Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Baseado em Nick Hornby, ‘Altos e Baixos’ faz sorrir com quatro suicidas

Mostra competitiva continua a mostrar filmes bons, mas distantes de arrebatar o público - e de merecer o Urso de Ouro

Nick Hornby é um escritor adorado pelo público – e pelo cinema. Ele teve quatro de seus sete livros transformados em filmes. O mais recente é Uma Longa Queda (Rocco), que virou o longa-metragem Altos e Baixos, de Pascal Chaumeil, exibido em uma sessão de gala especial no 64º Festival de Berlim. A produção sai direto em DVD no Brasil.

Competição em Berlim começa com tom político e temperatura morna

Coletiva de George Clooney é cheia de constrangimentos

‘Ser indicado ao Oscar é surreal’, diz Bradley Cooper

A premissa de Altos e Baixos é boa. Na noite de Ano Novo, quatro pessoas que pensam em suicídio têm a mesma ideia: jogar-se de um prédio alto no centro de Londres. O encontro inusitado faz com que conversem sobre seus motivos. Martin (Pierce Brosnan) é um ex-apresentador de televisão que perdeu o emprego, mulher e filhos depois de ser flagrado com uma menina de 15 anos. Maureen (Toni Collette), que tem um filho com problemas, não consegue levar uma vida própria. Jess (Imogen Poots, adorável) é a filha rebelde de um político. E JJ (Aaron Paul, o Jesse de Breaking Bad) tem câncer.

A situação cria uma cumplicidade entre os personagens, que fazem um pacto de não se matar até, pelo menos, o Dia de São Valentim (o dia dos namorados na Inglaterra, em fevereiro), dali a seis semanas. E, assim, vão encontrando apoio uns nos outros e tentando achar uma razão para continuar a viver.

O elenco é carismático e os personagens, bem construídos. O roteirista Jack Thorne também conseguiu fazer bem a transição do papel para a tela, transformando o diário dos personagens em quatro capítulos, cada um narrado por um deles. A transição entre um e outro é suave. Altos e Baixos é o que os americanos chamam de “feel good movie”, aquele que deixa você com um sorriso no rosto, apesar de o tema suicídio não ser exatamente leve.


Competição – Outro que trata da morte com suavidade é Aimer, Boire et Chanter (Amar, beber e cantar, na tradução literal), do veterano Alain Resnais (Medos Privados em Lugares Públicos), de 91 anos. O diretor francês ambienta o filme, baseado em peça do inglês Alan Ayckbourn, em um estúdio, com poucos itens cenográficos e cenas de estrada e desenhos para dar uma noção espacial a quem assiste.

Aqui, um grupo de atores amadores recebe uma notícia terrível: seu amigo George está com câncer e tem poucos meses de vida. Para animá-lo, propõem sua participação na montagem que estão ensaiando, e logo seus encantos ficam evidentes para as mulheres, Kathryn (Sabine Azéma), que teve um caso com ele no passado, e Tamara (Caroline Silhol), com quem contracena na peça dentro do filme. Os maridos de ambas, Colin (Hippolyte Girardot) e Jack (Michel Vuillermoz), melhor amigo de George, ficam enciumados. George convida Kathryn, Tamara e sua ex-mulher Monica (Sandrine Kiberlain) para passar férias com ele em Tenerife.

‘Expresso do Amanhã’ é a originalidade que falta ao cinema

Lars Von Trier e Shia LaBeouf ‘causam’ em Berlim

Brasil volta a competir pelo Urso de Ouro depois de seis anos

O personagem não aparece em carne e osso no filme, mas é fundamental à história. Resnais usa recursos simples e não esconde as origens teatrais do texto nem nas interpretações. É gostoso de ver, mas certamente não é o seu melhor filme.

Leveza é tudo o que Tui Na (ou, em inglês, Blind Massage, “Massagem cega”, na tradução literal), do chinês Lou Ye, não tem. O filme baseado no romance de Bi Feiyu é um verdadeiro novelão, mas cheio de sangue. A história começa com Xiao Ma (Huang Xuan), que fica cego quando criança e vai trabalhar (e morar) em uma casa em que todos os massagistas são cegos. Lá, conhece o chefe Sha Fuming (Qin Hao) e se apaixona por Kong (Zhang Lei), namorada do Dr. Wang (Guo Xiaodong), que enfrenta problemas financeiros por causa das falcatruas do irmão. Sha Fuming, por sua vez, apaixona-se por Hong (Mei Ting), que se enamora de Xiao Ma. Como todos moram e trabalham juntos, são muitas as cirandas amorosas interpretadas por uma mistura de atores profissionais e não profissionais. Chega uma hora que cansa ver tanta gente se desencontrando em cenas muitas vezes desengonçadas.

Christoph Waltz se junta ao júri do Festival de Berlim

‘O Grande Hotel Budapeste’: uma particular Europa entre guerras

Kraftidioten (ou, em inglês, In Order of Disappearance, “Em ordem de desaparecimento”, na tradução literal), coprodução entre Noruega, Suécia e Dinamarca dirigida por Hans Petter Moland, também tem um bocado de sangue. Mas o diretor trata com um humor tarantinesco e um ar de faroeste a história do vingador interpretado por Stellan Skarsgård (Ninfomaníaca).

Aqui, ele é Nils, cidadão do ano, responsável por limpar a neve das estradas nas montanhas norueguesas, que perde o filho, assassinado a mando de um chefão do tráfico de drogas. Esse homem pacato começa a perseguir cada um dos algozes de seu menino, deixando um rastro de corpos, para espanto da polícia local – estamos na Escandinávia, que tem índices baixíssimos de criminalidade. As piadas com a região são constantes. Um dos bandidos, vendo toda aquela neve, diz: “É o bem-estar social”. E explica: “Ou você tem tempo bom ou tem bem-estar social”. O Tarantino nórdico provocou muitos risos na sessão de imprensa, nesta segunda-feira, mas falta a ele a originalidade que deveria ser a marca de um ganhador do Urso de Ouro.