Quem são os manifestantes que pedem o fim da corrupção

Fernanda Nascimento e Aiuri Rebello “Não é mole não, eu trabalho para pagar o mensalão”. Foi com frases como essa, os rostos pintados de verde e amarelo, empunhando bandeiras do Brasil e cartazes que manifestantes foram às ruas para exigir, neste feriado de 7 de setembro, o fim da corrupção e da impunidade em meio […]

Fernanda Nascimento e Aiuri Rebello

“Não é mole não, eu trabalho para pagar o mensalão”. Foi com frases como essa, os rostos pintados de verde e amarelo, empunhando bandeiras do Brasil e cartazes que manifestantes foram às ruas para exigir, neste feriado de 7 de setembro, o fim da corrupção e da impunidade em meio à enxurrada de escândalos envolvendo o governo Dilma Rousseff. Em São Paulo, um dos protestos ocorreu na Avenida Paulista e reuniu cerca de 4 mil pessoas segundo estimativa da Polícia Militar. O ato foi parte de uma mobilização que surgiu na internet, ganhou força pelas redes sociais e chegou a pelo menos trinta cidades do Brasil.

No vão livre do Museu de Arte Moderna de São Paulo (Masp), o protesto suprapartidário reuniu jovens, famílias e idosos diante do prédio do Masp. Estudantes eram maioria entre os manifestantes, mas não houve nem sinal da União Nacional dos Estudantes (UNE). Sem uma liderança organizada, pelo menos três grupos promoveram o evento no Facebook e se uniram no movimento batizado de “Unidos contra a corrupção”.

Uma máscara do personagem V, do filme V de Vingança, identificava os Anonymous, grupo formado na internet que protestou ao lado dos estudantes do “Dia do Basta” e dos participantes do NASRUAS. “A única bandeira comum entre todos os participantes é o combate à corrupção. É tudo muito heterogêneo e caótico, tem gente de todos os tipos aqui”, diz um dos organizadores do Anonymous, que não se identificam em entrevistas.

Pela manhã, outro grupo se reuniu na avenida Paulista para um protesto que seguiu pela calçada com pelo menos 500 pessoas. A mobilização organizada pelo grupo Caras Pintadas saiu do Masp por volta das 10 horas e marchou por cerca de dois quilômetros carregando bexigas brancas e cantando o hino nacional. O grupo foi acompanhado por um grupo de quarenta motociclistas, que seguiram os manifestantes buzinando. “Marcamos pela internet e viemos para cá para chamar a atenção”, contou o marceneiro Wilson Martins, que veio de Guarulhos a bordo de sua moto.

No meio da tarde, por volta das 16 horas, uma carreata, com mais de vinte veículos, organizada na Assembleia Legislativa de São Paulo também fez companhia aos manifestantes. A manifestação só se dispersou por volta das 17 horas, depois de percorrer quatro quilômetros.

A dimensão atingida pelo movimento trouxe lembranças a quem participou de campanhas vitoriosas na história do país. “Isso é um começo”, afirmou o aposentado Luis Vergueiro, de 67 anos. “Participei de todos os protestos contra a ditadura e estava lá gritando nas Diretas Já”. Sua mulher, Lucinda Souza Pinto, sentiu pela primeira vez a emoção em participar de um movimento. “Nessa época eu morava em Minas Gerais, nem sabia das coisas”, diz. “Agora precisamos fazer pelo Brasil todo”, completou.

JOVEM LIDERANÇA
Na linha de frente da manifestação estava o estudante do Ensino Médio Fernando Del Pozzo. De cabelos compridos, vestido com camiseta de uma banda de rock, cinto de couro, botas e um chapéu côco, ele é, aos 17 anos, um dos coordenadores do “Dia do basta” em São Paulo. “O grupo já existia em outras cidades do Brasil”, conta o jovem. “Em julho, organizamos o primeiro protesto sob essa bandeira aqui em São Paulo.” O estudante explica que o movimento é espontâneo e não possui vínculo com nenhum partido político ou sindicato. “A organização é toda feita pelas redes sociais. Qualquer um pode acessar os grupos de discussão e participar”, diz Pozzo.

Apesar da maioria dos participantes ser jovem, havia gente de todas as idades e até famílias inteiras. O engenheiro Marco Aurélio de Lima, de 51 anos, fez questão de aparecer na concentração no vão livre do MASP, junto com a mulher, a filha de cinco anos e outros quatro familiares. “Não adianta ficar reclamando em casa e não fazer nada. Está na hora do povo ir para a rua”, afirmou. Também levou todos os amigos a advogada Cidinha Marcondes, que viajou mais de 200 quilômetros para participar da passeata. “Viemos protestar por Analândia (no interior de São Paulo), que sofre com a corrupção”, conta. “Fretamos uma van e viemos em catorze pessoas, com muitas faixas”.

Nenhuma bandeira de partido político foi tolerada. Ainda na concentração da passeata da tarde, por volta das 13 horas, integrantes da Juventude do PSDB chegaram para participar da manifestação com uma enorme faixa do partido. Debaixo de uma retumbante vaia, os jovens foram obrigados por alguns organizadores a recolher a faixa. “Não é porque é do PSDB. Qualquer bandeira de partido não é aceita, é um movimento espontâneo da sociedade civil. Mais cedo tentaram levantar uma bandeira do PSTU e também não deixamos”, diz um dos integrantes do Anonymous. No meio da marcha, por volta das 16 horas, bandeiras do PT foram queimadas em protesto contra o partido por um pequeno grupo.

