Oliver: Os roedores

VLADY OLIVER Nessa altura do campeonato, muita gente vem perguntando o que virá depois do Petê. Este é o ponto, meus caros amigos: depois do Petê virá mais Petê. Sim, porque o partido da estrelinha na cueca não é um partido político, mas uma mentalidade. E essa mentalidade bronca, infelizmente, está entranhada como cracas em […]

VLADY OLIVER

Nessa altura do campeonato, muita gente vem perguntando o que virá depois do Petê. Este é o ponto, meus caros amigos: depois do Petê virá mais Petê. Sim, porque o partido da estrelinha na cueca não é um partido político, mas uma mentalidade. E essa mentalidade bronca, infelizmente, está entranhada como cracas em navios.

A fábrica de fabricar petês não será fechada simplesmente com o advento da República de Curitiba. Aliás, percebam os que prestam que o juiz Sergio Moro tem o apoio maciço da população decente, apoio formal da categoria à qual pertence e só. De resto, está sozinho nesse deserto de ideias e atitudes, que preferem inquirir o mocinho pela técnica heroica utilizada para desmascarar bandidos que defender que a justiça seja feita por aqui sem meandros e desvios. É impressionante.

Com quantos juízes como Sergio Moro pode contar o poder judiciário? Já há pessoas que se perguntam o porquê da existência de STFs e Senados, uma vez que eles não servem justamente à função para a qual foram criados. A pergunta é boa, mas incita o desmonte de nossa democracia bamba. Melhores seriam os conselhos comunais?

Nossas instituições foram aparelhadas por essa quadrilha. E o aparelhamento se deu com a conivência explícita das corporações – sindicatos, grupamento e milícias – que tiveram seus integrantes solertemente cooptados. O resultado é este que estamos vendo, atônitos. Um país paralisado, morto de medo dos próximos passos que ceifarão os empreguinhos públicos e temeroso do dia seguinte, por não entender que o sol queimará só os vampiros que nos desgovernam, e não o que ainda resta de nossa sociedade espoliada até o talo.

Que se danem os políticos. Os Chicos, Caetanos, Stédiles e Boulos. Não vejo um único cientista político ou analista dessa empulhação toda que nos cerca fazendo um exercício de futurologia que não inclua os proscritos partidos imiscuídos nesta festinha torpe onde pilharam a nação toda. Não é o futuro dessa gente? Não serão dizimados pelo voto dos decentes? Não serão impedidos de participar da confraria, por leis da ficha limpa e correlatos? Ou vamos continuar a desconfiar das urnas superfaturadas e das apurações onde a oposição dorme na contagem final e nos subtrai o direito de saber se estas eleições foram legítimas como brande o grupamento de calhordas ou fraudadas por uma ideologia que não para em pé?

Tal pergunta jaz na base de tudo isto que estamos presenciando por aqui, meus caros. E se as eleições foram um acordo entre amigos, destes que aceitam o jogo tão somente por quererem trair um ao outro mais adiante? O Senador Magno Malta foi profético ao afirmar que Aécio Neves se livrou de uma maldição. Talvez fosse ele, com o apoio da petralharia, o candidato ao impeachment da vez, nesta terra de inocentes úteis e bananas. Não duvido nada dessa possibilidade.

O caldo estava entornado para quem quer que fosse assumir o controle do navio. E tudo isso por conta de uma miragem fundamental: que este país de tontos úteis seria um socialismo em busca de um embusteiro para chamar de líder. Não é. É um capitalismo que se recusa a continuar parceiro dessa escumalha, parando as máquinas para se livrar do excesso de peso. E vai parar de trabalhar e empreender até que estas ratazanas tenham sido espantadas do convés. Se elas voltarão, fantasiadas de outros roedores, é o que nos cabe definir por lei. O impeachment é só o começo da volta do país à estrada da decência.

