Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cármen: querem um Tirano de Siracusa com “torresmin” e Vade Mecum

Tom feroz contra Temer em setores do noticiário não amainou nem mesmo quando conteúdo da gravação evidenciou que nada havia contra o presidente

Não vou citar nomes — só se vier a ser muito necessário. Atenho-me aos fatos. Assisti ontem, na TV, ao firme pronunciamento do presidente Michel Temer. Espalhou-se a falsa notícia de que ele iria renunciar. E ele, à diferença disso, afirmou que não renuncia. Cobrou ainda celeridade nas investigações.

Quando o presidente terminou a sua fala e as câmeras se voltaram para os jornalistas-comentadores, era até engraçado constatar o ar entre indignado e desconsolado da turma. “Como? Ele não renunciou?” Fiquei com a impressão de que havia gente que já encomendara o traje para a posse de Cármen Lúcia…

Notem: àquela altura, nem o presidente conhecia o teor da gravação. Nem ele nem a gente.

Pouco depois, o conteúdo veio a público. Temer não cometera crime nenhum. O único que relatava ações criminosas na gravação era Joesley. Não! O presidente não condescendeu, como se afirmara inicialmente, com a compra do silêncio de Eduardo Cunha. Era mentira.

Alguma fala comprometedora de Temer? Dizem se esta: “Tem que manter isso, viu?”. E o presidente soltou essa frase depois de Joesley ter dito: “Eu tou de bem com o Eduardo, ok?”.

Atenção! Há, sim, coisas graves na fala do empresário, mas contra o Judiciário e o Ministério Público (tratarei do assunto em outro post). Rodrigo Janot, no entanto, por incrível que pareça, não fez nada a respeito. Mas sigo com a imprensa.

O que me impressiona na cobertura de algumas emissoras é que, mesmo depois de evidenciado que, na gravação feita por Joesley, nada havia que desabonasse Temer, o tom da cobertura continuou condoreiro, incendiário, jacobino. Um jacobinismo sem substância.

O fato é que quase todos acreditaram numa versão dos fatos que não era fato. E aí?

Não pode agora o presidente da República pagar por isso, né? Ou pelo sonho de ver Cármen Lúcia na Presidência, na versão do Tirano de Siracusa que gosta de comer um “torresmin” enquanto folheia o “Vade Mecum”.

Setores da imprensa precisam parar com esse vício de querer depor e eleger presidentes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Geraldo Antonio Flores Leao

    Esse empresário subiu na vida com a ajuda do BRAHMA e do BNDES quando presidente.Imaginem o tamanho dos pixulecos pica das galáxias. Temer foi burro de se reunir com Joesley,contudo, o patife só falou das falcatruas e ilicitudes que vem cometendo a muito tempo,e, com isso dá prá ver que tem o dedo de LULA nesse embrólio. Lula e Joesley combinaram essa farsa para compremeter TEMER e outros a fim de se verem livres das acusações que pesam sobre ambos. Não que haja muitos inocentes nessas safadezas.

    Curtir

  2. Terezinha Duarte

    Mais uma vez seu comentario foi excelente!
    Realmente concordo com voce!

    Curtir

  3. Lucia Regina

    Corretíssimo.
    O que não dá para aceitar é o JN/Globo, o Sr. Bonner chamar o
    Presidente Temer de EX-PRESIDENTE durante as notícias de ontem.
    Nem sequer corrigiu ou pediu desculpas. E ficou por isso mesmo.
    Os jornalistas estavam como urubus. Todos esperando o pior para o país.

    Curtir

  4. Mas pq com a Dilma você não defendeu também? hummmmm

    Curtir