Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Missão de satélites gêmeos que retrataram a Lua terminará na segunda-feira

Após um ano de missão, as sondas Ebb e Flow, que permitiram a montagem de um complexo mapa da gravidade lunar, terão seus instrumentos desligados na segunda-feira e cairão sobre uma montanha no Polo Norte do satélite terrestre

As sondas gêmeas Ebb e Flow, que por um ano fizeram imagens que permitem conhecer melhor a estrutura interna da Lua, concluirão sua missão na próxima segunda-feira, caindo sobre uma montanha do Polo Norte do satélite terrestre, informou nesta quinta-feira a Nasa, a agência espacial americana.

“A missão foi um sucesso, mas este é um momento um pouco triste para mim”, confessou David Lehman, o gerente do programa GRAIL (a sigla em inglês que corresponde a Laboratório Interior e de Recuperação de Gravidade), em entrevista coletiva realizada em Pasadena, na Califórnia. Após anos de preparação, um foguete Delta II partiu em setembro de 2011 levando à Lua dois satélites: o GRAIL A, que estudantes americanos batizaram como Ebb, e o GRAIL B, batizado como Flow.

Os robôs orbitais empregaram um sistema de campo gravitacional de alta qualidade para determinar a estrutura interior da Lua. Sobre isso, cientista do Instituto Tecnológico de Massachusetts encarregada do projeto, María Zuber, afirmou, também na quinta, que as imagens sem precedentes “nos dão um conhecimento enorme da Lua”. Um mapa da gravidade da Lua, montado a partir das informações colhidas pelas sondas Ebb e Flow, revelaram, por exemplo, que a maior parte da crosta lunar está fragmentada, resultado de impactos de asteroides e cometas.

Leia também:

Mapas da gravidade da Lua revelam crosta profundamente fraturada

“Ebb e Flow completaram com sucesso sua missão científica principal”, acrescentou María. “Estamos fazendo os últimos preparativos e, dado que o combustível dos robôs está acabando, a missão terminará em breve”. No domingo será completada a última órbita dos robôs gêmeos e se apagarão todos os instrumentos científicos.

(Com EFE)