Com quase vinte anos de atraso e pendurado em toda a sorte de muletas sociais para se mover com um pingo de dignidade, vai ser duro aprender a andar de novo sem querer se encostar em algum barranco. Que pobreza que somos.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Adriano

    Oliver, são pertinentes suas indagações. Até hoje me pergunto como um Collor e um Rennan conseguem se reeleger. E Maluf então? Ainda hoje, converso com pessoas na rua que tem pena da situação de Lula e Dilma. Como sair desta situação? Fico muito aflito. Tem hora que dar vontade de esquecer o otimismo. Já não sei dizer se tenho esperança que a saída de Dilma e a prisão de Lula venhão trazer novos protagonistas que façam a diferença.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Nada de novo debaixo do Sol!

    á vi muita gente perdoando “o povo” por ter colocado essa gente no poder. Não perdôo! São culpados, sim!!! Digo mais, quem votou no PT, seja para Presidente, seja para Deputado, Senador, Governador, Prefeito ou Vereador, a partir das eleições de 2006 é CÚMPLICE de tu isso que aí está. Não porque tenha votado QUERENDO essa nojeira toda. É óbvio que ninguém vota com o objetivo de destruir o país. Mas são cúmplices pela IRRESPONSABILIDADE de ter ignorado os sinais. No primeiro governo Lula houve escândalos suficientemente graves para que os eleitores usassem a regra de ouro do trânsito: na dúvida NÃO ULTRAPASSE!
    Ultrapassaram. Qual recado foi dado nas urnas? Não importa o que fizerem, continuaremos votando em vocês!
    Com a carta branca entregue pela população, petistas e aliados sentiram-se intocáveis. E tome dinheiro na cueca, escândalos e mais escândalos, o STF, mesmo aparelhado, teve que se dobrar às evidências e condenar os réus do mensalão. Resultado? O povo continuou votando no PT.
    Apesar da composição do Congresso ter mudado um pouco na última eleição, em 2006 e 2010 o povo lotou a Câmara e o Senado de parlamentares petistas e aliados. Agora reclama. As madalenas arrependidas são bem vindas ao antipetismo, mas têm obrigação de trabalhar muito mais intensamente pela recuperação do país e pela limpeza na Politica brasileira. Mas sabem o que desanima profundamente, por provar que, simplesmente, NÃO APRENDERAM ABSOLUTAMENTE NADA?
    1. MARINA SILVA, aquela que saiu do PT, mas o PT não sai dela, aquela que recebe alegremente em sua Rede os ex petistas que tentam salvar seu futuro político, aparece em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Inacreditável!!!!
    2. É só olhar a história. A composição do congresso não muda! Não há renovação. As eleições diretas de parlamentares mantiveram, sempre, os mesmos caciques, os mesmos líderes, que são operadores, participantes ou, na melhor das hipóteses, coniventes com essa sujeira toda! Renan Calheiros não voltou depois de ter renunciado para não perder o mandato? E ainda por cima os senadores de sempre não deram a ele a Presidência do Senado?!!! Collor não voltou? E assim por diante.
    O trabalho é enorme. A missão parece impossível! Mesmo que o PT caia, ainda falta muito, mas muito mesmo, para que a sociedade brasileira tenha alguma maturidade política e, pelo menos, gere uma renovação, tirando do poder as famílias que sempre estiveram lá, impedindo o país de alcançar seu potencial de desenvolvimento.
    É muito triste.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Robespierre

    Tchau querida.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Sergio

    Oliver;
    O Brasil de hoje é o resultado das opções que seu povo escolheu no passado.
    Desde os tempos de Villegagnon e Nassau até os dias atuais onde o povo elegeu por 4 vezes essa corja de ladroes , sempre a opção foi pelo lado errado.
    Um exemplinho só ; quando do fim da segunda grande guerra a entao recém criada ONU pedia desesperadamente que os países da America e oceania recebesse dezenas de milhões de alemēs , italianos ,holandeses etc que desejavam fazer vida nova .
    Pessoas com grande capacidade de trabalho e habilidades que cairíam como uma luva no Brasil , pois até hoje o nível de produtividade do brasileiro é 5 vezes menor que o de um americano.
    Qual a opção escolhila pelo general Dutra? Não receber os imigrantes pois corríamos o risco de perder a nossa identidade como povo.Que povo ?
    Entre o que pode dar certo e o que certamente dará errado o Brasil sempre escolheu a segunda opção.
    A situação de hoje não poderia ser diferente pois o povo assim quiz.
    Ah, ia esquecendo , aqueles milhões de europeus fora para os USA , Canadá , Ausrália etc…, e fizeram a opção certa!

