Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A queda de Aécio Neves

Flagrado em negociações cabeludas, tucano perde o comando do partido, é afastado do mandato de senador e sela seu obituário político

Trinta e um meses transcorreram entre o dia em que Aécio Neves saiu consagrado com 51 milhões de votos da disputa perdida para Dilma Rousseff e a tarde em que, pela tela do ce­lular, enxergou o começo do seu fim. Ex-candidato à Presidência da República, governador de Minas duas vezes, ex-deputado federal e ex-secretário de Tancredo Neves, Aécio encerrou a pior semana de sua vida política na condição de senador afastado por ordem do Supremo Tribunal Federal, presidente de partido licenciado por seus pares, parlamentar ameaçado de ter o mandato cassado e cidadão impedido pela Justiça de deixar o país. Mais: teve o primo preso, viu a irmã sendo levada à cadeia e soube que ele próprio só não foi para trás das grades por obra e graça do sacrossanto foro privilegiado.

Ao determinar o afastamento de Aécio da atividade parlamentar, o ministro do STF Edson Fachin deixou claro que, se o tucano não fosse senador, ele deveria ser preso por tentar embaraçar a Lava-Jato. Escreveu Fachin: “Embora considere, como mencionado, imprescindível a decretação de sua prisão preventiva para garantir a ordem pública e instrução criminal, reconheço que o disposto da Constituição impõe, ao menos em juízo monocrático, necessidade de contenção”. Na visão do ministro, só o plenário da Corte poderia decretar a prisão do mineiro.

Desde o minuto em que soube das gravações até a noite de quinta-feira, Aécio alternou crises de choro, goles de uísque e conversas com advogados. Atendeu a poucas ligações e ignorou até mesmo telefonemas de assessores próximos. Recebeu em sua casa no Lago Sul apenas alguns senadores, como Tasso Jereissati (agora presidente interino do PSDB), e ministros de seu partido, como Aloysio Nunes. Aos que o visitaram, disse que seu único alento era o fato de a mulher, Letícia, e os filhos gêmeos não estarem em casa, no momento das buscas feitas pela PF. Eles haviam viajado para o Rio Grande do Sul, onde vivem os pais de Letícia. Segundo os interlocutores do senador, sua principal angústia nesses dias era a prisão da irmã. Aécio mobilizou advogados e amigos em busca de um meio de libertá-la. No telefonema que deu ao ex-ministro do STF Carlos Velloso, chorou. “Ela é quase uma mãe para mim”, disse.

Com reportagem de Renato Onofre e Bruna Narcizo

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. artur jose de almeida alves

    Velhaco esse Aécio.
    Neto de corrupto moderado ,na hora de roubar não chorava.

    Curtir

  2. aparecido furlaneto

    Aecim acaba de ser promovido de Tucano a Jumento….baixou a guarda e sifu….

    Curtir

  3. Érico Guimarães

    Tem que ir preso! Mas o que Lula e Dilma fizeram foi tão ou mais obstrução. E Fachin fez nada. Esse país é uma bandalheira!

    Curtir

  4. PAUNOMOLUSCO

    Esse vagabundo é um amador comparado com o profissa da corrupção que é o Lula.

    Curtir

  5. Aécio já tem todos os requisitos necessários para se filiar no PT. Corrupto, cínico, quando o bicho pega se faz de vítima.

    Curtir

  6. Marcio Roberto

    Quem não lembra daquela conversa entre Juca e Sérgio Machado, quando o mesmo fala: Quem não conhece o esquema do Aecio, segundo Machado ele mesmo tinha participado da campanha do PSDB

    Curtir

  7. jose jorge rodrigues lopes

    Adeus, Reinaldo, digo; querido!

    Curtir