Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zezé di Camargo: o bom cantor é uma besta quadrada em política

O ídolo idiota ensina que o regime vigente no Brasil entre 1964 e 1984 nada teve a ver com ditadura. Foi um 'militarismo vigiado'

O cantor Zezé di Camargo tinha apenas dois anos de idade quando foi consumado o golpe militar de 1964. Tinha seis quando o Ato Institucional n° 5 inaugurou a ditadura escancarada. Era um adolescente engatinhando na carreira artística quando a linha dura das Forças Armadas transformou as prisões em catacumbas infestadas de torturadores fardados e civis. Conheceu o sucesso com músicas que não incomodavam a censura e virou celebridade depois de restaurada a democracia.

Sem jamais ter visto a face selvagem do autoritarismo, Zezé di Camargo avisou nesta segunda-feira, numa entrevista a Leda Nagle, que lê muito, que se considera bastante informado sobre o que vai pelo país e que sabe reconhecer ditaduras de longe, seja qual for o sotaque. A Venezuela é uma delas, exemplificou. “Outra foi a Hungria do Ceasescu”, confundiu-se o analista, instalando o ditador da Romênia no comando da nação dos húngaros.

No fecho da aula, caprichando na pose professoral, Zezé ensinou que, durante a Era dos Generais, o que se viu por aqui foi não uma ditadura, mas o que batizou de “militarismo vigiado”. Dispensou-se de explicar quem vigiou e quem foi vigiado. Mas a coisa funcionou tão bem que valeria a pena reprisar a experiência, agora para derrotar a conjunção de crises que aflige o Brasil. Depois de resolvidos todos os problemas, o paraíso tropical seria devolvido aos paisanos. Como prometiam fazer os vitoriosos de 1964.

O palavrório do ídolo idiota só serviu para confirmar que podem conviver no mesmo corpo, em perfeita harmonia, um bom cantor sertanejo e uma besta quadrada em assuntos políticos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. caroline de oliveira mesquita

    Seus argumentos são péssimos e preconceituosos.Cantor sertanejo agora não pode ser politizado? Só jornalista que tem permissão pra falar de política? Vc não é o dono da verdade.

    Curtir

  2. Sales Ribeiro

    pelo visto, os comentaristas daqui já foram todos torturados e presos na época da “ditadura” ou estou enganado?? Quais “crimes” vocês cometeram”???

    Curtir

  3. Como cantor, é uma tremenda porcaria porque tem um repertório de provocar vômito em qualquer pessoa de bom gosto.
    Como analista político, é uma Dilma com um microfone na mão.
    Vai pra casa zé zé.

    Curtir

  4. Aos poucos vou desconstruindo imagem de que alguns jornalistas podem nos “salvar” ou algo assim… esse jornalista nem deveria opinar sobre isso, tem algum crime que cometeu no passado? o Villa, o Joseval e a Vera Magalhães, imaginem.. declararam que a exposição maldita do Santander com nosso dinheiro deveria ser respeitada, pois devemos respeitar a liberdade de expressar a arte, vai quem quer… OS ALUNOS FORAM PORQUE OS PROFESSORES LEVARAM, agora o Augusto Nunes com esse trauma contra o regime militar que eu vivi e que foi uma das melhores épocas do Brasil…. É não dá prá confiar em ninguém, o negócio é ouvir, mas nunca colocar a mão no fogo com esses dai que devem ter o rabo preso também de alguma forma.

    Curtir

  5. Paulo Rio de Janeiro

    Prezado Augusto, sou seu fã. No entanto, isso não impede de ver quando você se arroga a condição de ditador e policial do pensamento alheio. Ora, se o Zezé de Camargo, assim como eu, e a grande maioria do povo brasileiro considera que NÃO houve uma ditadura militar, acredito que não merecemos qualquer epíteto ou agressão da sua parte. É a nossa visão de mundo, foi o modo como vivemos aquela (bela) época. Se isso o incomoda, não lhe dá o direito de chamr ninguém de besta quadrada. Isso só chama pra si essa mesma qualificação. Vocês, sim, se comporta como um total ignorante, preconceituoso e abusado. Sim, abusado. Pois não é assim que se combate uma ideia. Pelo menos, não foi assim que aprendi. De qualquer forma, fica o aviso: “não adianta espernear. O Bolsonaro vai ganhar”. Gostem ou não disso. Aliás, é gente como você que criou um personagem como ele. Agora aguentem.

    Curtir