    Curtir

  5. Comentado por:

    cristina

    Ricardo A das 18:50,muito obrigada pelas palavras de consolo,mas OLIVER tem razão.É uma crise moral sem tamanho.O idiota,o imoral,o vagabundo perderam o medo de se mostrarem como realmente são!!Muito triste.Os humildes e de bom coração ,são a maioria da população com certeza ,mas competem (como exemplo) desigualmente!!Esses sem vergonhas são histriônicos ,fazem mais barulho,transformando-os em “exemplo” a ser seguido pelos mais jovens que não aprenderam em casa nem nas ruas o que significa a palavra ÉTICA!!!!Levará décadas pra essa crise moral se reverter!De qualquer forma,muito obrigada!!! FELIZ PÁSCOA para TODOS!!!PÁSCOA é RENASCIMENTO ,é ESPERANÇA!!!É TUDO que precisamos no momento!!!!!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Claudio

    É claro que temos que colocar o PT para fora, extingui-la junto com outros partidos cúmplices e sócios dessa roubalheira surreal. Mas Oliver está certo, ninguém até agora se preocupou em saber até onde essa história foi, até que ponto contaminou mentes e almas, como, quando é com quem vamos reconstruir o país. A caminhada parece que vai ser longa, cheia de tentações bolsas-disso-bolsa daquilo para tentar nos desviar do rumo.

    Curtir

  7. Comentado por:

    LUIZA MARQUEZ

    … quem sabe podemos acreditar que ” Os ratos se devorem dentro do ninho”…

    Curtir

  8. Comentado por:

    Samuel

    Certa feita, um amigo nascido em Tatuí, hoje já falecido, disse-me quando éramos estudantes de graduação em Universidade Federal: “o PT é rato magro, vivem à espreita, ao menor descuido ou repouso dos ratões eles tomarão o queixo e os lixos e mostraram garras secas e afiadas de quem deseja de fartar a todo custo”… ele estava mais do certo!…

    Curtir

  9. Comentado por:

    Disraeli

    Quanto tempo, meu caro Oliver! Sempre bom ler teus artigos!
    Gostei, porque isto é algo que já digo há muito. As nossas leis trabalhistas e nossas leis sociais (aposentadoria por exemplo) criam uma imoralidade.
    Por que a imoralidade? Se o talentoso, melhor aluno, esforçado, se esmera para passar em um concurso, porque abrir uma empresa seria praticamente uma forma de perder todo o dinheiro, algo está errado.
    Se o empregado ganha um salário, mas o empresário tem que tirar uma parte de seus lucros para pagar uma parcela do fgts, porque, segundo alguns, o empregado tem que ter uma proteção em dinheiro, senão ele “ele gasta tudo em cachaça”, porque não deixá-lo beber cachaça? Os que não beberem cachaça, continuarão indo em frente, e claro, se forem uma minoria, ainda sim, serão uma referência e um exemplo moral.
    Precisamos criar a premiação através do mérito, e o mérito natural, não pelo estado.
    Os talentos tentarão abrir suas empresas, os empregados trabalharão sem forçar suas demissões, as demissões não custarão aos cofres da empresa, e mais empresas, pela redução de custos, gerará mais estoque em poupança o que baixará os juros, e facilitará mais empréstimos.
    Precisamos acabar com 80 anos de getulismo. O caminho é longo, mas se não dermos a partida, como diria Ivan Lessa, daqui há 15 anos, entraremos nesta espiral viciosa novamente (se bem que depois do PT os 15 anos de intervalo passaram a ser muito otimistas).
    Outra coisa… a melhor forma de nunca melhorar, é pedir “o fim da corrupção”. Sinto avisar aos ingênuos da terra do nunca, mas talvez o único lugar onde não existe corrupção hoje, seja a Coréia do Norte… lá o ditador faz as leis (ele faz do jeito que ele quiser, na hora que quiser) e quem desobedece morre. Logo, como o medo de morrer é uma coisa muito natural, quase 100% obedecem. Mesmo assim ele mata alguns de vez em quando…
    Precisamos, sem a pena capital, nos livrar daquilo que favorece a corrupção… alguns não bebem quando estão ao volante porque tem medo de perder a certeira, outros nem isso, e tem aqueles que simplesmente porque tem amor a vida…
    O político rouba porque a maioria faz isso mesmo, sendo ou não político… o que temos que fazer, é colocar menos coisas nas mãos dos políticos… privatizar, e não criar concessões, acabar com empresas que públicas que geram concorrência desleal em setores de mercado…
    Muita gente sabe o que deve ser feito e até aplica em casa… mas não quer largar o osso…
    Bom, um abraço, e mesmo que seja quase impossível, vamos continuar naquela esperança de um dia as coisas melhorarem…

