Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Entendo o ‘embrutecimento’ da tropa, afirma porta-voz da PM do Rio

Major Ivan Blaz diz que execução de dois homens por PMs deve ser punida, mas diz que atuação de policiais em ‘zona de guerra’ leva à perda de sensibilidade

O porta-voz da Polícia Militar do Rio de Janeiro, major Ivan Blaz, disse que, “como policial”, entende “a perda de sensibilidade e o embrutecimento por parte desses policiais”, em referência ao caso da execução de dois homens por PMs, nesta quinta-feira, no bairro de Acari, zona norte do Rio de Janeiro.

“Institucionalmente, a obrigação da PM é apurar o fato e punir exemplarmente os policiais para que isso não se repita. Mas, pessoalmente, enquanto policial militar que já esteve em situações de confronto armado, eu entendo a perda de sensibilidade e o embrutecimento por parte desses policiais. Eles não estão lidando com pequenos ladrões, estão lidando com oponentes armados com fuzis”, disse o major ao jornal O Estado de S. Paulo.

Blaz também acrescentou que “diariamente” policiais se envolvem em confrontos armados. “Isso gera um embrutecimento. Ele (policial) observa um cenário em que muitos policiais estão morrendo e, naquele momento, ele também quer viver acima de tudo. É uma lógica perversa”, completou.

Institucionalmente, a obrigação da PM é apurar o fato e punir exemplarmente os policiais para que isso não se repita. Mas, pessoalmente, enquanto policial militar que já esteve em situações de confronto armado, eu entendo a perda de sensibilidade e o embrutecimento por parte desses policiais. Eles não estão lidando com pequenos ladrões, estão lidando com oponentes armados com fuzis

Major Ivan Blaz, porta-voz da PM do Rio

O porta-voz também disse que o contexto da execução, que foi filmada, não pode ser tratado como caso isolado. Segundo ele, o Rio está vivendo um contexto social “que remete ao início dos anos 1990”. “Você tem uma crise econômica aguda, a ocupação desordenada de espaços urbanos, propiciando assim a criação dos feudos do tráfico de drogas. Aquela área do batalhão de Irajá é uma área conflagrada. É uma realidade de zona de guerra. Para que essa realidade acabe, tem que haver um investimento, uma ocupação territorial permanente. A partir daí, você tem uma cidade, uma vida urbana real e não aquilo que existe ali”, afirmou.

Veja também

O major também comentou o fato de, durante o confronto violento, Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, ter sido morta dentro do pátio de um colégio em Acari. Ele classificou o episódio como “perda inestimável”, mas disse que não foi o primeiro caso na região.

“Ela estava onde jamais algo de ruim poderia acontecer para uma criança, que é no colégio, em aula, mas isso não é novidade na região. Não é a primeira criança a morrer dentro de colégio naquela região e, se o contexto social permanecer o mesmo, o caminho não vai ser outro”, disse.

Elogios aos PMs

O major também criticou o apoio de parte da população aos policiais. “A gente pode observar nas redes sociais inúmeras manifestações de apoio à ação desses policiais. Estamos caminhando para um lado perigoso.Estamos banalizando ações que não respeitam o estado democrático de direito”, acrescentou.

O policial também disse que a corporação fez a sua parte em relação à apuração do fato. “A PM cedeu as armas para a perícia e as armas dos criminosos que morreram no local. Mas é importante que a gente fale que, em uma troca de tiros naquela região, dezenas de fuzis são utilizados por parte dos marginais. Identificar qual arma que atingiu um civil é uma missão extremamente difícil. Estamos falando de armas de guerra, que polícia nenhuma enfrenta, só a do Rio”, afirmou.

Ela (adolescente morta) estava onde jamais algo de ruim poderia acontecer para uma criança, que é no colégio, em aula, mas isso não é novidade na região. Não é a primeira criança a morrer dentro de colégio naquela região e, se o contexto social permanecer o mesmo, o caminho não vai ser outro

Major Ivan Blaz, porta-voz da PM do Rio

Questionado, o major disse que muitos policiais participaram da operação na região, porém, só as armas dos dois PMs flagrados no vídeo foram entregues para a Polícia Civil, que investiga o crime. “Se entregarmos todas as armas, melhor fechamos o batalhão”, justificou. Os PMs, que ainda não tiveram os nomes revelados pela corporação, estão presos na unidade prisional para policiais, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Eles foram ouvidos durante a madrugada pela Divisão de Homicídios da Capital e autuados por homicídio qualificado.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Para mim a policia deveria sair de cena, como enfrentar em inimigo que pode te trucidar e vc tem que ter conversas diplomáticas?! Isto não existe!!!

    Curtir

  2. Eu entendo a tropa. Quantos policiais foram mortos nos últimos anos? Quem foi em defesa deles? Quantos inocentes morreram por causa da bandidagem? Milhares, milhares. Parabéns pm’s que mandaram esses dois pro inferno.

    Curtir

  3. Não há nenhum embrutecimento da PM do Rio, pois ela sempre foi muito violenta e mal preparada. Além de ter uma grande tradição de corrupção. Muitas vezes temos os bandidos comuns e outros uniformizados. Talvez o fato foi até compreensível mas ele é completamente inaceitável.

    Curtir

  4. Jorge Corrêa de Araújo

    Mais de 40 policiais foram mortos covardemente pela bandidagem armada que infestam as favelas do Rio de Janeiro, e vemos pouquíssima indignação sobre isso. Quando essas bestas humanas tombam em combate vemos uma penca de jornalistas colocando manchetes comovidas com a perda desses facínoras. O Major da PM está certo, os policiais estão em zona de guerra lidando com combatentes guerrilheiros e covardes, pois esses não fazem os PMs como prisioneiros.

    Curtir

  5. Jorge Correa, mesmo em guerras, fuzilar pessoas já rendidas é considerado crime de guerra.

    Curtir