Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mario Mendes

#ProntoFalei

Mamãe eu quero protestar

Esse Carnaval decididamente não vai ser igual aquele que passou. Vejo em reportagem na TV que estamos na era da folia politicamente correta

Esse Carnaval decididamente não vai ser igual aquele que passou. Vejo em reportagem na TV que estamos na era da folia politicamente correta e o que já foi gaiatice popular agora é considerado material altamente ofensivo. Clássicos de outros carnavais são chamados de “marchinhas preconceituosas”, causam espécie entre os foliões socialmente conscientes e estão sujeitos à problematização e ao boicote. A moça que brinca em um bloco, dá um breque no samba e responde indignada ao ser interpelada pela repórter: “Olha a cabeleira do Zezé, será que ele é O QUÊ?”. Outra garota confessa se sentir incomodada e desanimada quando, no meio da animação, a banda toca e o povo canta O Teu Cabelo Não Nega. Enquanto o líder de ode um bloco afirma, fazendo cara de conteúdo, que só mesmo um homem branco para se sentir à vontade com o verso “Mas como a cor não pega, mulata”. Não é preciso dizer que Maria Sapatão está barrada no baile, apesar de  “é um barato é um sucesso dentro de fora do Brasil”. Não pode. Senhor juiz, pare agora.

Seria cômico se não fosse bobo. Nem vale a pena argumentar que a marchinha de Lamartine Babo é uma ode à beleza nacional, no caso a mulata, e segue: “Quem te inventou, meu pancadão/Teve uma consagração/A lua te invejando faz careta/Porque, mulata, tu não és deste planeta”. Diriam que o compositor era tão machista e racista que reduziu a mulher negra à condição de alienígena. Aliás, não se sabe mais quem foi Lamartine Babo.

Bobagem pensar que a problematização politicamente correta não chegaria às marchinhas carnavalescas – ingênuas, brejeiras e brincalhonas – quando até os contos de fadas hoje são vistos como nocivos e instrumentos de opressão – circula a versão de que o beijo do príncipe na Bela Adormecida na verdade seria um estupro. Também a ironia é considerada suspeita de ser agente do mal e humor deve ser encarado com cuidado para ser dirigido ao opressor, nunca ao oprimido. Se engraçado ou não é mero detalhe.

Durante a ditadura, quando humor era visto como ameaça à moral e aos bons costumes, humoristas evitavam a política, por causa da censura, mas quando podiam deitavam e rolavam sobre o papo cabeça dos intelectuais. Foi assim que apareceu, em um programa da Globo, a “novela cultura”, 12 Raiz Quadrada de 144 – o significado da palavra “ditirambo” era um dos mistérios da trama – e também o esquete que dissecava a canção Nana Neném como terrível instrumento de opressão infantil – “a Cuca vem pegar” – e negligência paterna – “papai foi pra roça, mamãe no cafezal”. Não duvido que hoje muita gente levaria isso a sério. E tome textão nas redes sociais.

Com certeza, na folia 2017 devem surgir marchinhas de protesto, com conteúdo diversificador contemplando o lugar de fala das minorias em uma disrupção que possibilite a ressignificação o gênero. Aguardo ansiosamente.

Difícil vai ser, depois da terceira dose, discordar do fato que a mulata ainda é a tal.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Marcelo Costa

    Eu como caminho a passos largos a calvície, gostaria de retirar a ode aos carecas. E como bom corinthiano exigo a extinção da canção sobre o tal coração transplantado.

    Curtir

  2. Valderi Felizado da Silva

    Marchinha do politicamente correto:
    .
    “Sou feminista sapatão,
    vai ter texto de montão.
    Derrubando o patriarcado,
    Vou tomar pinga no gargalo.
    Porque mulher pode tudo,
    Homem entra calado e sai mudo.
    .
    Vou lacrar, lacrar, lacrar,
    Até o sol raiar
    .
    Ô opressor capitalista,
    Meu carma é ser socialista.
    Com muito empoderamento,
    Não vai ter lamento.
    É aborto com muita garra,
    A noite vai ter farra.
    .
    Vou lacrar, lacrar, lacrar,
    Até o sol raiar
    .
    E mulher pode ser o quer,
    Menos o que a gente não quer…
    .
    Ola, lá!

    Curtir