Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Policiais invadem Alerj contra pacote do governo

Agentes das forças de segurança do Rio protestam contra medidas que congelam salários e propõem cortes

Servidores da segurança do Rio invadiram a Assembleia Legislativa do Rio durante um protesto nesta terça-feira (8) contra o pacote de austeridade do governo. Cerca de 15 mil policiais civis e militares, além de bombeiros e agentes penitenciários, cercaram o Palácio Tiradentes. As portas foram trancadas e a Tropa de Choque acionada, mas mesmo assim os manifestantes entraram e ocuparam o plenário, O gabinete do deputado Wagner Montes, vice-presidente da Casa, acabou depredado

A sessão que estava marcada para acontecer à tarde foi cancelada. Um dia antes, o presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB), havia ordenado que o prédio fosse cercado por arame farpado. Após a invasão, um funcionário contou que o clima era de tensão dentro do palácio. “Quando entraram, a gente se trancou na sala, colocou sofá na porta e desligou as luzes. Aqui dentro tem policial armado que estava bebendo cerveja desde cedo debaixo do sol. Qualquer coisa pode acontecer”, afirmou.

Até o início da tarde, a manifestação aconteceu em clima pacífico. A tensão se elevou por volta de 13h30, quando um grupo de agentes penitenciários arrancou tapumes em uma das entradas, que passa por reforma. O Batalhãoi de Choque foi acionado, mas se recusou a comparecer. Manifestantes subiram em andaimes e incitaram quem estava na rua a invadir a casa. A Polícia Civil não participou da invasão. Na semana passada, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) anunciou uma série de medidas para combater a crise do estado. As propostas, detalhadas em 22 projetos de lei enviados à Alerj, incluem a suspensão temporária de reajustes salariais e o aumento da contribuição previdenciária descontada na folha de pagamento. Os manifestantes começaram a deixar o local por volta das 17h.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ninguém pensa em cortar os privilégios da elite estatal, salários altíssimos e aposentadorias exorbitantes.

    Curtir

  2. Antonio Carlos Peludo

    É facil cortar o beneficio do outro sem que o nosso seja atingido. Covardes

    Curtir