Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aumenta disputa por bolsas do ProUni

De acordo com o MEC, na primeira edição deste ano foram 15,3 candidatos para cada bolsa – em 2015 número era de 13,8. Ministro da Educação também informou que mais de 250.000 contratos serão ofertados pelo Fies

A concorrência por vaga no Programa Universidade para Todos (Prouni) registrou aumento em 2016. São 15,3 candidatos para cada bolsa, enquanto no ano passado o número era de 13,8 estudantes. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (26) pelo ministro Aloizio Mercadante, em coletiva de imprensa.

A primeira chamada de pré-selecionados para o Prouni foi divulgada na segunda-feira (25). O resultado está disponível no site do programa, na central de atendimento (0880-616161) e na instituição de ensino para qual o estudante foi aprovado. O estudante deve comparecer até 1º de fevereiro na escola e comprovar as informações da ficha de inscrição.

Leia também:

Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2016 termina nesta terça-feira

Inscrições para o 1º semestre do Fies 2016 começam nesta terça

O ProUni oferece bolsas de estudos parciais e integrais em instituições particulares de educação superior, com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesta primeira edição de 2016, o programa ofertou 203.602 bolsas – são 9.511 bolsas a menos do que no ano anterior, quando 213.113 bolsas foram oferecidas.

Fies – Mercadante também divulgou o número de contratos de financiamento que serão ofertados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Serão 250.279 contratos para esta primeira edição – no ano passado, o número total de contratos do Fies foi de 311.000.

As inscrições podem ser feitas no site do Fies, desde as 17h desta terça-feira (26). De acordo com o MEC, nos primeiros 15 minutos foram feitas 6.000 inscrições. No entanto, usuários relataram instabilidades no site pelo Twitter.

Os estudantes têm prazo até as 23h59 desta sexta-feira (29).

De acordo com o MEC, 70% das vagas do Fies serão reservadas para cursos nas áreas de saúde, engenharia e formação de professores. Cursos com notas melhores e cidades com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) também terão prioridade na distribuição de vagas do fundo.

(Da redação)