    Curtir

  10. Comentado por:

    José Gomes

    O caso não é de criticar a existência do STF e do Senado. A questão é indagar como os juízes do STF vão parar ali. Em primeiro lugar, só deveria chegar ao STF JUIZ, pelo menos de segunda instância. Em segundo lugar, os indicados deveriam ser eleitos pelos pares, ou seja, por juízes, a definir se todos ou só de segunda instância. Em terceiro lugar, o mandato deveria ser limitado a cinco, oito ou dez anos, não podendo ser reconduzido. Quanto ao Senado, para se candidatar ao Senado (e também à Câmara e a qualquer outro cargo político), o sujeito deveria ser escrutinado e não ter qualquer mancha anterior, mesmo que fosse apenas uma investigação judicial. Além disso, não poderia ser reconduzido a nenhum outro cargo político. Seria o fim da carreira política. O sujeito iria para o Senado para prestar um serviço ao país. Na verdade, deputados e vereadores também deveriam ter um tenpo limitado no cargo. Dois mandatos ou três seriam o limite. Mandato político não é profissão.

    Curtir

  11. Comentado por:

    José Gomes

    Claro que é difícil esperar que políticos ditos profissionais legislem contra êles próprios. Para isso temos que contar com a força do povo. Para isso temos que contar com o apoio do MBL, do Vem Pá Rua e todos aqueles movimentos que liderram as fabulosas marchas do ano passo e do dia 13 de março deste ano. Etsa é a democracia direta real e não aquela falsa democracia direta pregada pelo PT e seus esbirros, com os tais “movimentos sociais” falsos, meras franjas do PT edo seu criminoso projeto de poder eterno.

    Curtir

  12. Comentado por:

    Max Antonio

    Oliver, o PT de hoje é uma instituição criminosa. Muito diferente daquela criado pelo Hélio Bicudo e outros. Menos o Lula. Ele é a causa de toda a desgraça do partido. O criou meramente para fins próprios. Portanto, deve ser extinto tanto quanto os seus que o detém.

    Curtir

  13. Comentado por:

    Tom

    No futuro, como dizia Lord Keynes, estaremos todos mortos.
    O que será uma grande benção.
    Senão, como explicar às próximas gerações que nós, brasileiros do entresséculo 20-21, fomos capazes eleger duas vezes um boçal corrupto, vulgar e desclassificado como Luiz Ignacio Lula da Silva?
    E, não bastando esse desastre institucional e criminal, ainda tivemos a pachorra de eleger por outras duas vezes uma nulidade mentirosa, burra, inculta e corrupta como Dilma Vana Rousseff.
    Não vai ter golpe.
    – Vai ter impeachment!

    Curtir

  14. Comentado por:

    Bárbara da Silveira

    Análise precisa do passado, presente, futuro. A escolha será dos brasileiros decentes, expurgar “os piratas” do Poder, baní-los para sempre.

