Angela Merkel vai tranquila para o tetra: a Dilma que deu certo

Previsível, burocrática, controladora, sem carisma nem imaginação, a chanceler de ferro deve ganhar quarto mandato por mérito próprio e demérito do resto

Duas cenas na Alemanha ajudam a entender a tranquilidade permitida à primeira-ministra Angela Merkel por cerca de 40% da preferência na eleição do próximo dia 24.

Uma é pavorosa. Filas diante de um tribunal de Freiburgo mostram que ainda está muito vivo na memória da população o martírio de Maria Landenburger.

Agarrada na rua quando voltava de bicicleta de uma festa na Faculdade de Medicina, que cursava aos 19 anos, ela foi dominada, mordida, estrangulada, estuprada e jogada num rio da cidade.

O crime foi em 16 de outubro do ano passado. Em 3 de dezembro, uma força-tarefa especial de 68 policiais anunciou que havia chegado a Hussein Khavari. É ele que está sendo julgado num tribunal especial para menores.

Desde que saiu do Irã para a Grécia e daí para a Alemanha, onde entrou em 2015 como menor desacompanhado, ele tem 17 anos declarados.

A promotoria quer um exame radiológico para comprovar que Khavari tem pelo menos 22 anos, idade mais do que aparente. Ainda está sendo debatido se o procedimento não infringiria o direito à dignidade do réu.

Depois do crime, a família de Maria pediu que, em vez de pêsames e flores, os alemães mandassem doações para organizações de apoio a refugiados.

Autoridades locais reclamaram que a Grécia não havia comunicado à Interpol que Khavari, depois beneficiado por anistia, havia sido condenado por assalto e tentativa de homicídio contra uma jovem de 20 anos.

ZEITGEIST REBELDE

Quebraram a cara: as informações sobre o criminosos condenado constavam de um banco de dados conjunto das polícias europeias. Hussein Khavari beneficiou-se das “fronteiras abertas” por Angela Merkel em 2015. Um entre um milhão de pessoas vindas de países do Oriente Médio,  norte da África e  Ásia Central ou Meridional.

A recuperação da popularidade da primeira-ministra, abalada depois da grande onda humana e dos episódios flagrantes de aumento de criminalidade, dos quais o assassinato de Maria Landenburger é o mais chocante, demonstra que uma parcela expressiva dos alemães fez as contas e concluiu: melhor com ela, e seu único embora monumental momento de decisão intempestiva, do que sem ela.

O que nos leva ao segundo episódio escolhido para ilustrar o obviamente complexo e multifacetado cenário político alemão.

Em Berlim, que é uma cidade-estado, a esquerda está no poder. O prefeito é do Partido Social-Democrata. Verdes e Die Linke, o partido neo-stalinista, compartilham do zeitgeist dos  berlinenses, que se consideram alternativos, rebeldes  e anticapitalistas por definição.

Foi do Die Linke, literalmente A Esquerda, a iniciativa de proibir “cartazes sexistas”. A publicidade ficaria proibida de fazer outdoors mostrando uma mulher bonita porém “fraca, histérica, burra, desequilibrada, ingênua ou completamente controlada por suas emoções”.

Também entram no índex mulheres sorridentes e com pouca roupa ao lado de homens “de expressão séria e completamente vestidos”. Nada consta sobre outdoors com homens sorridentes de sunguinha e mulheres sérias de tailleur, uma imagem capaz de despertar outro tipo de fantasia.

A insanidade esquerdista, apesar de tipicamente berlinense, também ajuda a explicar por que o Partido Social-Democrata está na faixa dos 25% dos votos.  Martin Schultz descobriu rapidamente que deixar a presidência do Parlamento Europeu para concorrer com Merkel não foi um bom negócio

Só para lembrar: Angela Merkel, promovida de vilã a heroína do progressismo mundial por causa da abertura das fronteiras em 2015, é de direita. Os social-democratas participam do governo de coalizão, mas os abusos mais exagerados ficam confinados ao ministro das Relações Exteriores.

Sigmar Gabriel se dedica quase em tempo integral a detonar as relações exteriores com os Estados Unidos. Nisso tem bastante simpatia da opinião pública alemã, quase que unanimemente incapaz de entender o impulso desestabilizador e anti-establishment que levou à vitória de Donald Trump.

A BOA GOVERNANTA

Instabilidade e imprevisibilidade é tudo que a maioria dos alemães não quer. E a força de Angela Merkel está justamente em ser previsível, sólida, sóbria, controladora, taticamente inexpugnável, mesmo que sem carisma ou capacidade de inspiração, muito menos o de assumir um papel de líder do mundo ocidental como os antitrumpistas mais delirantes imaginaram.

Não a “mutti”, a mamãe que a propaganda política tenta vender, mas uma boa e confiável governanta. Os números da boa governança: crescimento de 2% ao ano, de fazer o resto da Europa babar de inveja. Superávit orçamentário pelo terceiro ano seguido. Desemprego reduzido à metade desde 2005, quando foi eleita primeira-ministra, ou chanceler, como dizem os alemães, pela primeira-vez.

Ou seja, tudo aquilo que uma certa presidenta vendida como boa governanta proclamava representar, e até tentou ensinar Angela Merkel a fazer,  com o conhecido e catastrófico resultado.

Isso tudo não significa que o rompante de Merkel ao abrir as fronteiras (depois, entrecerradas de novo) tenha sido superado, tanto na Alemanha quanto na União Europeia, cujas normas foram atropeladas.

Internamente, a decisão da chanceler alimentou o partido Alternativa para a Alemanha, ou AfD, que passou a pregar quase que exclusivamente a linha dura em matéria de imigração e teve avanços regionais. Agora, a AfD está disputando com chances razoáveis o terceiro lugar entre os três partidos menores, uma posição praticamente impensável pré-2015.

Os outdoors de campanha da AfD não passariam no crivo da esquerda berlinense. Um deles mostra três mulheres de biquíni na praia, de costas e a frase: “Burkas? Wir steh’n auf Bikinis”.

Esta é fácil de traduzir: “Burkas? Nós ficamos com os biquínis”. Extrema-direita com senso de humor é uma novidade na Alemanha. E talvez funcione melhor que a opção usada no início, de colocar Angela Merkel com véu negro na cabeça, cercada por minaretes.

“Vinte anos depois da minha morte, tudo estará acabado”, dizia Otto von Bismarck, o chanceler de ferro original, que unificou a Alemanha durante as duas prodigiosas décadas, de 1871 a 1890, em que esteve no poder.

Os alemães estão apostando que, se Angela Merkel completar a extraordinária marca de quatro mandados, as burkas não ganharão dos biquínis.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Adelson Paulo de Araujo

    Para variar, será na Alemanha, e através da Alemanha, que será decidido o destino da Europa. Talvez Merkel não seja a liderança maia talhada para este processo, mas propicia um ambiente de relativa estabilidade, onde as tempestades que logo virão estão sendo lentamente fermentadas. Deutsche uber alles?

    Curtir

  2. Julio Cesar Paes

    nós somos medidos pelo que fazemos de “errado” , se faz o “certo” foi pago para isso ou foi obrigação. mas quando faz-se algo errado, tudo que fez de “certo” não vale mais nada. a última impressão é a que fica.

    Curtir

  3. Luiz Chevelle

    A Dilma que deu certo? Você é uma besta.

    Curtir

  4. José Antonio Debon

    A simples citação desse nome já é uma ofensa para uma pessoa como a Angela Merkel.

    Curtir

  5. Texto excelente! Muito esclarecedor!!

    Curtir