Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ano de 2011 será lembrado pelas mortes de Amy, Steve Jobs e Liz Taylor

Laura Serrano-Conde.

Madri, 30 dez (EFE).- Steve Jobs, Elizabeth Taylor, Amy Winehouse, Jane Russell, Cesária Évora, Jorge Semprún e Ernesto Sábato são algumas das figuras do mundo da cultura que morreram em 2011 mas que, apesar de terem partido, deixaram um legado que sobreviverá a passagem do tempo.

Uma das perdas mais trágicas de 2011 foi a morte repentina da cantora e compositora britânica Amy Winehouse. A diva do soul foi encontrada em agosto morta em sua casa em Londres.

Em 6 de outubro e aos 56 anos, morreu o verdadeiro gênio contemporâneo, o cofundador da Apple Steve Jobs, devido a um câncer de pâncreas. Jobs será lembrado por revolucionar o mundo da tecnologia com produtos como iPod, o iPad e o iPhone.

O mundo das telonas, por sua vez, se tingia de preto em fevereiro e março para despedir-se de duas das estrelas emblemáticas de Hollywood: Jane Russell e Elizabeth Taylor.

Conhecida por ser a companheira morena de Marylin Monroe em ‘Os cavalheiros preferem as loiras’, Jane Russell foi uma das atrizes mais admiradas dos anos 40 e 50, e uma das belezas mais impressionantes da história do cinema, quase tanto quanto a de Elizabeth Taylor.

Temperamental, carismática e rebelde, Liz Taylor foi uma lenda do Hollywood dourado, famosa por seus imensos olhos violeta e suas brilhantes interpretações em clássicos como ‘Mulherzinhas’ (1949) e ‘Cleópatra’ (1963).

Annete Charles e Jeff Conaway deixaram órfão o clássico ‘Nos Tempos da Brilhantina’ (1978). Charles, que deu vida a Cha Cha Di Gregorio e marcou época dançando com John Travolta, morreu de câncer aos 63 anos. Conaway, o rebelde e duro Kenickie, parou de respirar em maio, após duas semanas em coma.

Também morreram o ator Peter Falk, mais conhecido como o tenente Colombo, e Bubba Smith, lembrado por interpretar o agente Hightower de ‘Loucademia de Polícia’.

A música chorou pela morte de grandes estrelas como o saxofonista Clarence Clemons, membro da E Street Band, o grupo que acompanha Bruce Springsteen, e a do compositor britânico John Barry, famoso por seus trabalhos em trilhas sonoras de James Bond, ‘Born Free’, ‘Memórias da África’, ‘Dançando com lobos’ e ‘Cowboy de meia-noite’.

A ‘diva dos pés descalços’, Cesária Évora, cujo papel foi fundamental para divulgar o ‘blues’ cabo-verdiano, também partiu, assim como o cantor espanhol Manolo Otero, uma das vozes românticas mais queridas na América Latina na década de 70 e 80.

O cenário artístico chorou ainda a morte dos dois gênios: Cy Twombly, o máximo expoente do expressionismo abstrato, e John Chamberlain, conhecido por suas esculturas com metal prensado de ferro-velho e um dos artistas mais reconhecidos do século 20.

Já os amantes da literatura sentiram a perda de mestres como o argentino Ernesto Sábato. EFE