Atores que fazem vídeo se acham acima da crítica e do questionamento

É incrível o autoritarismo dos nossos “artistas”. Não aceitam críticas. Não me refiro a Juca de Oliveira (post abaixo), que se expressou em termos elegantes, embora esteja bravo comigo. Falo sobre a virulência dos ataques que me fazem na rede, SEM CONTESTAR UMA ÚNICA CRÍTICA QUE FIZ. Nada! O tal movimento, mais um “coletivo” não […]

É incrível o autoritarismo dos nossos “artistas”. Não aceitam críticas. Não me refiro a Juca de Oliveira (post abaixo), que se expressou em termos elegantes, embora esteja bravo comigo. Falo sobre a virulência dos ataques que me fazem na rede, SEM CONTESTAR UMA ÚNICA CRÍTICA QUE FIZ. Nada! O tal movimento, mais um “coletivo” não sei do quê — “coletivo”, é? —, marcou uma reunião de emergência com especialistas e globais para responder aos “ataques” deste terrível e malvado jornalista, que não gosta de peixinhos…

Vejam vocês! Eles estrelam um vídeo. Dizem lá o que lhes dá na telha. Tentam fazer de conta que a “inundação” — ínfima, mínima, ridícula — vai destruir a Amazônia. Criticam as hidrelétricas como matriz energética porque produziriam energia suja. Propõem no lugar energias eólica e solar, o que é um delírio estúpido. Mentem sobre a remoção de índios, que não haverá. Dizem que as comunidades não foram ouvidas, o que também é falso. Tiram o sutiã, fazem gracejos tontos… E NÃO QUEREM SER CONTESTADOS!

Há “especialistas” no Brasil para justificar quase tudo, menos para dizer de onde sairá a energia elétrica de que o Brasil precisa para crescer e melhorar a vida dos pobres. Isso me lembra Marcos Palmeira criticando o novo código florestal, referindo-se à “agricultura” brasileira com ironia, fazendo aspas com os dedos, como se ela fosse, sei lá, uma farsa ou uma irrelevância. Quanta comida produz o seu sítio orgânico para os ricos do Leblon?

Se eu tivesse escrito aqui que Jesus Cristo não é de nada, que não passava de um farsante, que Ele é o verdadeiro culpado por tudo, a grita teria sido menor. Os cristãos, infelizmente, ainda são muito pouco organizados. Mas como OUSEI criticar artistas — e, ainda por cima, esses pensadores da Globo —, então é um verdadeiro deus-nos-acuda. Maitê Proença tira o sutiã — só não o queimou para não produzir gases do efeito estufa, acho —, mas Reinaldo Azevedo não pode fazer uma ironia com a peça que ela pôs em debate, não eu. Um rapaz lá com um ar meio rural diz que “646 km² serão inundados, destruídos…”, e este homem perverso aqui demonstra o que isso significaria em termos amazônicos, ainda que verdade fosse, e eles reagem como se eu tivesse chutado o corpo de Che Guevara (já que chutar o corpo de Cristo seria considerado, certamente, expressão de liberdade). Pra começo de conversa, no período das cheias, metade daquela área já é inundada mesmo…

Estou publicando, sim, comentários de pessoas contrárias a Belo Monte — até porque eu mesmo não fui um entusiasta do rumo que as coisas tomaram. Escrevi a respeito. Mas não publicarei boçalidades como “qualquer agressão à natureza é uma agressão”; “então pague você por Belo Monte, já que o dinheiro é nosso” e afins. Por esse critério, o Brasil estaria sem Itaipu e sem Tucuruí. Em vez de esses globais fazerem seu videozinho mequetrefe, cheio de inverdades e tolices, estariam no meio do mato, comunicando-se por sinais de fumaça.

Pra cima de mim, não! Podem me satanizar à vontade. Vão lá se encontrar com os encapuzados da USP! Não estou nem aí. Se eles têm bons argumentos, que usem, então, os bons, não os maus.

Olhem aqui: não temo correntes organizadas nem pelos estafetas dos poderosos pagos pra isso. Vê lá se vou me assustar com atores que não sabem fazer conta. Todos vocês têm o sacrossanto direito de dizer o que lhes der na telha. Eu só não entendi por que eu não teria. Ofendidos, vocês logo reúnem “o coletivo”… Eu sou o coletivo de um só — e muitos milhares de leitores, é verdade. Só que há uma diferença: eu não recorro à popularidade que adquiri como ator para tentar vender uma pauta que é política, que é ideológica.

A minha profissão é perguntar por quê. A minha profissão é tentar encontrar os porquês.

Acho bom vocês se conformarem com a democracia. Ademais, consta que a tal petição de vocês já tem mais de um milhão de assinaturas. Com tudo isso, não podem suportar as críticas de alguns milhares? Sejam mais tolerantes, seus bacanas! Aprendam a conviver com o contraditório.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s