Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cansaço e desencanto

O sério Temer, desde que foram reveladas as gravações de Joesley Batista, passou a protagonista do mais novo clássico da corrupção brasileira

De Collor aos Anões do Orça­mento, dos Anões do Orçamento ao mensalão, e do mensalão ao petrolão, foram 25 anos (bodas de prata!) em que escândalos de corrupção deceparam presidentes, cassaram parlamentares, arruinaram reputações — mas também fizeram luzir no horizonte um raio de esperança. O Brasil, que com Collor foi ao fundo do poço, mais para baixo não poderia ir. E no entanto vieram os Anões do Orçamento. Chega, indicava a seguir a esperança, essa teimosa; agora a política brasileira há de se emendar. E no entanto veio o mensalão. Depois do mensalão, ao qual nada, de mais amplo e profundo, poderia suceder, veio o petrolão, mais amplo e profundo. E no transcurso do petrolão, desdobramento após desdobramento, vem agora, sucedendo ao assombro das delações da Odebrecht, que nada podia superar, a delação de Joesley Batista, dono da tentacular JBS, e põe por um fio a sobrevivência do governo Temer.

Na campanha presidencial de 2002, o marqueteiro Duda Mendonça, a serviço do PT, inventou um comercial que, sob o mote “Xô, corrupção!”, mostrava um bando de ratos roendo a bandeira nacional. “Ou a gente acaba com eles ou eles acabam com o Brasil”, dizia o texto. Pois naquele momento mesmo, enquanto esconjurava a corrupção, o marqueteiro a praticava, aceitando que seus serviços fossem pagos em paraísos fiscais do Caribe. O Brasil se notabiliza, no concerto das nações, por sucessivos recordes no campo da corrupção: por sua onipresença, em todos os níveis do governo, por seus montantes bilionários, por sua extensão no tempo. Mais notável ainda, a corrupção brasileira consegue perpetrar o milagre da simultaneidade, um elaborado esquema que desponta atropelando e se sobrepondo ao anterior. Enquanto se esconjurava o mensalão, em julgamento do Supremo Tribunal Federal, engendrava-se o petrolão. A trama da corrupção, a exemplo dos espetáculos de circo, quando o trapezista despenca no tablado, não pode parar.

Para ler o artigo na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gonzaga Silva

    Não sei porque tem medo de uma intervenção militar, quem é honesto eles nem liga pela existência das pessoas, apenas corruptos e ladrões tem medo……

    Curtir

  2. Gonzaga Silva

    Concluindo, não existia corrupção nos governos militares, pelo menos aos moldes de hoje…. tanto que todos Generais que foram presidentes morreram na miséria, sem nem sobrinho rico….

    Curtir

  3. Lourival A. de Souza

    Na foto desta matéria esta faltando a do principal; do desencadeador de tudo, será que esqueceram dele?

    Curtir