Justiça bloqueia R$ 800 mi de Joesley por compra de dólares

Liminar foi determinada por juiz da 5ª Vara Federal Cível de São Paulo. Autores da ação popular alegam que irmãos Batista praticaram 'insider trading'

A Justiça Federal de São Paulo determinou por meio de liminar o bloqueio de 800 milhões de reais das contas de Joesley Batista, dono do grupo J&F, que controla entre outras empresas a produtora de carnes JBS. O confisco do valor se refere ao suposto lucro obtido pela companhia com a compra de dólares às vésperas da divulgação do explosivo conteúdo da delação premiada firmada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), que implicou, sobretudo, o presidente Michel Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), alvos de inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão foi proferida pelo juiz Tiago Bitencourt de David, da 5ª Vara Federal Cível, em uma ação popular movida por dois cidadãos. O advogado Hugo Fizler Chaves Neto pedia o sequestro de 10 bilhões de reais das contas dos executivos da JBS, mas o magistrado só permitiu 800 milhões de reais sob a alegação de “proteção à ordem econômica”. O magistrado também considerou que há risco ao erário, uma vez que a JBS foi beneficiada com empréstimos bilionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O autor da ação afirmou que os irmãos Joesley e Wesley Batista atuaram no mercado de ações com informações privilegiadas, prática conhecida como insider trading. Segundo o advogado, os executivos anteviram que o mercado financeiro reagiria mal às revelações feitas por eles mesmos e, por isso, compraram 1 bilhão de dólares nos dias que antecederam a divulgação dos diálogos pelo jornal O Globo, em 17 de maio. Eles também relataram a venda de 327 milhões de reais em ações da JBS ao longo de seis dias durante o mês de abril, quando os executivos já negociavam a colaboração com a PGR. O juiz viu verossimilhança nas ocorrências, apesar de elas não terem sido confirmadas.

“A compra de dólares na véspera do vazamento da delação premiada, por outro lado, nunca foi esclarecida e o fato tanto é verossímil que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) está apurando o ocorrido. Soma-se a isso, ainda, movimentos de venda e compra de ações da JBS antes e após a vinda a público da existência da colaboração e da conversa com o presidente da República”, escreveu o juiz.

 

Em nota, a J&F informou que ainda não tomou conhecimento do processo e que tem “como política e prática a utilização de instrumentos de proteção financeira visando, exclusivamente, minimizar os seus riscos cambiais e de commodities provenientes de sua dívida, recebíveis em dólar e de suas operações.”

Clique aqui para ler a decisão na íntegra.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. VAGABUNDO… tem que doer no bolso desse Malandro Golpista…. Tomara que a segunda instância valide a decisão e bloqueie os bens deste salafrário-ladrão-171.

    Curtir

  2. Advogados competentes. Atento e expedito Magistrado Federal.
    Inviolabilidade, garantia e efetividade. Esta é a utilidade das instituições.
    Sobre esta base repousam a Democracia e a República Federativa do Brasil.

    Curtir

  3. Jose Oliveira Martins

    Sempre disse e afirmei que a Justiça é leniente e teme PUNIR COM RIGOR os grandes MARGINAIS. Na minha pequenez opiniosa os ditos marginais teriam que ser EXTERMINADOS pelos brasileiros. Simples assim.

    Curtir

  4. Pra quem levou bilhoes 800 milhoes nao faz difference. Isso nao e justica

    Curtir

  5. Douglas navas

    Brasileiro de verdade NÃO COMPRA PRODUTOS DO LACAIO DO LULA!

    Curtir

  6. Dinheiro de pinga….roubou 1 milhao de vezes mais…

    Curtir

  7. Que isso seja apenas o começo esse vagabundo manipulador de moedas tem de ser denunciado pro FBI, os americanos adoram crimes financeiros, ele não pegaria menos que 10 anos nos EUA.

    Curtir

  8. Ricardo Andreucci

    Mas se jesley voltou a cometer novo crime de insider trading , com o objetivo de lucrar com sua própria estranha delaçao, ele deve ser condenado, pois infrigou a lei de delaçoes.

    Curtir

  9. Marco Aurelio Jandelli

    Do jeito que vai, em breve não vai poder a Ticiane ao seu lado.

    Curtir

  10. Ataíde Jorge de Oliveira

    Princípio Geral do Direito, para principiante.
    A ninguém é dado valer-se da própria torpeza.pT

    Curtir