Urca. Aos 18, fez sua estreia no cinema no filme Banana-da-Terra, dirigido por Ruy Costa. No total, foram dezenas de peças e 32 filmes, incluindo Laranja da China (1940), também de Ruy Costa, e Carnaval no Fogo (1949), de Watson Macedo.

Virgínia ganhou notoriedade aos 34 anos, quando dominou as rádios brasileiras com o sucesso Sassaricando (ouça abaixo). Na ocasião, recebeu a faixa de Vedete do Brasil das mãos do presidente Getúlio Vargas, fazendo referência às figuras populares dos teatros de revista, conhecidas por desfilar de roupa curta e se sobressaír durante as apresentações. Na segunda parte do documentário Brasileiro. Profissão: Esperança, a atriz e cantora fala a respeito de sua relação com Getúlio na década de 1930, alegando que recebia buquês de flores do então presidente do Brasil, com quem teve uma relação amorosa.

A atriz foi pioneira ao levar o teatro de revista para a televisão, no programa Espetáculos Tonelux, da extinta TV Tupi carioca. Recentemente, Virgínia Lane participou das novelas Belíssima (2005) e Sete Pecados (2007), ambas da Rede Globo. Na primeira, ela atuou ao lado de outras vedetes, como Carmem Verônica, Íris Bruzzi e Ester Tarcitano. Na segunda, interpretou a ex-vedete Corina, mãe de Rebeca (Elizabeth Savala) e avó de Beatriz (Priscila Fantin).

Virgínia Lane completaria 94 anos no próximo dia 28.