Em ‘Passageiros’, Chris Pratt e Lawrence são Adão e Eva do espaço

Até ceder às convenções do drama romântico, filme costura um enredo saboroso sobre um homem que, desesperado com a solidão espacial, ganha uma companheira 

O mecânico Jim Preston (Chris Pratt) acordou antes da hora: a nave em que ele viaja tem ainda umas tantas décadas de percurso até chegar ao planeta em que os 5 000 passageiros vão estabelecer uma nova e aprazível colônia, longe da poluição e superpopulação terrestres. Jim está perplexo. Ninguém mais foi despertado do estado de suspensão, e as holografias que orientam sua readaptação nada sabem informar sobre o erro. Como é um sujeito safo e lida bem com máquinas, Jim tenta de tudo. Lê manuais, manda mensagens, mexe na câmara de hibernação. Nada.

Tendo por companhia apenas o androide-barman Arthur (o inglês Michael Sheen, numa atuação espirituosa), Jim passa a se dedicar a uma empreitada titânica: não enlouquecer de tédio e solidão. Muda-se do seu quartinho para uma suíte grandiosa, come nos melhores restaurantes da nave, pratica basquete, dança, joga conversa fora no balcão de Arthur. Mas já parou de se barbear, tomar banho e trocar de roupa. A cada cena de Passageiros (Passengers, Estados Unidos, 2016), que estreia no país nesta quinta-feira, seu olhar está mais atarantado.

Não há como fazer segredo de que os créditos do filme incluem Jennifer Lawrence. Ou seja, em algum momento Jim ganhará a convivência alegre e inteligente — embora também ela perplexa — da jovem escritora Aurora Lane. Não convém esclarecer por quais meios esse acidente acontece. Mas é, sim, o caso de lamentar que as consequências do despertar de Aurora passem a ocupar todo o espaço (sem trocadilho): até aí, o diretor norueguês Morten Tyldum vinha costurando uma trama saborosa sobre a terrível contingência de ser um Adão. Sem a perspectiva de uma Eva, a nave tão perfeita não é um paraíso, ou o umbral de uma nova vida: é o mausoléu no qual Jim conta os dias até que a morte venha pôr fim ao seu inferno.

Tyldum, que dirigiu também O Jogo da Imitação, aproveita para dar uma piscadela para as teorias sobre inteligência artificial do personagem daquele filme, o matemático inglês Alan Turing: como bom barman, Arthur é perito em ouvir e consolar. Seria um ótimo amigo, se pelo menos Jim não soubesse que ele não é real.

Calor não falta a Aurora, porém, e a dinâmica entre ela e Jim é outra das tiradas inteligentes do filme: não é por ela ter sido posta ali que desejará ser companheira do mecânico. Ele tem de conquistá-la — coisa que, até onde se sabe, Adão nunca teve de fazer com Eva. Aí, porém, Tyldum cede à tentação fácil do drama romântico. E Passageiros, em vez de chegar ao seu destino, se deixa engolir pelo buraco negro do roteiro hollywoodiano.

Compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Micky Oliver

    Achei que ele teria um companheiro!

    Curtir

  2. Luis Carlos Zardo

    Espera aí, temos uma espaçonave levando os sobreviventes (?) de uma terra poluída e superpovoada para outro mundo e o diretor perde empo transformando isto em uma estória romântica? Até um alien dentro da nave matando os passageiros daria um filme melhor, qualquer coisa, aliás.

    Ou, poderia focar a estória no desespero dos habitantes deixados para trás, morrendo de fome, guerra e doenças, isto também daria uma estória muito melhor…

    E, qualuqer coisa SEM Jennifer Lawrence também daria uma estória muito melhor…

    Curtir