Brasileiro é preso na Ucrânia por suspeita de terrorismo

Rafael Marques Lusvarghi estava no país europeu desde 2014 lutando ao lado dos separatistas russos; Itamaraty confirmou prisão

Um cidadão brasileiro foi preso nesta quinta-feira no aeroporto internacional de Borispol, na Ucrânia, sob suspeita de terrorismo, de acordo com veículos de imprensa do país europeu. Trata-se de Rafael Marques Lusvarghi, de 31 anos, que se notabilizou ao ser detido e arrastado por policiais durante um protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo, em junho de 2014. Segundo a imprensa local, Lusvarghi estava na Ucrânia lutando ao lado de separatistas russos desde o ano retrasado e fazia parte do 1º batalhão de um grupo intitulado DPR.

Em nota, o Itamaraty disse que foi comunicado sobre a detenção de Lusvarghi e que a embaixada brasileira na Ucrânia já entrou em contato com as autoridades locais para conseguir visitá-lo e obter mais informações sobre as circunstâncias da prisão.

O Serviço de Segurança da Ucrânia divulgou em suas redes sociais o vídeo (veja abaixo) do momento da prisão. Segundo as autoridades, ele seria o responsável por recrutar mercenários aos separatistas. Ele teria sido apreendido com uma medalha por serviços de combate e com um notebook que trazia conversas entre ele e líderes de grupos acusados de terrorismo.

No Brasil, Lusvarghi foi preso sob acusação de associação criminosa em 23 junho de 2014 junto com o estudante Fabio Hideki Harano. Ficou detido por 45 dias, mas foi solto após ser absolvido na Justiça. Na época, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo classificou a dupla como os “primeiros black blocs presos” em flagrante na capital.

Lusvarghi era aficionado por história russa e cultura militar. Ele tinha uma coleção de álbuns com retratos dos líderes da Revolução Russa. Obcecado por vikings, tem tatuada no braço a palavra Berserk, nome de um mangá, posteriormente transformado em anime, inspirado nos guerreiros da mitologia nórdica.

Ele nasceu em Jundiaí, numa família de classe média. A mãe é professora formada em Biologia e o pai, de quem ela é separada, gerencia uma pequena empresa em Minas. É o mais velho de quatro irmãos. Um deles conta que, desde pequeno, Lusvarghi sonhava alistar-se na Legião Estrangeira da França. Aos 18 anos, comprou uma passagem para aquele país, onde morou por três anos – como integrante da tropa, segundo disse a familiares. Quando regressou ao Brasil, prestou concurso para soldado da Polícia Militar em São Paulo e ficou na corporação entre março de 2006 e julho de 2007. O motivo de sua saída é desconhecido, mas em agosto ele já prestava um novo concurso, desta vez para ser PM no Pará. Aprovado, permaneceu na corporação até 2009 e, mais uma vez, saiu antes de concluir o curso de oficial.

Em 2010, ele já havia passado um tempo em Kursk, na Rússia. Segundo parentes, teria estudado administração na cidade e tentado alistar-se no exército russo. Como não conseguiu, voltou ao Brasil em janeiro de 2014. Em setembro do mesmo ano, teria ido para a Ucrânia para ingressar as fileiras dos separatistas.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Carlos Henrique Gorniski Güntzel

    Como vocês chamam o cara de Terrorista? A ONU não reconhece os separatistas Novo Russos como terroristas, ou seja, o Brasil como membro da ONU também não o reconhece como tal.
    O Governo da Ucrania é ILEGITIMO, visto que foi um golpe de estado do SETOR DIREITO. Houve um massacre nas regiões de etnia russa, e os tais “separatistas” são na sua maioria mineiros e donos de casa que defenderam o seu lar dos assassinos.
    Não esperava ver a Veja (alias até esperava sim) tratando quem se defende como terrorista.

    Curtir

  2. Wagner Nogueira Santos

    Rafael Marques Lusvarghi é um Brasileiro COMUNISTA, safado, TRAIDOR, não sabe que a URSS de Stálin assassinou 22 milhões de ucranianos, muitos dos quais morreram de fome porque as tropas de Stálin percorriam até os pequenos sítios rurais e confiscavam o alimento dos próprios lavradores que morriam à míngua. O partido COMUNISTA foi PROIBIDO na Ucrânia e o mesmo devia acontecer no Brasil, se tívéssemos um Exército FORTE e não este bando de Alto Comandantes MARICAS !

    Curtir

  3. Por comentários como o do Carlos Güntzel é que entendemos o pq certas pessoas são de esquerda: são burras mesmo, não compreendem um texto, são analfabetos funcionais. Além, é claro, de fantasiar com os fatos. Mas vamos lá, tito te ajuda: a Veja não o chamou de terrorista, leia novamente! A Veja disse que ele foi preso por “suspeita de terrorismo”, ou seja, a Ucrânia prende-o por este motivo, e seja la qual fosse o espectro politico da mídia que divulga a noticia, a notícia será a mesma, pois se trata de um fato, e não de uma opinião. Obrigado por esclarecer a todos do que se trata o esquerdismo (falta de inteligência), ajudando assim os verdadeiros estudiosos a erradicar essa doença.

    Curtir

  4. Um cara jovem, aparentemente saudável e que deve ter tido oportunidade de estudar pelo que a matéria comenta sobre a vida dele. Seria bom que tivesse realmente certeza do que está fazendo porque as leis em outros países as vezes são mais duras que as daqui. Que utilize o tempo em que está “fora de combate” para refletir sobre sua forma de tentar “mudar o mundo”…

    Curtir

  5. Paulo Bandarra

    O negócio dele é matar alguém. Não interessa de que lado. Certamente não tem nada de normal.

    Curtir

  6. Mauricio Reppetto

    Ilegítima é a assistência dada pelo governo russo para desestabilizar um país independente e soberano, com o qual assinou tratado comprometendo-se a garantir-lhe suas fronteiras. O que pelo apoio descarado aos separatistas em Donetsk e Luhansk, não passa nem perto de estar fazendo. E ainda pelo assassinato em massa dos passageiros do voo MH17.

    Curtir

  7. Thiago Dos Anjos

    Voces podem ver claramente que o Lionel Messi ajudou na prisão dele!

    Curtir