Lixo faz barco perder de carro em corrida no Tietê

Por AE

São Paulo – Uma potente lancha de 11 metros de comprimento e três motores, de 300 cavalos cada um, não pôde com o mar de lixo do Rio Tietê e perdeu uma corrida de 24 quilômetros do Cebolão até a Ponte das Bandeiras, ontem. O oponente era um carro Mercedes-Benz que fez o mesmo trajeto pela Marginal do Tietê, no horário de pico da manhã.

O desafio foi promovido pelos organizadores do São Paulo Boat Show, salão náutico que terá sua 14.ª edição de quinta-feira até a próxima terça-feira, em São Paulo. O evento tem como rádio oficial a Rádio Eldorado e apoio da Rádio Estadão ESPN.

O objetivo da ação era conferir qual era a via mais rápida para cruzar a cidade: o rio ou a marginal. Na largada do percurso, de ida e volta, a lancha prometia um bom desempenho.

A boa arrancada – a mais de 60 km/h – durou pouco tempo. Logo um dos motores foi comprometido por um pedaço de madeira, que quebrou a hélice.

Poucos metros à frente, os outros dois motores começaram a soltar fumaça. A grande quantidade de sacolas plásticas, garrafas PET e todo tipo de lixo flutuante no rio entupiu o sistema de refrigeração, causando superaquecimento. Resultado: a lancha não conseguiu completar nem o primeiro trecho e teve de ser rebocada até o local da largada por um barco menor.

Com a lancha principal fora da corrida, o jeito foi comparar o desempenho do carro com o das outras duas embarcações de apoio. Ainda assim, a poluição deu vantagem para o carro.

No balanço final, o percurso inteiro durou 1h06 sobre quatro rodas. Pelo rio, foram oito minutos a mais, com o percurso finalizado em 1h14. Isso em um trajeto menor, já que as lanchas não conseguiram chegar até a Ponte das Bandeiras, mais uma vez por culpa da poluição. Ambas precisaram parar mais de uma vez para tirar o lixo que travava o motor.

O resultado foi considerado surpreendente, inclusive, para quem conduzia o carro do desafio, o piloto de avião Davi Caran. “Vim acreditando que a lancha ganharia, pois já sabemos como é o trânsito de São Paulo e, no rio, é trajeto em linha reta.” Durante o percurso, o Mercedes teve velocidade média de 30 km/h.

“Mais do que promover uma disputa, nosso objetivo era fazer um alerta para que se crie uma São Paulo mais navegável”, afirma o organizador do evento, Ernani Paciornik, para quem as dificuldades de navegação no rio em razão da poluição fazem a cidade desperdiçar uma alternativa ao trânsito engarrafado.As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.