Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Boeing será primeira empresa comercial a levar astronautas à ISS

Com isso, a Nasa quer conseguir independência em relação à Rússia, atualmente responsável pelo transporte da tripulação, por meio das naves Soyuz

A Boeing será a primeira empresa privada a levar astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), por meio de um contrato comercial com a Nasa, informou nesta segunda-feira a agência espacial americana.

A escolha é parte do Commercial Crew Program, da Nasa, que tem como objetivo lançar astronautas ao espaço a partir de solo americano pela primeira vez em anos, e conseguir a independência da Roscosmos, agência espacial Russa, atualmente responsável pelo transporte de passageiros à ISS, por meio das naves Soyuz.

Em setembro passado, a Nasa elegeu Boeing e SpaceX para construir as duas primeiras naves espaciais privadas capazes de transportar astronautas à ISS. Nesta segunda-feira, Kathy Lueders, que chefia o programa de voos tripulados comerciais da Nasa, afirmou em coletiva de imprensa que a primeira missão comercial tripulada à ISS será da Boeing.

Leia também:

Módulo sobre cometa deve ‘despertar’ entre maio e junho

O ano de Plutão – e outras missões espaciais que marcarão 2015

“A Boeing já venceu duas etapas chaves de seu contrato, enquanto a SpaceX superou uma”, disse a Lueders. Ela citou também as diferenças no desenvolvimento dos programas espaciais das duas empresas e a necessidade de começar a enviar estas missões no fim de 2017 ou no começo de 2018. O contrato com a Nasa, de 6,8 bilhões de dólares, cobre no total seis missões tripuladas para a ISS para cada uma das empresas.

John Elbon, encarregado da Boeing Space Exploration, filial das atividades espaciais do grupo aeroespacial americano, afirmou na mesma coletiva que o primeiro voo de teste não tripulado da cápsula CST-100 está programado para abril de 2017, seguido, em julho, de uma missão com dois passageiros.

O primeiro voo no âmbito do contrato com a Nasa com astronautas a bordo deve ocorrer em dezembro de 2017, acrescentou.

(Com Agência France-Presse)