Um comunista borra-botas quer fuzilar os burgueses. Risco: quadrúpedes se acasalando atrás da moita

Mauro Iasi foi candidato pelo PCB à Presidência da República em 2014. O PCB é um micropartido sem nenhuma importância, como Iasi, um Zé-Ninguém. Formado em história pela PUC-SP, com mestrado e doutorado em sociologia na USP, é professor-adjunto da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e já presidiu […]

Mauro Iasi foi candidato pelo PCB à Presidência da República em 2014. O PCB é um micropartido sem nenhuma importância, como Iasi, um Zé-Ninguém. Formado em história pela PUC-SP, com mestrado e doutorado em sociologia na USP, é professor-adjunto da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e já presidiu a associação de professores da instituição. A Wikipedia diz que ele também é poeta. O nome do seu livro é “Meta Amor Fases”. O trocadalho já o faz merecedor de um paredão de carilhos e denuncia seu calibre intelectual.

Pois não é que este senhor, num debate na UFRJ, defendeu abertamente o fuzilamento de seus adversários? E ele deixou claro: não adiantaria o sujeito ser bom. Quem não comungasse de sua cartilha, bala! O vídeo está fazendo algum barulho na Internet. Vejam. Volto em seguida.

Retomo
Dada a sua idade, Iasi nunca participou de luta armada. Tem cara de que borra a cueca ao primeiro tiro. Eu tenho certeza absoluta de que nem Marx esse sujeito leu, ou sua delinquência intelectual não seria tão saliente.

Querem um exemplo? Ele diz: “Enfrentaremos os conservadores radicalizando a luta de classes”. Ora, em termos marxistas, você radicaliza a luta revolucionária, não a “luta de classes”, que não é um conceito de valor instrumental, mas a denominação de uma imanência do conflito de interesses entre burguesia e proletariado.

Se Iasi estivesse certo e se fosse verdade o que dizem as esquerdas, então Joaquim Levy é um aliado dos comunistas porque, segundo esses psicopatas, o ministro tira dos pobres para dar os ricos, o que, por óbvio, em termos iasianos — e asininos —, “radicaliza a luta de classes”.

Mas o melhor de sua performance de coxinha vermelho borra-cueca vem quando ele prega o fuzilamento dos adversários, com boçalidade característica.

Esse bobalhão não mata ninguém, não. É só mais um burguês do capital alheio, pendurado nas tetas do Estado, que usa o serviço público para fazer proselitismo ideológico e, quiçá, ganhar dinheiro sem trabalhar, uma vez que já foi sindicalista — e ainda é, não sei.

Sua única saliência é a ignorância, como evidencia a confusão que ele faz entre luta de classes e luta revolucionaria. Falando a cretinos que leram ainda menos do que ele, pode passar por sábio.

Eu não me preocupo com seu discurso, já que os seguidores do homem não lotaria uma Kombi. O que me choca é outra coisa.

Ele fala no auditório da UFRJ, relativamente tomado. Nota-se que um bom número de pessoas — que também se esconderiam debaixo do colchão ao primeiro tiro — o aplaude.

Não, meu queridos! O risco não é a gente vir a ter luta armada no Brasil. O risco é toda aquela gente que aplaudiu sair do auditório andando de quatro e depois se acasalar atrás da primeira moita.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s