Apesar de ameaça, autora do ‘Diário de Classe’ vai manter página que denuncia problemas de escola pública

Mãe de Isadora Faber diz que ela acredita que ainda tem muito a fazer

Apesar da ameaça sofrida na internet, Isadora Faber – a garota de 13 anos que registra os problemas enfrentados por sua escola na página Diário de Classe, no Facebook, – não vai interromper as postagens. “Fico muito preocupada. Já cogitei até trocá-la de escola, mas ela insiste em continuar, afirmando que ainda tem muito o que fazer pela instituição”, diz Mel Faber, mãe de Isadora.

Leia também:

MP investiga ameaças a estudante do Diário de Classe

Inspiração da estudante Isadora Faber veio da Escócia

Educadores não estão prontos para lidar com ‘Isadoras’

Segundo Isadora, a ameaça ocorreu no sábado. Uma usuária do Facebook identificada como Bruna Meneises Silva publicou um comentário no Diário de Classe dirigido à estudante. A autora da publicação diz que Isadora “está com os dias contados”, que vai “meter bala bem na testa da mãe e do pai (sic)” da estudante e a aconselha a ficar “de olhos bem abertos quando sair de casa e da escola”.

A mãe de Isadora afirma já ter registrado boletim de ocorrência no 8º Distrito Policial de Florianópolis (SC), no domingo. “Ela já recebeu muitas críticas, mas ameaça de morte foi a primeira vez”, afirma.

A página Diário de Classe é mantida por Isadora desde julho de 2012. Ali, a estudante registra problemas enfrentados pela Escola Municipal Maria Tomázia, na capita catarinense. Desde então, vem sofrendo críticas de professores e funcionários da instituição e até de colegas.

Neste domingo, a estudante comentou a ameaça em sua página. “O que estou fazendo para ser ameaçada de morte? Por que quem apoia também é ameaçado? Com essa onda de terror que Florianópolis vive atualmente, é bem assustador. Por que é tão difícil exercer a cidadania? Por que tentam calar quem busca seus direitos?”

Não é a primeira vez que a família de Isadora recorre à Polícia em razão da repercussão causada pelas denúncias da estudante na web. Em novembro, a adolescente contou pela rede social que teve a casa apedrejada e que sua avó, de 65 anos, foi atingida na testa por uma das pedras.

Leia também:

MP investiga ameaças a estudante do Diário de Classe

Inspiração da estudante Isadora Faber veio da Escócia

Educadores não estão prontos para lidar com ‘Isadoras’