Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Íntegra do depoimento, momentos-bomba de Léo Pinheiro e o que vem

Apartamento e sítio perdem um pouco de importância quando vem à luz a acusação-bomba feita por Léo Pinheiro: Lula teria ordenado a destruição de provas

Segue o vídeo com a íntegra do depoimento de Léo Pinheiro, sócio da OAS, ao juiz Sergio Moro. Os que gostam desses assuntos de tribunal devem assistir de cabo a rabo. Os que se interessam, digamos, apenas pelos momentos bombásticos encontram abaixo alguns dos destaques e a respectiva minutagem.

É o vídeo em que o empreiteiro afirma que Lula lhe recomendou que destruísse provas; em que assegura que o tríplex de Guarujá sempre pertenceu ao agora ex-presidente; em que sustenta que os gastos da empreiteira com a reforma do apartamento e do sítio de Atibaia saíam do que chama “encontro de contas” entre a empreiteira e o PT — vale dizer: segundo Léo Pinheiro, as respectivas reformas teriam sido apenas um modo de ser do pagamento de propina. Mas nem tudo foi contra Lula, como se verá.

Momentos contra Lula
19min58s – Léo Pinheiro afirma que foi procurado por João Vaccari para saber se a OAS poderia assumir empreendimento da Bancoop, que estava quebrada.

22min25s – Depoente diz que Vaccari lhe assegurou que a unidade 164, o tal tríplex, pertencia a Lula. Se a OAS assumisse o empreendimento da Bancoop, tal apartamento não poderia ser vendido.

24min50s – Empreiteiro lembra que, em 2010, o jornal O Globo publicou que o apartamento pertencia a Lula. Preocupado, ele falou com Paulo Okamotto, segundo quem o imóvel deveria continuar em nome da OAS.

33min19s – Pinheiro informa ter se encontrado com Lula em seu instituto e tratado do tríplex. Agendou-se então uma visita do petista e de sua mulher, Marisa, ao imóvel.

40min – Empresário diz que voltou ao Instituto Lula, em fevereiro de 2014, para tratar diretamente com o ex-presidente sobre reformas no sítio de Atibaia.

46min35s – O sócio da OAS sustenta que o custo das reformas feitas pela OAS nas duas propriedades estava no âmbito do que chama “encontro de contas”: a OAS pagava propina sistemática ao PT para manter negócios com a Petrobras.

2h40min – Léo Pinheiro afirma que esteve com Lula e que este ordenou que ele destruísse eventuais provas das relações promíscuas entre a empreiteira e o PT.

Momentos a favor de Lula

24min50s – Léo Pinheiro diz que, com efeito, o casal Lula da Silva tinha apenas adquirido uma cota de um apartamento-tipo, de oitenta metros quadrados: o 141, que os interlocutores do petista liberaram para venda. O casal, no entanto, não chegou a fazer a “adesão”, e o apartamento continuou em nome da OAS.

1h39s – Cristiano Zanin, defensor de Lula, indaga há quanto tempo Léo Pinheiro vem costurando um acordo de delação premiada e quais os benefícios que obteve. O empreiteiro diz que assim é há 90 dias.

2h16min – Zanin levava consigo documentos provando que a OAS, numa emissão de debêntures, listou o tal tríplex entre as suas propriedades.

2h20min – O advogado de Lula afirma que, em seu processo de recuperação judicial, em 2015, a OAS listou o imóvel entre suas garantias. E voltou a fazê-lo em janeiro deste ano.

Tratei deste assunto na manhã de ontem: sem dúvida, Léo Pinheiro está, na prática, acusando Lula de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e destruição de provas — a ordem, ao menos, teria sido dada.

Ocorre que, na negociação com entes do próprio estado brasileiro — refiro-me ao acordo de recuperação judicial — e com o mercado (emissão de debêntures), a empreiteira sustenta ser a dona do imóvel. Volta a questão: sem outra prova que desmoralize, então, o que está documentado, será que um tribunal superior confirmaria eventuais condenações de primeira e segunda instâncias? É difícil. As provas precisam ser produzidas ainda.

De resto, essa história do apartamento e do sítio perdeu um pouco de importância quando a gente se lembra da acusação-bomba feita por Léo Pinheiro: Lula teria ordenado a destruição de provas.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Engraçado. Ordenado a destruição de provas…. neste caso não precisaria produzir provas. Só a palavra do Léo basta. A empreiteira declarar que o ap era dela, mesmo o Léo dizendo que era do Molusco, aí precisa de provas… meio confuso. Acho que só jornalistas muito fod.., advogados e políticos gatunos entendem esta lógica!! A verdade é, já passou é muito da hora de prender este larapio nordestino mentiroso dos infernos!

    Curtir

  2. Giuseppe Rossi

    Qualquer juiz de inteligencia média sabe que um pedido de destruição de PROVAS é uma admissão de culpabilidade.

    Basta provar que houve o pedido de destruição das ditas provas, e voilá o lulinha-ladrão vai precisar usar fralda geriátrica qdo sentar na frente do Moro. Se não, o cheiro da audiencia ficará insurportável não é mesmo?

    E claro, o Leo Pinheiro apresentando as tais provas colocará uma pá de cal na mal cheirosa ambição desse lulinha-ladrão para querer voltar a roubar de novo com total impunidade.

    Curtir

  3. Eu acho que de direito, ou seja, legalmente, o apartamento está em nome da OAS, por isso ela o usou na recuperação judicial, mas de fato, por isso a ocultação de patrimônio, o apartamento pertence ao Lularapio, a maior prova disso é que o apartamento nunca foi posto à venda.

    Curtir