PELO BRASIL
Em Brasília, onde a presidente Dilma Rousseff participou dos festejos de Sete de Setembro, cerca de 25 000 pessoas se reuniram para um protesto próximo ao local do desfile militar oficial. Os manifestantes chegaram a lavar a rampa do Congresso Nacional. A segurança da Presidência tomou providências para que Dilma não visse nem ouvisse a manifestação.

A corrupção tem ocupado a agenda política desde o início do governo Dilma Rousseff. Três ministros já caíram por desvios éticos. No Congresso, a situação não é melhor: mesmo flagrada recebendo dinheiro sujo, a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) escapou da cassação graças à conivência dos colegas.

NÃO ACABOU
O sucesso dos protestos em São Paulo foi tamanho que outra mobilização contra a corrupção já está sendo organizada para o feriado do dia 12 de outubro. Um dos manifestantes à frente do grupo que saiu do Masp pela manhã, Felipe Mello, diz que a mobilização das pessoas pela internet está só começando. “Vou fazer minha parte para isso continuar”, afirma. No próximo protesto, o objetivo é unificar os movimentos. “Desta vez vamos tentar nos organizar para os protestos ocorrerem na mesma hora e juntar mais gente”, afirmou Fernando Pozzo, do Dia do Basta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Adriano Felício

    ORIENTAÇÕES E INFORMAÇÃOES PARA CRIAÇÃO DE COMITÊS REGIONAIS
    Enviem-nos um e-mail para gotadesperanca@yahoo.com.br contendo os nomes dos organizadores e o trajeto a ser percorrido. Com relação ao percurso, aconselhemos que não sejam escolhidos trechos que incluem Prefeituras, Câmaras de Vereadores, Palácios de Governadores e ou órgão públicos, para evitar que os participantes queiram entrar e ou apedrejar.
    Todas as MNCC oficiais deverão ser realizadas no dia 02/10 com concentração às 9hs., incio da CAMINHADA às 10hs. e término às 12hs. Precisaremos do endereço do comitê e telefone de contato, pedimos a todos que criem um e-mail com mncc mais a sigla de seu estado, exemplo mnccrj@, caso exista ponha numeral seguindo a ordem crescente. Não será permitido o uso de quaisquer tipos de armas e ou instrumentos que possam ferir.
    Todos deverão seguir os nossos Princípios e Objetivo:
    Princípios e Objetivo
    1. Mobilizar a sociedade e todos seus seguimentos organizados para lutar contra a Corrupção
    2. Conscientizar a todo cidadão sobre seu dever e participação diante das questões publicas
    3. Debater o voto obrigatório, alertando a população sobre o dever pessoal e cívico em participar do pleito eleitoral
    4. Não permitir que os movimentos populares sejam utilizados como instrumentos de promoção pessoal
    5. Apoiar e promover os movimentos pacíficos que promovam a consciência cidadã
    Objetivo: Lutar contra a corrupção

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sonia

    Nas passeatas tem que se dar nome aos bois. Senão passarão por cima de nós. Pois acham que somos capacho deles. COMO: FORA LULA! FORA DILMA! FORA PETRALHAS! FORA CORJA DE VAGABUNDOS! INDECENTES, PORCOS, IMUNDOS E DESCARADOS! NÓS NÃO AGUENTAMOS MAIS TANTA ROUBALHEIRA, E TANTA INCONPETÊNCIA E TANTA MENTIRA!!!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Josué

    PRECISAMOS LEVAR FAIXAS: PARA QUE TANTO MINISTÉRIO ? ISSO SÓ AUMENTA O NUNEMRO DE GANANCIOSOS QUE ESTÃO LÁ PARA VER SOBRE INTERESSE PRÓPRIO E NUNCA ESTÃO PREOCUPADOS COM O POVO. VAMOS NOS UNIR CADA VEZ MAIS, CADA MANISFESTANTE DEVE CONVIDAR OS AMIGOS, OS FAMILIARES E NÃO DEVEMOS ACEITAR D E F O R M A ALGUMA A PARTICIPAÇÃO DE REPRESENTANTES DE PARTIDOS. NÃO HÁ PARTIDO, É O POVO INSATISFEITO. DA N O J O VER OS POLITICOS NA TELEVISÃO FALANDO QUE VAI FAZER ISSO E AQUILO. TEM UM AQUI EM SÃO PAULO QUE JA DEVIA ESTAR PRESO A MUITO TEMPO, UM NÃO VÁRIOS.
    CHEGA . . . BASTA . . . VAMOS AUMENTAR ESTE MANISFESTO OCORRENDO EM TODOS OS ESTADOS E GRANDES CIDADES, SÓ DEPENDE DE NÓS . . .

    Curtir

  4. Comentado por:

    edson rosalvo de oliveira guimaraes

    UNEA,realmente tem tudo a ver.UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES AMESTRADOS e muito bem pagos para não atrapalhar os petralhas.É uma vergonha a UNE,desculpe hoje não existe mais UNE existe a UNIÃO DOS ESTUDANTES AMESTRADOS.Que país é este já dizia há mais de vinte anos o Renato Russo.

    Curtir