Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lava Jato não exigiu troca de advogado, diz defesa de Palocci

Antigo defensor do ex-ministro era contra o acordo de delação premiada que o petista agora busca fechar

Os novos advogados de Antonio Palocci afirmaram neste domingo que a força-tarefa da Operação Lava Jato não fez “qualquer exigência, nem sequer mínima alusão” para que o ex-ministro trocasse de defesa como condição para negociar delação premiada. Palocci mudou seu quadro de defensores na sexta-feira.

Desde o início da Lava Jato ele era representado pelo criminalista José Roberto Batochio, de São Paulo.

Preso desde setembro de 2016, o ex-ministro já é réu em duas ações penais e, diante do risco de permanecer na cadeia por uma longa temporada, decidiu buscar acordo de delação premiada e dispensou Batochio.

O defensor é um veterano da advocacia que não atua em demandas de delatores. Na própria Lava Jato ele deixou a defesa do lobista Julio Camargo que fez delação e revelou propina de 5 milhões de dólares para o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

Palocci contratou o advogado Adriano Bretas, defensor de outros alvos da Lava Jato que optaram pela delação.

A mudança teria sido uma exigência dos procuradores do Ministério Público Federal para iniciar a negociação. Os procuradores teriam imposto a troca da defesa, o que é negado com veemência pelo escritório Bretas. Eles também teriam recomendado a Palocci que desistisse do pedido de habeas corpus que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

Em nota divulgada neste domingo, o Bretas Advogados, estabelecido em Curitiba – base da Lava Jato -, fez um esclarecimento público, no qual destaca que “a ética conduz e sempre conduziu seus trabalhos”.

A nota ressalta que o ex-advogado de Palocci “sempre anunciou publicamente que, dependendo da alternativa escolhida pelo cliente na estratégia de sua defesa, renunciaria à causa”. “Não houve qualquer exigência, nem sequer mínima alusão, por parte do Ministério Público Federal ou da Polícia Federal na contratação ou destituição deste ou daquele escritório”, sustentam Bretas e sua equipe. “Tal escolha foi feita por livre e espontânea vontade do sr. Antonio Palocci Filho.”

O Bretas Advogados também rechaçou a versão sobre eventual desistência do pedido de liberdade. “Desistir ou prosseguir no habeas corpus é uma escolha livre e exclusiva da defesa, sem qualquer interferência, muito menos ‘exigência’, do Ministério Público Federal, da Polícia Federal ou de quem quer que seja.”

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Sergio Bertoni

    Está corretíssimo, se bobear vai apodrecer na cana igual ao Marcos Valério, os companheiros abandonou ele é vai abandonar o Palocci tb.

    Curtir

  2. Francisco Lemos

    Ele sabe com quem lida. sabe que so tem duas opcoes, ou apodrece na cadeia ou vai se juntar ao celso daniel e carlinhos do pt. melhor delatar, e viver uma vida confortavel com o fruto do roubo, em outro pais.

    Curtir

  3. O Batoquio ainda não acordou para a nova situação que pedimos a DEUS que venha para ficar lugar de LADRÂO é na prisão nem um grande embrulhão salva um corrupto que rouba da nação .

    Curtir

  4. Ataíde Jorge de Oliveira

    DöM => FiLhãO do DoNOOdBR => PresidANT@ =>
    ÏLÏL$ => Mö$h => [ DüC+OA$ ] / $wï$Nººººººº
    => OR’dExPRë$$ / ïTaLLïAnnü$ =>
    OK ( MeU_RE&Ï.rs.R$.rs ) —
    — !_SrºDOM_EMïLhOOdBR
    PT_A_FiNaLL.pT — PT_$d$

    Curtir

  5. Paulo Bandarra

    Evidente que Palocci vai detonar os outros clientes corruptos dos advogados sem ética.

    Curtir