Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Carnaval 2012: União da Ilha encerra desfile

Por Clarissa Thomé

Rio – Uma ilha conta a história da outra. A União da Ilha fez uma homenagem ao Reino Unido, num enredo sobre Londres e os Jogos Olímpicos, sempre com uma pitada de irreverência, quebrando a rigidez do protocolo britânico.

A Ilha subverteu a ordem desde a comissão de frente – o gari Renato Sorriso, que costuma seguir atrás das escolas, empunhando a vassoura, foi coroado rei. Teve como rainha Maria Augusta Rodrigues, carnavalesca da Ilha nos anos 70. Eles chegaram de carruagem, numa paródia aos cortejos reais.

Sorriso, com seu uniforme laranja coberto por lantejoulas, levantava a arquibancada e o setor popular. Maria Augusta mal conseguia conter a emoção. “Meu corpo inteiro está tremendo. É uma emoção nova, enorme. Receber essa homenagem em vida é indescritível”, afirmou.

Nas alas, um pouco da cultura britânica – desde os guerreiros celtas e os cavaleiros das cruzadas à guarda montada da rainha. O chá inglês foi representado por componentes vestidos de xícara e se destacou entre os ícones ingleses.

A literatura também foi lembrada, com alusões à obra de Shakespeare, e aos personagens Sherlock Holmes e os do livro Alice no País das Maravilhas. Os atores Letícia Spiller e Eriberto Leão interpretaram Alice e o Chapeleiro Maluco. Entre os artistas britânicos, homenagens aos Beatles e Charles Chaplin.

O carro que falava do domínio inglês no Oriente, uma imensa lanterna chinesa amarela e vermelha, impressionava pelo jogo de luzes e imponência. Já no abre-alas, que representava Hamlet, com crânios, a maior parte dos refletores não funcionou.

Outra alegoria que chamou a atenção foi o Suingue de Londres, que trazia personagens imortalizados no museu de cera Madame Tussaud, como os Beatles, Lady Di, Harry Potter. Amy Winehouse, Freddie Mercury e Elton John também caíram no samba. O carnavalesco Alex de Souza chegou a pensar em trazer atores caracterizados, mas quis se diferenciar das alegorias humanas que são a marca do carnavalesco Paulo Barros.

A escola fechou a apresentação com referências à Olimpíada de Londres, este ano, e do Rio de Janeiro, em 2016.