Satélite brasileiro e americano pretende mapear com precisão inédita ecossistemas da Terra

Proposta depende de aprovação da Nasa. Se passar, missão vai ajudar a prever com mais precisão as mudanças climáticas a partir de 2016

Cientistas brasileiros e americanos estão trabalhando para lançar um satélite que vai enxergar a ‘impressão digital’ do planeta. A sonda ajudará cientistas a prever com muito mais precisão as mudanças climáticas em diferentes ecossistemas. A proposta, feita em conjunto pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ministério de Ciência e Tecnologia, Agência Espacial Brasileira e pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL), o laboratório de propulsões da Nasa, foi anunciada durante a Fapesp Week em Washington.

Se o projeto for aprovado, será a primeira vez que o Brasil constrói um satélite junto com a Nasa. A proposta foi entregue em setembro e receberá uma resposta em abril de 2012. O satélite seria lançado em setembro de 2016 a partir de um centro de lançamento russo ou indiano.

A missão, batizada Global Terrestrial Ecosystem Observatory (GTEO), vai mapear em escala global, pela primeira vez, o ecossistema terrestre com grande precisão. A sonda vai usar um instrumento construído pelo JPL que consegue analisar o solo usando espectroscopia.

A técnica relaciona a quantidade de luz refletida por um objeto e sua composição química. “Vamos conseguir enxergar os tipos de plantas e se existe mais ou menos água em determinada região”, disse Gilberto Câmara, diretor do Inpe. De acordo com o diretor, a única vez em que um instrumento do tipo foi usado aconteceu em uma missão à Lua.

Os dados vão avançar o entendimento e previsão do ciclo de carbono e sua influência no aquecimento do planeta e na evolução da cobertura de vegetação na Terra. Atualmente, os satélites de monitoramento do ambiente não conseguem enxergar pequenas alterações importantes nos níveis de stress na vegetação durante a variação do clima.

Tapete verde – Essas variações ajudariam a construir modelos de previsão para o meio ambiente com muito mais precisão. “Hoje vemos apenas um tapete verde nas imagens”, disse Câmara. “O GTEO vai dizer exatamente o que está acontecendo na superfície do planeta”, acrescentou Robert Green, cientista chefe da missão, engenheiro do JPL.

O satélite vai dar 14 voltas na Terra todos os dias a uma altitude de 626 quilômetros. De acordo com Green, o Brasil será visitado quase todos os dias e terá um mapa completo a cada 19 dias. Duas bases terrestres, uma na Noruega e outra em Cuiabá, receberão as informações. “Tudo será publicado gratuitamente na internet”, de acordo com Câmara.

Câmara explicou que o Brasil vai fornecer o corpo do satélite. “Vamos construir a caixa, o painel solar, o computador de bordo, o sistema de controle de energia e envio de informação de dados”, disse. Segundo Green, os EUA vão fornecer o instrumento que vai fazer a medição das informações.

O projeto tem custo previsto de 250 milhões de dólares. O Brasil gastaria 100 milhões no lançamento e corpo da sonda e os EUA desembolsariam o resto com o instrumento. Na próxima quinta-feira (27), o presidente da Nasa, Charles Bolden, visitará as instalações do Inpe para discutir a missão com cientistas brasileiros.