Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em processo, ex-noiva diz que Charlie Sheen a forçou a fazer um aborto

A atriz pornô Brett Rossi afirma que o ator não queria que a criança 'tivesse seu tipo sanguíneo', em referência à sua condição como portador do vírus HIV

A atriz pornô e ex-noiva de Charlie Sheen Scottine Ross, conhecida pelo nome de Brett Rossi, abriu processo contra o ator em que o acusa de violência física e emocional, cárcere privado e negligência por ter escondido que era portador do vírus HIV no começo de seu relacionamento, em 2013. Sheen revelou seu diagnóstico, feito há quatro anos, em meados de outubro, durante participação no programa Today, da rede NBC.

Segundo o processo, obtido pelo site da revista People, Brett afirma que o ex-noivo a obrigou a fazer um aborto porque “ele não queria que a criança tivesse o seu tipo sanguíneo, ou seja, que fosse HIV-positivo”. De acordo com a atriz, ela se recusou a fazer aborto em março de 2014, mas Sheen “teve um acesso de raiva, dizendo que a humilharia e terminaria o relacionamento”. O ator também teria dito que não queria que ela tivesse um “filho retardado”.

Leia também:

Charlie Sheen está ‘mais saudável’ com HIV, diz médico-celebridade

Charlie Sheen pode ser processado por transmitir HIV

Aids ainda é subestimada pelos jovens

Charlie Sheen nunca falou sobre HIV, diz ex-namorada

Segundo ela, Sheen havia concordado em resolver o caso pagando a quantia de 1 milhão de dólares e 5% do que o ator recebeu pela série Anger Management, mas desistiu do acordo ao anunciar que era portador do HIV no programa de TV Today.

Procurado pela People, o advogado de Sheen, Martin D. Singer, nega as acusações da atriz e afirma que seu cliente vai se defender. Quando revelou seu diagnóstico, o ator contou que havia virado alvo de extorsão por pessoas que sabiam de sua condição e que ameaçavam falar sobre o assunto na imprensa. “Estou me libertando de uma prisão hoje”, disse.

No processo, Brett relembra o início do relacionamento, dizendo que conheceu Sheen em 1º de novembro de 2013 e que fora chamada para ter relações sexuais com o ator por um pagamento de 10 000 dólares. Eles se apaixonaram, mas segundo ela Sheen “demonstrou comportamento violento, abusivo e incontrolável” quando bebia e usava drogas, e nesses momentos a chacoalhou, empurrou, chutou, ameaçou de morte e empunhou em sua direção uma arma descarregada.

Na entrevista para o programa, Sheen garantiu que avisou sobre seu diagnóstico a todos os parceiros sexuais que teve desde que descobriu o HIV, mas a atriz afirma que eles mantiveram relações por pelo menos cinco vezes antes que ela descobrisse a medicação do ator e o confrontasse. “Se Sheen tivesse falado que era HIV-positivo quando eles se conheceram, ela nunca teria feito sexo com ele, e o relacionamento deles jamais teria acontecido”, diz o processo.

Ela também rechaça a afirmação de Sheen de que ele jamais deixou de tomar sequer uma dose de sua medicação antirretroviral. Segundo ela, o ator “foi se tornando gradativamente menos diligente e responsável para tomar sua medicação para HIV como resultado de seu uso ilegal de drogas” entre julho e setembro de 2014.

Brett tentou se matar com uma overdose de drogas em novembro de 2014, depois de afirmar que Sheen havia terminado o relacionamento por mensagem de celular.

(Da redação)