Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Exposição em Paris revela século 20 latino-americano por livros de fotografia

Paris, 10 jan (EFE).- A fotografia latino-americana do século 20 revelará seus segredos em Paris a partir do dia 19 de janeiro na exposição ‘Foto/gráfica. Uma nova história dos livros latino-americanos de fotografia’, anunciaram nesta terça-feira seus organizadores.

A exposição fará um passeio ‘pelo século de história da América Latina através de seus maiores livros de fotografia’, em uma mostra que, depois de 8 de abril, seu último dia em Paris, viajará à Espanha, Estados Unidos e pela própria América Latina.

O evento reúne cerca de 40 grandes livros de fotografia editados entre 1921 e 2012 e selecionados pelo historiador Horacio Fernández, conselheiro do Museu Reina Sofía de Madri e comissário da PhotoEspaña entre 2004 e 2006.

Como promotor principal da mostra, Fernández foi também quem convidou Marcelo Brodsky, Iatã Cannabrava, Lesley Martin, Martin Parr e Ramon Reverté a fazer parte de seu comitê assessor, explicou à Agência Efe em Le Bal, o centro de exposições de Paris que receberá a mostra.

A exposição será dividida em seis eixos temáticos: ‘História e propaganda’, ‘Fotografia urbana’, ‘Ensaios fotográficos’, ‘Livros de artistas’, ‘Literatura e fotografia’ e ‘Livros contemporâneos’.

A ideia de organizá-la surgiu em 2007, no primeiro fórum latino-americano sobre fotografia de São Paulo, ao comprovar ‘a ausência’ de uma cartografia dos livros de fotografia publicados no continente no século 20, explicou Fernández em comunicado.

A exposição é o fruto de uma pesquisa de três anos, na mídia fotográfica e gráficos, arquivos, editores, colecionadores, bibliotecas e artistas de 19 países latino-americanos, de Cuba a Patagônia, acrescentou.

Para Fernández, esse estudo crítico ‘revela a incrível contribuição da América Latina para a história mundial do livro de fotografia’.

A decoração da exposição é obra de Jasmin Oezcebi, autora das exposições ‘Dada’, no Centro Pompidou de Paris, e ‘Chefs d’Oeuvre’, no Centro Pompidou de Metz, no nordeste da França.

O projeto foi coproduzido por Le Bal, o Instituto Moreira Salles, o Ivory Press de Madri, a Aperture Foundation de Nova York e o Museu do Livro e da Língua de Buenos Aires. EFE