Bancos terão que trocar de imediato nota falsa sacada em caixa eletrônico

Sem regra fixa, substituição chega a demorar até 180 dias. Aplicação da nova regra depende de regulamentação adicional

Em algumas semanas, os bancos serão obrigados a substituir imediatamente as notas falsas sacadas em seus caixas eletrônicos, segundo determinação Conselho Monetário Nacional (CMN), divulgada na noite desta terça-feira. Até então, não havia uma regra fixa e, em alguns casos, a troca chegava a demorar até seis meses. A aplicação da regra depende de regulamentação adicional, o que deve acontecer nas próximas semanas.

Pela resolução, os bancos serão obrigados a reter as notas e moedas. A partir daí, terão um prazo ainda a ser definido para enviá-las ao Banco Central (BC). “As medidas visam à proteção do cliente bancário”, além de “favorecer o trabalho de investigação”, informa a nota. A medida não vale para casos de cédulas falsas recebidas no comércio, por exemplo.

De acordo com o chefe de gabinete da Diretoria de Administração do BC, Marcelo Cota, é possível que ocorram fraudes, com clientes tentando trocar notas falsas que não foram sacadas no banco, mas isso será resolvido na relação do banco com o usuário. Segundo ele, o índice de registro de notas falsas por milhão no Brasil passou de 150 há dez anos para 75 hoje. Os Estados Unidos têm hoje taxa de 50 notas falsas por milhão.

Leia mais:

PIB do Brasil recua 0,3% no 1º trimestre, diz IBGE

OCDE piora projeção para PIB do Brasil em 2016 e 2017

(Com Estadão Conteúdo)