Nasa busca novas ideias para missões a Marte

No chamado feito aos cientistas de todo o mundo, a agência pede para que especialistas em ciência planetária enviem ideias

A agência espacial americana (Nasa) anunciou que está buscando novas ideias para missões não tripuladas para explorar Marte, depois que cortes orçamentários vetaram uma aliança com a Agência Espacial Europeia (ESA). “A Nasa está reformulando o Programa de Exploração de Marte para responder aos objetivos científicos de alta prioridade e ao desafio do presidente de enviar seres humanos a Marte na década de 2030”, informou a agência nesta sexta-feira.

Um grupo de planejamento começou a avaliar as possíveis opções para futuras missões, o que poderia implicar o envio ao planeta vermelho de uma nave orbital ou de um veículo robótico que pousará em 2018, dois anos depois do previsto no âmbito da agora inexistente associação com a Europa.

Saiba mais

EXOMARS

Os Estados Unidos tinham previsto colaborar com a Agência Espacial Europeia em um projeto chamado ExoMars, que enviaria um orbitador a Marte em 2016 e dois veículos de exploração ao solo do planeta vermelho em 2018.Segundo o acordo feito em 2009, a Nasa contribuiria com 1,4 bilhão de dólares para o projeto e a ESA aportaria 1,2 bilhão de dólares. No entanto, estes planos foram anulados em fevereiro, quando um projeto de orçamento fiscal do presidente Barack Obama para 2013 impôs uma redução de 226 milhões de dólares, um corte de cerca de 39% no programa da agência espacial americana de exploração marciana – de 587 milhões de dólares para 361 milhões de dólares.

A Nasa lançou um chamado aberto aos cientistas de todo o mundo para “apresentar ideias e resumos online como parte do esforço da Nasa para buscar as melhores e mais brilhantes ideias de investigadores e engenheiros em ciência planetária”.

O Instituto Lunar e Planetário apresentará os projetos eleitos em junho em um workshop em Houston, Texas (centro-sul), informou a Nasa. “O workshop será um fórum aberto para a apresentação, discussão e exame de conceitos, opções, capacidades e inovações para avançar na exploração de Marte. Estas ideias apresentarão uma estratégia para a exploração dos recursos disponíveis, podendo começar em 2018 e abarcando até a próxima década e além.”

Parceria – John Grunsfeld, administrador associado do Diretório de Missões Científicas da Nasa, disse que ainda se pode esperar uma cooperação europeia ativa nos futuros projetos de Marte. “Continuamos trabalhando com os europeus. Mais de três quartos das nossas missões atuais representam importantes associações internacionais”, disse, citando a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) como exemplo.

No entanto, o futuro da exploração de Marte para a Nasa não envolverá os planos da ExoMars, à exceção de alguns instrumentos dos Estados Unidos previstos para serem incluídos no orbitador de 2016.

A sonda Curiosity da Nasa, conhecida formalmente como Laboratório Científico de Marte, mas apelidada de “máquina de sonhos” por cientistas da Nasa, foi lançada em novembro da Flórida e espera-se que pouse no planeta vermelho no começo de agosto. A máquina mais avançada já construída até agora para explorar a superfície do vizinho mais próximo da Terra, com custo de US$ 2,5 bilhões, leva seu próprio laboratório de análise de rochas e tem como objetivo buscar indícios de que tenha existido vida em Marte.

(Com agência France-Presse)