Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Silêncio’: o real e a ficção no filme de Scorsese

Roteiro adapta trama criada pelo escritor Shusaku Endo. Porém, um relevante fundo histórico serviu como base para a obra

Silêncio, novo filme de Martin Scorsese, é uma das obras mais distintas da filmografia do cineasta. Afeito a tramas enérgicas, o diretor lança mão da quietude e de longas sequências introspectivas para acompanhar a jornada de dois padres jesuítas, Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garpe (Adam Driver), durante uma investida missionária no Japão do século XVII. O período é marcado por uma violenta perseguição aos seguidores da fé cristã no país.

O longa é a adaptação do livro de ficção de mesmo nome, do escritor japonês Shusaku Endo, editado no Brasil pela Tusquets. Publicado originalmente em 1966, a obra escrita pincela um fundo de verdade, baseada nos poucos documentos da época que restaram.

Os primeiros missionários chegaram ao país em 1549 e ganharam força no início de 1600. Bem recebidos, especialmente por causa das relações mercantis, os europeus levaram milhares de japoneses a se converterem à fé católica. Estima-se que o número de cristãos no país chegou a 300.000. A bonança acabou quando os senhores feudais locais – os xoguns — passaram a enxergar o catolicismo como uma ameaça à segurança nacional, pelo excesso de obediência dos fiéis aos líderes religiosos europeus.

O romance de Endo se passa em 1630, quando os cristãos já haviam sido banidos do país. A proibição durou até meados do século XIX.

Confira abaixo os pontos inspirados em fatos da obra cinematográfica:

 

O sagrado pisado

(Reprodução/Reprodução)

Assim no filme como na vida real, quando questionados sobre sua fé, os cristãos eram obrigados a pisar no fumi-e – em japonês “imagem para pisar” – uma placa com representações católicas em relevo, como Jesus crucificado, santos ou a Virgem Maria. O aparato era utilizado pelas autoridades do xogunato para desmascarar suspeitos. Quem se recusasse a pisar na imagem, era preso. Museus japoneses, em Tóquio e Nagasaki, possuem em seu acervo exemplos de fumi-e.

 

 

Cristóvão Ferreira

(Reprodução/Reprodução)

O jesuíta português Cristóvão Ferreira (interpretado por Liam Neeson) é a motivação que leva os dois padres da trama de Silêncio ao Japão. Ferreira, um nome forte dentro da Companhia de Jesus, teria renegado a fé católica. Seus pupilos, inconformados, partem em busca da verdade.

Ferreira é o único personagem da trama que realmente existiu. Sua representação no filme de Scorsese é bem próxima do que se sabe. Historiadores apontam que o padre morreu em 1650, mas a comunicação entre ele e a igreja se encerra 20 anos antes. O eclesiástico é considerado o primeiro líder católico no Japão a apostatar — a renúncia à crença aconteceu após seis horas de tortura no suplício do poço (veja abaixo).

Não se sabe muito de sua vida e morte após a apostasia. Acredita-se que ele constituiu uma família, parte da obrigação de renunciar a fé. Seu túmulo ainda existe em um templo em Nagasaki, mas os registros sobre sua trajetória se perderam com a bomba atômica, em 1945. “Marinheiros chineses afirmaram que Ferreira renegara a apostasia, tendo uma morte de mártir no mesmo poço que antes o derrotara”, diz William Johnston, professor e tradutor de Silêncio no prefácio do livro.

 

Sebastião Rodrigues

(Reprodução/Reprodução)

Rodrigues, personagem de Andrew Garfield, na realidade, não existiu. O personagem nasceu inspirado em um italiano chamado Giuseppe Chiara. O rapaz era parte de um grupo de dez missionários, composto por europeus, chineses e japoneses, que decidiu entrar no país, apesar da forte perseguição. Todos foram capturados e, após longas sessões de tortura, apostataram. Alguns deles, mais tarde, renegaram a atitude. “Chiara morreu cerca de quarenta anos depois da apostasia, declarando-se ainda cristão”.

 

O suplício do poço e outras torturas

(Reprodução/Reprodução)

Diversos métodos de execução eram usados, como crucificação e fogueira, como exemplo para outros japoneses. Porém, melhor que matar um religioso, que se tornava herói por seu martírio, era fazer um líder católico desistir da fé em público. O suplício do poço, representado no filme, foi um dos tipos de tortura mais cruéis e, para os militares japoneses, eficaz. A vítima era toda amarrada até a altura do peito. Depois, pendurada de cabeça para baixo dentro de um poço escuro e pequeno, que continha no fundo lixos e excrementos. A testa da pessoa era cortada levemente, para que o sangue pingasse aos poucos. “Alguns dos mártires sobreviveram mais de uma semana naquela posição; a maioria, porém, não viveu mais que um ou dois dias”, diz o historiador britânico Charles Ralph Boxer, em seu livro The Christian Century in Japan. Uma adolescente teria sobrevivido 14 dias, o período mais longo registrado.

 

Reuniões secretas

(Reprodução/Reprodução)

Assim como é mostrado no filme, eram comuns reuniões secretas entre os cristãos durante o período de proibição. Calcula-se que em torno de 6.000 japoneses mantiveram a fé no auge da perseguição, especialmente em Kyushu, terceira maior ilha do arquipélago, com destaque para a região de Nagasaki. Os criptocristãos — nome dado a cristãos que cultuam em segredo em diversos países — eram chamados no Japão de “Kakure Kirishitans” (cristão escondido, em tradução livre). O segredo levou a religião a um sincretismo involuntário, que não foi mostrado no longa. As orações passaram a se assemelhar a cantos budistas. O mesmo aconteceu com imagens de santos e de Maria, então talhadas de forma próximas aos ídolos permitidos. Já os escritos bíblicos eram passados de forma oral.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Damastor Dagobé

    nesse caso é o segundo jesuíta da carreira Liam Neeson …ele fez outro em A Missão co Robert De Niro..

    Curtir

  2. Luis Carlos Zardo

    Se o Japão tivesse permitido que estes parasitas se instalassem por lá, hoje seriam terceiro mundo, igual as Filipinas

    Curtir

  3. Alexandre Raposo

    De longe, um dos filmes mais tediosos de Scorsese, o que é agravado pelo protagonismo do bom moço com cara de chupa manga azeda, Andrew Garfield. O fanatismo dos cristãos do filme é tão irritante que, a certa altura, o espectador começa a torcer que os japoneses acabem logo com todos eles. Além disso, o filme não conta a história toda. A princípio, os cristãos foram bem-vindos em um Japão em vias de unificação, mas logo os xoguns se deram conta de que, assim como ocorreu em outras partes do mundo, a pregação missionária precedia e preparava o terreno para a invasão militar. Foram expulsos por justa causa.

    Curtir

  4. Julio Vasconcelos

    Alexandre, você tem razão, o filme é pesado. Mas, dado seu tema, podia ser de outro jeito sem perder a grandeza? Luís Carlos, é digna de nota, sim, a eficiência daquela Inquisição japonesa, que derrotou nada mais nada menos que os jesuítas. Os japas perceberam a disposição de combate e a força do armamento espiritual, dados pela fé, bem como o rigor do treinamento, digamos assim, dos chamados soldados de Cristo, e foram pra cima deles usando estratégia de guerra que o filme mostrou ter sido muito inteligente, brutal e avassaladora.

    Curtir