Com pedido de licença a Renato Russo, OSB e Legião Urbana vão reabrir o Rock in Rio

Homenagem ao cantor que marcou época no rock brasileiro, regida pelo maestro Roberto Minczuk, será o primeiro show da quinta-feira na Cidade do Rock

“O Renato não gostava de festival, mas também não gostava de shows em geral. Ele seria contra. Mas eu acho que temos que fazer assim mesmo. A Legião Urbana deixou uma obra importantíssima para a música popular brasileira. Como vamos dizer que o maior festival de música do país não pode prestar um reconhecimento a esse trabalho?”, afirma Dinho Ouro Preto

O Concerto Sinfônico Legião Urbana e Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) reabrirá o Palco Mundo, na noite de quinta-feira, para a segunda semana de shows do Rock in Rio 2011. O tributo ao vocalista Renato Russo, morto em 1996, terá oito músicas, com a participação de cantores convidados, além de um medley executado pelo time do maestro Roberto Minczuk. O último ensaio aconteceu nesta terça-feira, num estúdio, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

Renato Russo sempre rejeitou convites para a Legião Urbana se apresentar em festivais. Foi assim na primeira edição do Hollywood Rock, em 1988. A ideia de entoar os versos de músicas como Geração Coca-Cola num “evento capitalista”, patrocinado por grandes empresas, soava incoerente para o vocalista.

No entanto, quase 15 anos após a morte de Renato Russo, seus companheiros Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos cederam aos apelos para prestar a homenagem ao amigo, ídolo de uma geração e um dos fundadores do movimento que viria a ser conhecido como Rock Brasil. Nesse período, os dois sempre mantiveram uma postura low profile, com pouquíssimas na TV e entrevistas sobre a banda.

“Imagina o vocalista da sua banda morrer quando você tem 30 anos? Esses caras passaram 15 anos trancados em casa, justamente para evitar o constrangimento de usar o nome da banda. Mas, finalmente, eles cederam às pressões. É preciso manter viva a obra deles para que as novas gerações conheçam e estudem esse fenômeno que foi a Legião Urbana. É, sem dúvida, a maior banda de rock do Brasil em todos os tempos”, argumenta o vocalista Rogério Flausino, do Jota Quest.

Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, tem certeza de que o colega Renato Russo seria contra a participação da Legião Urbana no Rock in Rio. Mesmo assim, ele defende que ao tributo faz-se necessário e deve ser feito ainda que à revelia do homenageado.

“O Renato não gostava de festival, mas também não gostava de shows em geral. Ele seria contra. Mas eu acho que temos que fazer assim mesmo. A Legião Urbana deixou uma obra importantíssima para a música popular brasileira. Como vamos dizer que o maior festival de música do país não pode prestar um reconhecimento a esse trabalho?”, justifica.

A Orquestra – A OSB já se apresentou nessa edição do Rock in Rio, acompanhando Paralamas do Sucesso e Titãs. No entanto, as várias guitarras e as duas baterias presentes no palco abafaram as sutilezas dos violinos e violoncelos. O show com a Legião Urbana, no entanto, promete ser diferente, por se tratar de um concerto sinfônico. Ao todo, serão 57 músicos, sendo seis novos e 11 temporários.

O maestro Roberto Minczuk lembra ainda que tocar com artistas populares é uma das vocações da OSB, e que essa mistura ajuda a despertar o interesse dos jovens pelo trabalho da orquestra. Para ele, um repertório popular não é menos difícil do que interpretar os clássicos.

“Na verdade, para sair bem feito, tudo exige muita precisão e concentração, seja Stravinsky, Legião Urbana, Paralamas ou Titãs. As músicas desses artistas fazem sucesso há 30 anos porque têm qualidade. É uma linguagem diferente para nós, e um desafio”, afirma Minczuk.

Confira o setlist:

1) Medley – OSB

2)Tempo perdido – Rogério Flausino

3) Quase sem querer – Rogério Flausino

4) Quando o Sol bater na janela do teu quarto – Toni Platão

5) Índios – Pitty

6) Teatro dos vampiros – Marcelo Bonfá

7) Será – Herbert Vianna

8) Por enquanto – Dinho Ouro Preto

9) Pais e filhos – Todos