Teatro do absurdo 1 – Yara Chiara se oferece para intérprete de Geraldinho na Alemanha, mas exige: “É proibido falar besteira e mostrar a ópera seca”

Muitos leitores apontaram o alemão mequetrefe de Geraldo Tomás. É isto: o blog é feito, em grande parte, por vocês. A nossa querida Yara Chiara juntou rigor com graça. Dialogando com outro internauta, MF, ela escreve: Ah, o humor ucraniano, à Gógol, voltou às veias agora. É o DNA.MF, soa estranho, sim, mesmo feitas as […]

Muitos leitores apontaram o alemão mequetrefe de Geraldo Tomás. É isto: o blog é feito, em grande parte, por vocês. A nossa querida Yara Chiara juntou rigor com graça. Dialogando com outro internauta, MF, ela escreve:

Ah, o humor ucraniano, à Gógol, voltou às veias agora. É o DNA.
MF, soa estranho, sim, mesmo feitas as devidas correções para o acusativo e o condicional de werden. Risos. Não tem salvação a frase.
Primeiro, o “mit mir”, vai, teria de vir depois de einen Kampf, mas já é demais, atenhamo-nos ao elementar.
É pelo menos curioso que alguém chame um outro pra porrada usando werden, só que, paradoxalmente, misturando com “du”: isto é, não dá nem para falar que ele quis chamar o Reinaldo para um duelo, à antiga. Hahaha.
Würden Sie…até engoliria com muita concessão à cultura do rapaz.
Mas “wurdest du”, realmente, fica difícil de salvar. Eu tentei, não dá. Vocês até viram que tentei achar uma interpretação arcaica, no estilo de duelo, mas nem assim dá certo.
Realmente, ou seja, wirklich, não se escreve wirklisch, realmente, wirklich.

Pior: o verbo! “Tu estaríeis a fim de TER uma LUTA comigo”? na versão Geraldiana.
Géraldo, faz assim, ó: “Willst du dich mit mir streiten? Bist du sicher?”. Acho que foi isso que você QUIS dizer. Posso servir de intérprete lá na Alemanha desde que você não fale besteira nem mostre a bunda.
Não, Thomas, você não é artista. Aqui, sim, eu interfiro: levo arte a sério. Estudo música desde pequena. O que você faz não qualifica nem como show de variedades no programa do Márcio Garcia.

Ói, moço que viaja pro hemisfério sul, não tente vomitar Halbbildung em cima do blog, porque aqui tem uma ucraniana, viu? É…e judia. Dá para você ter uma vaga idéia do número de idiomas em que fui educada, né?

Sabe aquela do Wittgenstein? Wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen, certo? [Sobre aquilo que não se pode falar, deve-se silenciar].
Então. Se vier vomitar falsa cultura de novo, não esqueça de que o Reinaldo, tantos outros e também eu estamos aqui. Rindo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    q

    [Sobre aquilo que não se pode falar, deve-se silenciar].
    Fantástico !!!
    Haahahahah
    Tomou ???
    Pede pra sair GT, pede pra sair !
    Vortec

    Curtir

  2. Comentado por:

    Anônimo

    “Posso servir de intérprete lá na Alemanha desde que você não fale besteira nem mostre a bunda”.
    SENSACIONAL. O depravado merece muita borrachada.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Ser ou não ser gipe

    Ó anônimo pateta das 5:18, só você não viu que o erro era o correspondente, em português, aos anacolutos, sandices e non sequitur do “original”.

    Curtir