Qual é a pronúncia correta de Roraima?

“Tenho ouvido principalmente na rede Globo que o nosso estado do Norte, Roraima, está sendo pronunciado como ‘Roráima’, e me causa espanto, pois sempre pronunciei e ouvia ‘Rorãima’. Você pode me tirar esta dúvida?” (Humberto Sorrento)

Dizer que as duas pronúncias estão corretas – ou melhor, que o conceito de correção simplesmente não se aplica a variações desse tipo – é ao mesmo tempo óbvio e frustrante, porque não esgota a questão. Então vamos refletir um pouco sobre a maciça adoção da opção prosódica Roráima pelo jornalismo da TV Globo.

Situado entre falantes mineiros e cariocas, eu também cresci, como Humberto, ouvindo o estado do Norte ser chamado de Rorãima. É como ainda falo, pelo mesmo motivo que me leva a chamar o Jaime de Jãime e o andaime de andãime. Pode-se até dizer que isso corresponde a uma vocação prosódica dominante no português brasileiro. Em Portugal, andaime é andáime e Jaime é Jáime. Aqui, a tendência à nasalização dos ditongos seguidos de m ou n é tão forte que a maioria de nós ignora a pronúncia recomendada pelos sábios e transforma o adjetivo ruím em rúim.

Mas uma coisa é identificar uma linha de força, ainda que dominante, e outra bem diferente é tentar transformá-la em regra universal. Seria absurdo dizer que os nórdéstinos estão “errados” em sua tendência à abertura das vogais pretônicas. Tão absurdo quanto afirmar que a única verdade prosódica está com aqueles sulistas que ainda se apegam ao l da palavra Sul, em vez de falar Súu como a maioria dos brasileiros.

Explicada por fatores regionais, culturais ou educacionais, a variação prosódica é um fato em qualquer língua. A pronúncia universal não passa de um delírio totalitário. Sem optar por nenhuma das formas, o Houaiss registra que no início do século XX ainda havia três pronúncias de Roraima em circulação no país: Rorãima, Roráima e, acredite se quiser, Roraíma.

A última parece ter caído naturalmente em desuso, mas a segunda, um tanto artificialmente, deve gozar hoje de mais saúde do que nunca, de tão martelada pela rede de televisão hegemônica nos últimos anos. É aí que reside meu incômodo com a Roráima global. Seja porque consultou um foneticista lusitano, seja porque essa é (não é mesmo?) a prosódia preferida pelos próprios roraimenses, o fato é que com ela, em vez de refletir a diversidade dos falares brasileiros, a Globo contribui para achatar diferenças em busca de uma impossível pronúncia universal. Roráima não está errado. Errado é imaginar que só se possa falar assim.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Carlos Cansado

    Sinceramente, não é cabível que, nos comentários abaixo, pessoas de OUTRAS REGIÕES do país queiram ENSINAR a um roraimense a maneira certa de se pronunciar “Roraima” (e ainda dizem que “é culpa da Rede Globo”, pfff…Dá até vontade de sair pela rua e chamar de “Jãime” todos os “Jáimes” que conheço…)
    Tem gente dizendo que os indígenas pronunciam anasalado (QUAIS grupos indígenas, exatamente? Macuxis e Wapixanas pronunciam “Roráima” mesmo!), assim como dizem que o termo “Roráima” é coisa de “migrante nordestino” – ou seja, sempre querem uma forma de deslegitimar a vontade e a cultura próprias do estado de Roraima.
    Por que um estado do norte do Brasil deveria ter que se sujeitar a adotar uma “regra” de pronúncia IMPOSTA por gente de outras regiões (que por sinal julgam-se mais inteligentes que os próprios roraimenses)? Só porque é “lugar de nortista” (um termo carregado de preconceito por si só)?? Nem por isso a gente vai ao Rio Grande do Sul dizer a um típico gaúcho que é errado eles pronunciarem “RRio Grándêh dô Súllll” quando o “correto” seria a pronúncia usual de outros estados.
    Sugiro aos curiosos quanto à real pronúncia que comecem a pesquisa pela obra musical de cantores locais (verdadeiros roraimenses) como Zeca Preto, Neuber Uchôa e Eliakin Rufino. Eles cantam sobre a própria terra deles! Atente sobre a forma como eles mesmos pronunciam “Roraima” e tirem suas próprias conclusões…
    Um pouco de cultura é sempre bom!

