Ex-ministro que grampeou Temer: ‘elite que atua como máfia’

"Escolhi o lado da lei"

Ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero se pronunciou sobre o novo escândalo que sacode Michel Temer. Calero deixou o governo em novembro de 2016, após gravar conversas entre Temer, o então ministro da Secretária de Governo, Geddel Vieira Filho, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Em depoimento à Polícia Federal, Calero afirmou ter sido pressionado por Temer para liberar um empreendimento imobiliário em Salvador. Veja abaixo o depoimento de Calero.

“Há exatos 6 meses, deixava o Ministério da Cultura. A razão todos bem sabem: escolhi o lado da lei e atuei segundo os princípios republicanos. Não aceitei intervir em um órgão federal para atender a interesses particulares.

O que me parecia um comportamento esperado foi alvo de questionamento por parte da minha chefia. A partir dali, entendi as razões dos que me aconselhavam a me proteger.

Afinal, quem acreditaria na palavra de um jovem servidor público, que ousou desafiar os “tubarões”? Minha incredulidade diante de um pedido absurdo hoje é, novamente, compartilhada por todo o país.

Parte da classe política se uniu na tentativa de destruir minha reputação. Geddel procurou enquadrar tudo dentro de uma normalidade que eu não havia compreendido porque era “doce”.

Aécio Neves pediu que eu fosse investigado. Rodrigo Maia disse que eu havia enlouquecido. Temer – que admitira sua atuação no caso e chegou a sugeriu que eu havia me “confundido”-, classificou minha conduta como “gravíssima” e me apontou “indigno”.

Exatos 6 meses depois, entendemos de maneira ainda mais clara não apenas a razão dessa ferocidade, mas, especialmente, o “modus operandi” de nossa triste e ultrapassada elite política. Elite que atua como máfia, que não admite alguém que não compactua com seu pacto de silêncio e que não lhe é cúmplice.

Elite podre, nojenta, abjeta, com suas práticas que nos desgraçam, ferem de morte. Elite que precisa, urgentemente, ser superada. Temos que encarar esses tempos sombrios como a chance de um recomeço, a chance de uma refundação de nossa república.

Uma república em que prevaleça a boa política, o embate de ideias, a composição de legítimos interesses sociais, a busca do bem comum e não o compadrio, a apropriação da coisa pública, o tráfico de influência, a corrupção. Basta.
É chegada a hora de refundar o Brasil.

É chegado o momento de uma nova geração, com novos valores, novos objetivos.

É chegada a hora de pessoas que não vejam a política como profissão, como o poder a qualquer preço, como modo de enriquecer ou produzir negócios escusos, mas a entendam como genuína vocação para trabalhar em favor da democracia, em seu sentido mais amplo.

Partiu reconstrução?”

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. De um lado, representantes da Direita PODRE, do outro a ESQUERDA PODRE e seus representantes PODRES. Nós Brasileiros estamos lascados. Reféns.

    Curtir

  2. ACORDA BRASIL

    É cara, aproveita a oportunidade agora, é ótima para “se aparecer e levar vantagens”, até a hora em que a VERDADE virá a tona, sem distorções, sem falácias , sem sofismas e principalmente sem demagogia e necessidade de auto-afirmação.
    “Ri melhor quem ri por último”.
    Deus é justo e tem seus propósitos que os miseráveis mortais não conseguem alcançar… Aguardem no exato momento e todos verão…

    Curtir

  3. Marly Camargo

    Muito bem.Apoiado.O ideal seria a decretação do estado de exceção-previsto na Carta Magna-para combater o crime organizado nos porões da república.

    Curtir