Idosa agredida por enfermeiro em UTI morre em SP

Thereza de Jesus Garcia, de 78 anos, faleceu após complicações de uma cirurgia de alto risco; sindicância que apura agressão vai continuar

Faleceu, nesta segunda-feira, Thereza de Jesus Garcia, de 78 anos, que estava internada no Hospital Municipal do Servidor Público, em São Paulo. No último dia 16 de abril, a idosa foi agredida por um dos enfermeiros que faziam seus cuidados no hospital, quando se recuperava de uma cirurgia vascular na perna esquerda.

Segundo nota emitida pela Secretaria Municipal de Saúde, Thereza passou por uma cirurgia arterial de alto risco, com o consentimento de sua família, e faleceu por “complicações pós-cirúrgicas, como insuficiência renal e cardíaca”. A Secretaria ressalta que ela tinha idade avançada e “doenças preexistentes que agravavam o quadro clínico geral”.

A VEJA, Hedilaine Aparecida Garcia, filha de Thereza, relatou as agressões à mãe, que teriam acontecido após ela pedir ao profissional um copo d’água. “Minha mãe é uma pessoa totalmente lúcida, não apresentava confusão mental nenhuma e foi covardemente agredida por esse enfermeiro. Ela relatou diversas vezes a mesma versão. Quando o enfermeiro entrou no quarto, ela pediu um copo de água e ele começou a falar diversos palavrões, puxou os cabelos dela e a agrediu até cansar. Minha mãe está com diversas marcas roxas no rosto, isso é revoltante. Assim que vi o estado da minha mãe, comecei a chorar”, disse.

De acordo com a nota, a investigação sobre o caso, aberta após as denúncias, vai continuar. “A direção informa que uma sindicância está em andamento para investigar os fatos e o funcionário permanece afastado de suas funções. O caso também está sendo investigado pelo Conselho Regional de Enfermagem e polícia.”

Veja o vídeo gravado por um dos filhos de Thereza, em que ela diz relata a agressão:

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. George Brandão

    Este país está acabado. As pessoas não têm caráter, não têm respeito pelos mais velhos, não respeitam deficientes físicos. É um país de bárbaros ignorantes e cretinos. Diáriamente se vê pessoas furando fila, parando seus carros em vagas para deficientes, entrando em elevadores sem esperar que as pessoas que estão dentro saiam, jogando lixo na rua, e por aí vai. Este país é um lixo por conta do povinho lixo que vive aqui. O mau do Brasil é realmente o brasileiro.

    Curtir

  2. Igor Pricandi

    Meus sinceros sentimentos à família. Pois é, esse covarde se preso será solto em seguida, e pela vontade do stf a menos que seja condenado em segunda instância e tribunal do juri (pode vir a ocorrer em uns dez anos) e bla, bla, bla, não representa risco a sociedade e deve aguardar o julgamento em liberdade. E o respeito à vítima necas. Mas é claro, se o sujeito tiver dinheiro. Se não tiver ficará preso.

    Curtir

  3. Monstro! E como não notaram (e impediram) no hospital?

    Curtir

  4. Este vagabundo ainda não foi preso?? Sindicancia é o mesmo que chover no molhado. Não dá em nada.

    Curtir

  5. Concordo plenamente com o comentário acima de George Brandão.. E digo mais, sabendo a veracidade do ocorrido e dessa frouxidão no nosso sistema legal, se fosse minha mãe, esse loko tava fudido. Preso seria eu.

    Curtir

  6. Luiz Carlos Porto

    Quando falam desse enfermeiro logo me vem a mente uma pessoa afrodescendente originária da região norte/nordeste do Brasil. Espero estar errado mas vai ter que pagar pelo que fez.

    Curtir

  7. André Masiero

    Se fosse minha mãe o vó, este cara ia ter que fugir do planeta terra. Não da mais para ficar esperando pela ‘Justiça’.

    Curtir

  8. Tem homem não nessa família? Vai esperar justiça? Mata esse enfermeiro na pancada. Depois resolve. Oxi

    Curtir