O ano em que a Ásia ‘conquistou’ o espaço

China, Coreia do Sul, Índia e Japão realizaram importantes operações científicas e entraram de vez na corrida espacial

A China enviou uma sonda para a Lua, a Coreia do Sul pôs em órbita seu primeiro satélite, a Índia lançou uma sonda de exploração de Marte e o Japão, um novo foguete de três estágios. Definitivamente, 2013 é o ano em que a Ásia se lançou na corrida espacial.

Em dezembro, a China se tornou o terceiro país do mundo a chegar à Lua, ao fazer o primeiro pouso controlado e lento no satélite natural da Terra em 37 anos, uma proeza técnica que fez o gigante asiático entrar no grupo das potências espaciais, formado por Rússia e Estados Unidos.

Esta operação é o prelúdio de um programa ambicioso, que inclui o lançamento de um laboratório espacial em 2015, uma estação orbital em 2020 e o envio de um homem à Lua, provavelmente após 2025.

Em setembro, o Japão lançou ao espaço um telescópio de observação remota de planetas, graças ao Epsilon-1, um foguete pequeno e fácil de colocar em órbita que abre uma nova era de lançadores de baixo custo. E em 1º de dezembro, a Índia lançou com sucesso uma sonda destinada a explorar Marte. A Coreia do Sul, por sua vez, pôs em órbita seu primeiro satélite em janeiro.

Especialistas afirmam que esta corrida espacial entre países asiáticos tem um lado preocupante e que, em qualquer caso, o mundo deve contar com novos atores de peso. “A China deu início a uma corrida espacial de importância na Ásia. Os indianos observam atentamente o que os chineses fazem e até mesmo os sul-coreanos aceleram o ritmo”, afirmou o especialista australiano Morris Jones.

Leia ainda:

Nave chinesa faz 1º pouso controlado na Lua em 37 anos

China lança sua mais longa missão espacial tripulada

Vadim Lukachevich, especialista russo da área espacial, considerou que “se os russos não mudarem sua atitude debochada com relação ao que a China faz no espaço, em uma década a corrida acontecerá entre Pequim e Washington, sem a Rússia”.

“Os satélites chineses são hoje mais eficazes do que os nossos e a China quer competir com os Estados Unidos, não com a Rússia”, acrescentou.

A Índia, embora com tenha recursos mais modestos do que a China, está decidida a participar da corrida espacial e destinou o equivalente a 6,4 bilhões de dólares ao seu programa espacial no período 2012-2017.

Os especialistas consideram que os países da Ásia, inclusive a China, não podem desbancar a Nasa, nem outros grandes do setor antes de pelo menos duas décadas, mas acrescentam que rapidamente serão para eles um concorrente comercial.

Leia também:

Japão vai entrar na corrida comercial do espaço

Robô falante japonês vai ao espaço em missão histórica

(Com agência France-Presse)