Conheça o robô do pontapé inicial da Copa do Mundo

Um jovem paraplégico com uma veste robótica dará o primeiro chute do Mundial no Itaquerão, resultado do trabalho liderado pelo brasileiro Miguel Nicolelis

Minutos antes do jogo entre Brasil e Croácia desta quinta-feira, um jovem paraplégico, usando uma armadura robótica comandada pelo cérebro, vai entrar em campo, caminhar e dar o chute inicial do campeonato. A estrutura que será exibida no estádio Itaquerão é uma demonstração de como a união entre a neurociência e as máquinas poderão, em breve, fazer com que pessoas que perderam os movimentos estejam caminhando nas ruas.

Leia também:

Felipão e Neymar chamam torcida em SP: ‘Chegou a hora’

​No último treino, Brasil ensaia faltas, pênaltis e finalizações

Felipão e Neymar mostram seu entrosamento no Itaquerão

Leia também:

“Tetraplégico dará pontapé inicial da Copa com exoesqueleto”, promete cientista ​

Laboratório de Nicolelis faz macacos controlarem braços virtuais com pensamento

Realidade virtual – Batizada de BRA-Santos Dumont 1, a veste robótica que apoia os movimentos ainda não foi descrita em detalhes em artigos científicos. A equipe de Nicolelis, cientista da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, onde dirige um laboratório de neuroengenharia desde 1994, divulga as informações sobre as etapas do projeto em uma página no Facebook e no Portal da Copa.

O exoesqueleto, como é chamado o robô, é uma interface cérebro-máquina (ICM) que vai ler os comandos cerebrais e dirigir o robô. Para aprender a andar com ele, os oito jovens, pacientes da Associação de Assistência à Criança Deficientes (AACD), reaprenderam os comandos mentais que dirigem os movimentos em um ambiente de realidade virtual construído em laboratório. Com sensores de eletroencefalograma (EEG) acoplados à cabeça, os paraplégicos fizeram com que um avatar caminhasse por meio do pensamento. Assim, lentamente, o cérebro refez as conexões para dirigir o exoesqueleto. O treinamento também simulou o estádio com os gritos da plateia, como se fosse o dia do início da Copa.

Quase seis meses depois do início dos testes, um dos pacientes conseguiu dar doze passos com o exoesqueleto dentro do laboratório. Em 3 de junho, Nicolelis afirmou que o exoesqueleto completou com sucesso o teste no gramado do Itaquerão.

Como se fosse uma parte do corpo – Uma das inovações propostas pelo cientista, ao lançar o projeto, em 2011, foi prever sensores especiais que providenciassem um feedback tátil. Por meio deles, o corpo paraplégico teria a sensação de tato dos membros paralisados. Essa percepção é importante para caminhar porque é ela que envia ao cérebro informações fundamentais para a localização espacial, coordenação, equilíbrio e força.

No exoesqueleto, essa sensação seria captada por placas flexíveis de circuitos integrados ao pé do robô, que a transmitiria a eletrodos acoplados ao braço do paraplégico, que os envia aos neurônios. Com o tempo, o cérebro aprenderia a entender esses sinais como se eles viessem do corpo – ou seja, como se o exoesqueleto fosse mais um membro do organismo. “É a primeira vez que um exoesqueleto é controlado por atividade cerebral e oferece feedback aos pacientes”, declarou Nicolelis à agência de notícias France Presse.

Veja abaixo as principais partes do exoesqueleto:

Exoesqueleto Miguel Nicolelis

(Com AFP)