Mexeu com todas

A denúncia da figurinista da Globo contra José Mayer desencadeia uma onda de indignação e ilumina um crime que vive na sombra da vergonha e do medo

Em depoimentos a VEJA, mulheres vencem o medo e a vergonha e relatam episódios de assédio sexual. A cantora Luiza Possi conta que um fã quis lhe passar a mão dentro do camarim. A vendedora Brenda Nascimento diz que foi assediada no ônibus. A jornalista Sandra Annenberg afirma que sofreu assédio mais de uma vez em sua carreira. A administradora Karoline Ferreira confessa que um professor roçou a mão nos seus seios. Os relatos são intermináveis. “Posso dizer que 100% das mulheres que trabalham fora já sofreram assédio. As que não sofreram ainda vão sofrer”, anuncia Luiza Nagib Eluf, advogada criminalista. A questão é que tais relatos, normalmente, ficam escondidos sob a sombra da vergonha e do medo. Pois foi vencendo a vergonha e o medo que a figurinista Susllem Tonani, de 28 anos, que trabalhara na Rede Globo, divulgou em um blog o assédio insistente do galã José Mayer, 67 anos. A denúncia produziu uma crescente indignação e fez nascer a campanha “Mexeu com uma, mexeu com todas”, iniciativa das mulheres que trabalham no Projac, onde ficam os estúdios da Globo. Com o engajamento de artistas, a iniciativa viralizou. A Globo viu, reagiu e fez do proverbial limão uma limonada. A ordem da direção é de rigor na apuração, reação proporcional ao tamanho da resistência à herança troglodita organizada e amplificada na poderosa caixa de ressonância da internet.

Com reportagem de Thaís Botelho e Isabela Izidro de Moura

Compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Silvério Lemos

    Pessoas estão confundindo assédio com flerte legítimo! Tentar agradar a uma mulher com fim de namoro não pode ser confundido com assédio! No namoro saudável a mulher pode dizer sim ou não é não há desrespeito! Já o assediador usa de uma posição de mando, de poder sobre a mulher querendo obriga-lá a fazer algo que ela não deseja, então: desrespeito total para com ela! Outra coisa: desde quando uma pergunta como: “posso passar a mão na sua bunda” não é desrespeito? Parece que em vez de evoluir estamos é caminhando pra trás!

    Curtir