Política externa asquerosa – Brasil investe na guerra civil em Honduras

Lula está em Nova York e vai falar na Assembléia Geral da ONU. Em seu discurso, vai cobrar o fim do embargo americano a Cuba, uma ditadura odienta, sem pedir qualquer contrapartida aos irmãos Castro. O princípio geral em que se sustenta a tese brasileira é o da autodeterminação dos povos. Pois bem: o país […]

Lula está em Nova York e vai falar na Assembléia Geral da ONU. Em seu discurso, vai cobrar o fim do embargo americano a Cuba, uma ditadura odienta, sem pedir qualquer contrapartida aos irmãos Castro. O princípio geral em que se sustenta a tese brasileira é o da autodeterminação dos povos. Pois bem: o país acaba de dar um passo que Celso Amorim certamente classificará de “corajoso”, “ousado” e adjetivos afins: Manuel Zelaya, ex-presidente de Honduras, está abrigado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

Isso quer dizer que Brasília decidiu entrar para valer na história. O Brasil mergulha de cabeça na política interna de outro país sem ouvir nem mesmo seus parceiros em entidades multilaterais – ONU, OEA ou aquela patética Unasul. Chávez e Daniel Ortega certamente sabiam de tudo e deram o suporte material para o bandoleiro golpista cruzar a fronteira da Nicarágua com Honduras. O Brasil se torna protagonista do conflito. Desta vez, Lula e Amorim foram longe demais.

Uma embaixada receber um político refugiado em decorrência de disputas políticas é coisa bem diferente de patrocinar o seu retorno ao país, quando a conseqüência dessa volta pode ser a guerra civil. Ao chamado “governo de fato” de Honduras, Amorim e Lula querem impor a “volta de fato” de Zelaya. Só que há aí uma pequena diferença: o ex-presidente foi deposto por hondurenhos, mas quem quer reinstalá-lo à força no poder é o governo do Brasil -em consonância com os bolivarianos, é claro.

Notem que o fato coincide com a presença de Lula e Amorim em Nova York. É um momento de “protagonismo” do Brasil. O nosso protagonismo consiste em insuflar a guerra civil num país, tomando uma decisão de notável irresponsabilidade. Tanto pior se descobrirmos que se tratou de uma ação concertada seja lá com quem for, incluindo-se aí o governo americano. Nesse caso, o Brasil teria se oferecido para fazer o serviço sujo. Pesem bem: qual seria o passo seguinte? Uma intervenção armada?

Trata-se de mais um passo da asquerosa política externa brasileira, levada a efeito por Celso Amorim. Não é por acaso que seus subordinados, no Itamaaty, só se referem a ele, reservadamente, como “Megalonanico”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Cavaleiro do Templo

    Querem uma explicação? A Dra. ANA BEATRIZ BARSBOSA SILVA nos dá sem deixar nenhuma dúvida. Alguns links:
    http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2009/09/ana-beatriz-barbosa-silva-psicopatas.html
    Neste abaixo tem diversos endereços sobre o trabalho dela, além de entrevistas e muito mais:
    http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2009/09/livro-mentes-perigosas-o-psicopata-mora.html
    Em resumo, nossa sociedade, diz ela em alto e bom tom, é PSICOPATOPLÁSTICA. Disso decorre, dentre outras consequências, que nossos políticos ou sejam PSICOPATAS/SOCIOPATAS ou tenham AÇÕES PSICOPÁTICAS/SOCIOPÁTICAS.
    Para sabermos o que fazer precisamos saber antes o que nos aflige.
    Parabéns Dra. Ana Beatriz.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ricardo

    O presidente Lula não aceita interferência de outras nações na Amazônia ( e nisto ele está certíssimo), entretanto fica interferindo nos problemas internos de Honduras, onde um golpista, que descumpriu a constituição do seu país foi destituido pelo Supremo daquela nação, com o apoio do Congresso e da maioria dos hondurenhos.
    Só podiamos esperar isso de uma pessoa sem princípios e que não sabe se comportar como presidente de uma nação: que fala muita besteira e se contradiz a toda hora, sem a menor vergonha.

