Empresas vão bancar o prejuízo das escolas com incêndio

Seis patrocinadoras do Carnaval pagarão três milhões de reais para Grande Rio, Portela e União da Ilha refazerem fantasias e carros destruídos pelo fogo na Cidade do Samba

A prefeitura do Rio não terá que desembolsar os três milhões de reais para as escolas prejudicadas pelo incêndio na Cidade do Samba. A verba prometida para colaborar com a confecção de novas fantasias e carros alegóricos será doada por empresas. São elas: Bradesco, Nestlé, Nova Schin, Procter e Gamble, Supermercados Guanabara e Tim. Todas já são patrocinadoras do carnaval carioca.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou na terça-feira que faira o aporte caso a iniciativa privada não se interessasse em ajudar. A prefeitura não informou quando o dinheiro estará disponível para as escolas e nem quanto cada empresa vai doar.

A divisão dos recursos será como já havia sido anunciado por Paes. A Grande Rio, que perdeu todas as fantasias, alegorias e seus oito carros alegóricos, ficará com 1,5 milhão de reais para refazer as 3.300 fantasias e os sete carros alegóricos queimados. A Portela receberá 750 mil reais e gastará toda a verba para confeccionar as 2.800 fantasias perdidas. A União da Ilha também embolsará 750 mil com o desafio de recuperar duas mil fantasias e um carro.

A prefeitura também não precisará custear a reforma da Cidade do Samba. As despesas para a reconstrução dos barracões serão de responsabilidade da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), que utilizará os recursos do seguro contratado.