Todos e todas, brasileiros e brasileiras

“‘Boa noite a todos e a todas’ está correto? Virou moda entre alguns políticos de minha cidade se referir a ‘todos e todas’. Todos não engloba… todas?” (Leonardo Concon)

É claro que engloba. Trata-se de um princípio gramatical do português, que não herdou do latim o gênero neutro: cabe ao masculino quebrar o galho nesse papel, abarcando também o feminino. A rebelião de certos falantes contra isso, que deu no modismo que intriga o leitor, é um dos aspectos da onda politicamente correta que, a partir do último quarto do século passado e tendo como centro irradiador o meio universitário americano, passou a tentar mudar a linguagem como uma forma de mascarar problemas que não conseguia resolver na realidade.

Algumas propostas do movimento se afogaram no próprio ridículo – aquela de chamar carecas de “capilarmente diferenciados”, por exemplo. Outras, porém, terminaram se entranhando de tal forma em nosso modo de falar e pensar que muitas vezes nem nos damos conta da mudança. O substantivo velhice começou por ceder espaço no discurso de muita gente ao eufemismo terceira idade e, em seguida, viu-se substituído por uma formulação francamente apatetada: melhor idade. Como toda droga, esta parece exigir doses cada vez mais fortes.

Não se trata de condenar a herança politicamente correta em bloco. É saudável que se chame a atenção dos falantes para a carga odiosa de racismo embutida num verbo como “judiar”, para citar um exemplo de ampla circulação no português. Judiar, maltratar, nasceu com uma mácula indisfarçável: quer dizer “tratar como se tratam os judeus”. As campanhas para abolir a palavra dos dicionários – que existiram e ainda existem – são equivocadas, pois não compete a lexicógrafos criar o vocabulário de uma língua e sim retratá-lo, mas a conscientização do público é bem-vinda. Cabe a cada um decidir com seus botões se deseja continuar falando assim.

De volta à questão de “todos e todas” – ou “brasileiros e brasileiras”, como José Sarney (foto) gostava de abrir seus discursos quando presidente da República –, o modismo tem até nome: “linguagem inclusiva”. Tem também um princípio de aparato legal a protegê-lo, tornando seu uso obrigatório em algumas esferas da administração pública. Basicamente, trata-se de uma bobagem populista – daí seu sucesso com os políticos, cultores por excelência de bobagens populistas. Se é inegável que a ancestral eleição do gênero masculino como universal é um sintoma de machismo da cultura, o que fazer disso é outra história.

O sexo masculino de Deus é mais um sintoma, e nem por isso tem prosperado a tese de Sua bissexualidade. Será que vale a pena encher nossa língua de cacos, redundâncias e pedidos de perdão, como se fôssemos todos(as) advogados(as) gagos(as)? Ou seria melhor se combatêssemos as discriminações reais onde elas de fato causam dano à sociedade, de preferência em linguagem limpa e clara, como adultos?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    fpenin

    ” A nossa língua é sexista”, disse uma comentarista (masculino:comentaristo…) do blog. Falas do quê, gaja?

    Curtir

  2. Comentado por:

    Francisco

    Todos os comentários têm sua importância na medida do seu grau de conhecimento com a língua culta. Agora imaginem incluir, por exemplo, em um texto qualquer os gêneros masculinos e femininos?? Seria simplesmente ridículo, desnecessário e, ademais, gramaticalmente incorreto. Como já foi dito por um internauta, precisamos é de ações concretas que possam melhorar as condições de vida de nós BRASILEIROS(homens e mulheres), diga-se de passagem,e não de palavras por achá-las como sinônimos de atitudes. Sarney, Lula, Dilma e alguns outros seguidores do gênero estão, simplesmente, “matando” nossa língua-mãe.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Vinicius

    PRESIDENTA, brasileiros e brasileiras. Vamos falar sério? Meu povo e minha pova, vamo robá menos, dar menas bolsas familias e vamos cobrar mais educacao nesse país. Isso aqui com cabral, Dilma e eduardo paes ja passou do ridículo. Ridiculo. Ridiculo.

    Curtir

  4. Comentado por:

    maria marcia souza

    não sei qual a razão mas quando ouço a Dilma falando brasileiros e brasileiras me soam mal. Parece um linguajar de gente pouco culta. Somente brasileiros no masculino não basta para que entendamos que somos todos nos, nascidos no Brasil ????

    Curtir

  5. Comentado por:

    Marcilio Oliveira

    Boa tarde
    Perfeito. Bem razoável.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Lygia

    Na verdade, apenas o “boa noite” não seria suficiente? Não seria lógico ser para TODOS?

    Curtir