Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Micróbios primitivos foram os responsáveis por início da vida complexa

Há bilhões de anos, organismos iniciaram a produção de oxigênio, fundamental para o surgimento de formas de vida complexas

As cianobactérias capturavam a luz do sol e produziam oxigênio

Há mais de 2,5 bilhões de anos, a Terra era um deserto de oxigênio. Enquanto hoje o gás representa 21% da atmosfera, naquela época ele quase não existia. Por causa disso, a vida estava limitada a organismos unicelulares que, ao contrário dos animais, podem existir sem a presença de oxigênio. Aos poucos, no entanto, alguns “oásis” de oxigênio surgiram debaixo d’água, em locais específicos, muito antes de o gás que respiramos se acumular na atmosfera. E isso se deveu a uma classe de bactérias, segundo afirmam os pesquisadores Brian Kendall e Ariel Anbar, da Universidade Estadual do Arizona (EUA). Kendall e Anbar acabam de publicar um artigo publicado no periódico Nature Geoscience. Segundo os cientistas, o planeta testemunhou o aparecimento das chamadas “cianobactérias” na água, 2,5 bilhões de anos atrás. Esses organismos capturavam a luz do sol e produziam oxigênio. No processo, elas alteraram a estrutura da atmosfera terrestre permitindo a formação de vidas mais complexas em eras futuras. O oxigênio produzido permanecia na água e uma parte escapava para atmosfera. “Nossa pesquisa mostra que o acúmulo de oxigênio na Terra começou a ocorrer na superfície dos oceanos, perto e continentes onde o suprimento de nutrientes era maior”, disse Kendall. “Os resultados mostram que a produção de oxigênio nos oceanos foi intensa em algumas partes do mundo pelo menos 100 milhões de anos antes de ele ter acumulado na atmosfera”, explicou Kendall. Para ele, a explicação mais simples é a produção fotossintética de oxigênio pelas cianobactérias. A ideia sobre os “oásis de oxigênio”, ou regiões do oceano onde o oxigênio acumulou na superfície em épocas primitivas foi pensada décadas atrás. Contudo, somente há poucos anos provas geoquímicas foram apresentadas determinando a presença de oxigênio dissolvido no solo do oceano há 2,5 bilhões de anos, antes da grande acumulação do gás que respiramos na atmosfera – conhecido como o Grande Evento de Oxidação. Queda de oxigênio – Pesquisas recentes mostraram a presença de oxigênio dissolvido em rochas no oeste da Austrália. Agora, o estudo de Kendall mostrou que o gás também está dissolvido em outra parte do globo, na África do Sul. O diretor do Programa de Astrobiologia da Universidade do Arizona, Ariel Anbar, disse que pesquisas como essa são importantes para a procura de vida em outros planetas. “Uma das formas de procurarmos vidas em outros planetas é perceber a existência de oxigênio na atmosfera desses astros”, explicou. Anbar também disse que a pesquisa também é importante para revelarmos mais segredos sobre a vida aqui na Terra. “Muitas pesquisas nos oceanos têm mostrado que a quantidade de oxigênio está caindo em algumas regiões”, disse Anbar. Segundo o pesquisador, isso poderia estar ligado ao aquecimento global. “A nova pesquisa pode ajudar a entender como os humanos estão mudando o meio-ambiente hoje”, concluiu.