    Curtir

  3. Comentado por:

    freibety

    Para quem busca uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU esta atitude é, seguramente, um tiro no ouvido.
    Não temos envergadura diplomática para ter assento no Conselho. Com um Celso Amorim merecemos, no máximo, assento no vaso sanitário de um banheiro de estrada.
    Quero ver, se a situação engrossar em Honduras, se ele tem mesmo culhão ou vai enfiar a viola no saco.

    Curtir

  4. Comentado por:

    iUUUUUU!!!!!!!!!!!!!!!

    no Itamaaty é.

    Curtir

  5. Comentado por:

    iUUUUUU!!!!!!!!!!!!!!!

    PSDB defende bolsa família, DEM vira nacionalista, NInguém quer privatizar a Petrobras, e daqui a pouco não vai ter direita. Lula vai mandar todo mundo centro. É o cara!!!!!!!!!!!!!!!1

    Curtir

  6. Comentado por:

    Everton Talhari

    Vocês me dão nojo, revista asquerosa.
    Esses ” soldadinhos ” do sistema escrevem qualquer porcaria nessa revista manipuladora e vocês os seguem cegamente, sem fazer qualquer julgamento por conta própria….e ainda se julgam tão politizados,…

    Curtir

  7. Comentado por:

    Miki

    Claro, o Brasil é o vilão.
    Agora, esta corja nada patriota que se cale, enquanto o Brasil faz o que tem que fazer.
    Pois que se presidente deposto tivesse que sair do poder, que o fizessem pelo devido processo legal, não com o exercito.
    Se ele quis chamar uma constituição, vocês, ó defensores de tudo que é moral e ético, deveriam se lembrar que o único poder originário constitucional é o povo, mediante seus representantes em uma constituinte.
    Mas ok, Honduras passou por diversas guerras civis, é melhor se retirar e ver um presidente ser deposto por armas.
    Autodeterminação dos povos, meus senhores, é o poder originário constituinte. E ela vem do povo, não do exercito ou tribunais.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Luna

    Gosto muito do presidente Lula,antes deste fato acontecer votaria nele novamente.Mas se envolver em problemas de outro pais ai foi de mais.O Brasil não esta conseguindo resolver seus problemas e agora tem que se preocupar com o problema dos outros.Orem para isto não acabar em guerra e o Brasil no meio dela.

    Curtir

  9. Comentado por:

    LORDSNIPER

    COM TANTOS PROBLEMAS AQUI PORQUE SE INTROMETER NOS ALHEIOS DE UMA SOCIEDADE JÁ CASTIGADA A VÁRIAS GUERRAS CIVIS DO PASSADO, COM CERTEZA VÃO GANHAR ALGUM POR FORA, TA NA CARA É SÓ SER UM POUQUINHO INTELIGENTE PARA VER QUE TUDO JÁ HAVIA SIDO ARMADO.

    Curtir

  10. Comentado por:

    Ed Lobo

    O que é que a Embaixada Brasileira deveria fazer então? Não acatar a solicitação de, primeiramente, um presidente eleito democráticamente e deposto na marra por um golpe da oposição, porque queria se manter no poder sim, mas sob os ausícios populares, inda que de modo suspeito ao melhor estililo “Chavequista”? Em segundo lugar, deposto de modo extremamente violento, já que só faltaram matar o representante eleito pelo povo democráticamente (insisto)? Em terceiro lugar, pelo próprio Exército Hondurenho sob as ordens do Legislativo com apoio do Juciciário? Isto é, na melhor das hipóteses, golpe sim, e ao melhor estilo latino americano. E bem anacrônico por sinal, em pleno século XXI!!!

    Curtir