Nova fase da Operação Acrônimo mira chefe da Casa Civil de MG

Marco Antônio Rezende é ligado à empresa de consultoria MOP, cuja propriedade é atribuída pelos investigadores ao governador de Minas, Fernando Pimentel

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira a 9ª fase da Operação Acrônimo que investiga esquema de corrupção envolvendo verbas do BNDES na gestão do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), quando comandava o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Essa é a terceira fase realizada em duas semanas.

Entre os alvos da ação de hoje está o chefe da Casa Civil de Minas, Marco Antônio Rezende e outras pessoas ligadas às empresas de consultoria MOP e OPR no Estado. Essa fase investiga outro esquema paralelo que supostamente envolve Pimentel com a empresa OAS, que é alvo de mandado de busca e apreensão. Na ação de hoje, não há prisões, somente conduções coercitivas.

Leia também:
Pimentel recebeu R$ 14,5 mi de propina da Odebrecht e OAS, diz Bené
Pimentel recebeu R$ 20 mi da Caoa, diz delator

A MOP Consultoria e Assessoria foi aberta em novembro de 2012 por Rezende e pelo atual presidente da Companhia de Tecnologia da Informação de Minas (Prodemge), Paulo de Moura. Quando Pimentel era prefeito de Belo Horizonte, entre 2001 e 2008, eles integravam o primeiro escalão da gestão municipal e ficaram nos cargos até 2012, já na administração Marcio Lacerda (PSB).

Os investigadores suspeitam que Pimentel seja o dono da consultoria e beneficiário dos recursos que ela recebe. Alguns indícios que corroboram para essa tese são as notas fiscais que a Polícia federal recolheu, em uma das fases da Acrônimo, numa sala alugada por Pimentel para ser seu escritório político em BH. As notas eram referentes a pagamentos à MOP e a outras empresas atribuídas pelos investigadores ao governador, como a OPR Consultoria Imobiliária, em nome de Otílio Prado, um dos principais assessores do petista.

A MOP recebeu 635.000 reais do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra) – que representa as viações de ônibus da capital mineira, contratadas na gestão do petista, em 2008, para operar as linhas da cidade por 20 anos. O faturamento previsto é de 10 bilhões de reais. Marco Antônio coordenava a licitação. A empresa dele teve ainda mais sete clientes e faturou 1,9 milhão de reais em 21 meses.

Quando Pimentel venceu as eleições para governador, em 2014, os dois sócios da MOP fecharam a empresa. Ambos trabalharam na campanha e, em seguida, na equipe que cuidou da transição do governo. Rezende era coordenador financeiro e jurídico do comitê.

Fases recentes

No dia 15 de setembro, a Polícia Federal indiciou Fernando Pimentel e o empresário Marcelo Odebrecht por corrupção em esquema para liberar financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) à empreiteira. Ao governador de Minas foram imputados os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Marcelo Odebrecht, a PF atribui prática de corrupção ativa.

O indiciamento ocorreu pouco depois que foi deflagrada a oitava fase da Acrônimo, que apurou cooptação e pagamento de vantagens indevidas para fraudar licitações no Ministério da Saúde, beneficiando gráfica de propriedade
Pimentel. Outra linha de investigação dessa fase foi a interposição de empresa na negociação e pagamento de vantagens indevidas a agente público, para obtenção de financiamentos de projetos no exterior pelo BNDES, nos seguintes países: República Dominicana, Angola, Cuba, Panamá, Gana e México, no interesse da Odebrecht.

Dois dias antes, a PF havia deflagrado a sétima fase da operação contra o empresário Felipe Torres, ligado à família do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), e contra Sebastião Dutra, da empresa Color Print. Segundo os investigadores, Dutra teria omitido notas fiscais falsas para uma empresa que fez obras no restaurante e para a campanha de Pimentel.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Nelson Marchetto

    É o pt em Minas Gerais, preciso dizer alguma coisa mais???

    Curtir

  2. Napoleao Gomes

    Não reclamem do BNDES, pois a diretora colocada na presidência desse banco por Temer é processada por um rombo de 5 BILHÕES e ninguém sequer comenta este golpe!

    Curtir

  3. Floriano Barros

    Parabéns Povo Mineiro por eleger o Governador mais bandido do Brasil, deve estar fazendo a lmpa nos cofres públicos do Estado de Minas. É do PT está explicado.

    Curtir

  4. Januario Neto Souza Neto

    Atenção PMDB-PSDB-DEM podem roubar, pois, temos uma parte da midia, alguns Juizes, promotores e policiais que resolveram virar bandidos ao serem partidários e seletivos.

    Curtir

  5. Aloisio Barros

    o desgovernador Pimentel e o Lula nunca vão para a cadeia? O que falta?

    Curtir

  6. Aloisio Barros

    Sou mineiro e contra o PT. Aqui as eleições foram pau a pau. Não admito que critiquem meu estado e pensem que votamos maciçamente nessa porcaria chamada Pimentel.

    Curtir

  7. Fábio Luís Inaimo

    Não sei se a PêTêzada se deu conta, mas, estes calhordas ai a quem defendem estão soltos graças aos juízes PETRALHAS que o governo colocou nos últimos 14 anos. Quem defende canalha, canalha é! pense nisso.

    Curtir

  8. Fábio Luís Inaimo

    Na verdade não sei se é canalhice, desonestidade, masoquismo ou burrice mesmo!!

    Curtir