    Curtir

  2. Comentado por:

    Carlos Eduardo Barretta

    Ainda que alguns se achem muito cultos (muitíssimo cultos…), certo é que não se impõe pronúncia a ninguém. Sabe-se que ambas as pronúncias são válidas e reconhecidas, como a reconhecem os professores e experts da área.
    Cada grupo social ou regional pronuncia como lhe aprouver, como seu próprio costume. O que, aliás, é próprio de sua identidade.
    E a Globo efetivamente tenta impor a pronúncia da região (minoria que fala *roráima) ao restante do pais (imensa maioria que fala *rorâima). É fato.
    O culto (ou pernóstico, aparentemente) não precisa se preocupar: não se disse, EM NENHUM MOMENTO, que a pronúncia correta contraria a pronúncia de sua região.
    Você fala *roráima. Outros falam *rorâima. Assim como alguns falam *duash *pessoash (como os cariocas) outros duas pessoas…
    Alguns falam *Pérnanbuco, outros *Pêrnambuco…
    *Bánana e *Bânana…etc.
    Mas que a maioria do país fala *rorâima, fala!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Nelio Stabile

    A Carlos Eduardo Barretta: Touche! Nada mais se torna necessário comentar,

    Curtir

  4. Comentado por:

    JOÃO DUARTE

    APRENDI NA ESCOLA QUE O CORRETO É RORÃIMA E SEMPRE VOU DIZER DESSA FORMA…A GLOBO QUER FAZER GRAÇA

    Curtir

  5. Comentado por:

    Anônimo

    Eu não gosto da Globo, mas eu concordo plenamente com eles neste caso.
    O fato de haver uma suposta neutralização fonêmica antes de consoantes nasais. Eu que moro em São José dos Campos, São Paulo, e por isso falo andâime e plâina, eu também pronuncio desde criança Jáime, e duvido que seja só eu, quantos cresceram assistindo chaves e vendo o carteiro Jáimimho?
    E outra, também tem o nome Émerson, nós brasileiros falamos prêmio ao invés de prémio mas pronunciamos o nome Émerson sempre com é aberto. Da mesma forma, pronunciar Roráima não só demonstra respeito em relação aos roraimenses que defendem que a pronúncia de seu estado é essa, como também enriquesse fonológicamente a nossa língua.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Flávio

    Para os que insistem em dizer que a forma certa de dizer é Roráima, é preciso também respeitar as outra pessoas que pronunciam diferente esta palavra. A maneira de como eu expresso ou falo não deveria ser vista como um ataque ou confronto. O que faz nossa língua bonita são as diversidades linguísticas.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Nadilma

    Não digo que declararei guerra a quem pronunciar Rorâima, mas como moradora e filha adotiva de RorÁima confesso que meus tímpanos doem quando ouço a pronúncia anasalada… provavelmente porque não parece se tratar do estado em que moro. Então, independentemente de “certo” ou “errado”, se a pessoa quer ser um pouquinho mais gentil com o povo roraimense é só pronunciar RorÁima! (em troca ganhará um sorriso)

    Curtir

  8. Comentado por:

    Zélio Matos

    Conforme os especialistas, não existe regra para essa pronúncia. Eu prefiro dizer “rorãima”, para manter uniformidade com “andãime” e “jãime”. Assim também com “cãma”, “lãma”, “dãma”, “dãno” e tantas outras. Minha regra pessoal é que, quando uma consoante nasalizadora é antecedida imediatamente por um “a” tônico, esse “a” também deve ser nasalizado. O “i” presente em roraima, andaime e jaime não conta, pois não se trata de vogal.

    Curtir