    Curtir

  15. Comentado por:

    Oliver

    ANTE A ANTA
    Nossa ignoranta anda durando no cargo. Mandou dizer que não sai de lá nem amarrada. Embora não seja mais prisidenta, visto que o prisidento dela assumiu interinamente o cargo e já lhe roubou até a cadeira de majestade inútil, fica lá dando suas pedaladas nas ideia, seguida de perto pelo seu bando de aspones e adjuntos. Um autêntica república de bananas e bananadas. A dona que entortou até a língua, ao exigir por decreto ser tratada como a anta que é, não se deu conta de que a genuflexão de gênero a que submeteu o país também é mote para cultivar desodorantas, restaurantas, crocantas e amantas. Estas últimas, com o nosso dinheiro público, inclusive. Enfim, inaugurada a República das Antas deste Brasil de tanga. É um porre. Essa gente rumbeira que aparece na tevê para “defender a prisidenta” logo se entrega nas primeiras sílabas. Afinal, não se defende o indefensável sem tropeçar na língua pátria, na longa pétrea Constituição que estes mesmos ignorantos tanto querem conspurcar. Questão de estilo. Mentalidade. Competência. Pedir demais que o machado de Sibá, por exemplo – aquele que vê a CIA de perto – seja ao mesmo tempo um paladino do avesso defendendo a roubalheira de fundo e um congressista capaz de orar um “O” com copo sem levar borracha, como dizem os desenhistas. Roubando a cena, uma anta é uma anta é uma anta – como já nos ensinava Diogo, o Mainardi – desde o comecinho de toda essa lambança. E uma anta o é sem genuflexão de gênero. As antas são o que são sem saberem serem masculinas ou femininas, na hora de adentrar o banheiro. Na hora do sexo talvez. Esse é o ponto. Quem quer se diferenciar na plebe rude por decreto, só pode fazê-lo exatamente por ser indiferenciável na vida real de carne e osso que nos banha com todas essas indecências. Prisidenta é o Caracas. A coisa que não tem gênero também não tem origem nem história que preste para deixar escrita. É, quando muito, um prontuário eleito. E eleito numa eleição totalmente sob suspeita, superfaturada, o que coloca um caminhão de dúvidas sobre a legitimidade de tudo isso que aí está, nos assolando impunemente. Não sei não. Quem se rendeu a chamar o dona pelo termo ao qual ela queria ser reconhecida, denota uma natureza que não sai lavando. Uma licenciosidade que laceia com o tempo. Uma cumplicidade que só apequena. Entre a língua da pátria e a pátria da língua, escolhi a primeira para defender. E o faço com todas as minhas certezas. Vão ser antas assim no inferno.

    Curtir

  16. Comentado por:

    • Tania

    No vídeo, Lula cantando de gallo, e a expressão de partner de mágico da madama (vestida de laranja?) é sintomática. O beato roufenho ameaçou, sim, mas democraticamente.
    ˙
    — De Lula para Dilma, em 13 de junho de 2014:
    ‘Eles não sabem que nós seremos capazes de fazê, democraticamente, pra fazê com que você seja a nossa presidenta por mais quatro anos neste país’
    .
    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/de-lula-para-dilma-em-13-de-junho-eles-nao-sabem-que-nos-seremos-capazes-de-faze-democraticamente-pra-faze-com-que-voce-seja-a-nossa-presidenta-por-mais-quatro-anos-neste-pais/

    Curtir

  17. Comentado por:

    Sidney

    Augusto
    Sr Oliver
    Excelente texto ( como sempre ) inclusive o Ante a Anta !!!
    Lavei a egua (opss)….. a alma com o seu : Prisidenta é o Caracas.
    Baita abraco

    Curtir

  18. Comentado por:

    Ha precedente

    Alguns historiadores dizem que Cristovam Colombo também descobriu o Brasil(e ou América do Sul), e garantem que após a descoberta virou governador das terras, e em dois anos de péssima administração disse que não “sairia” nem amarrado; Então além de voltar a Espanha acorrentado, um ano depois ao passar pelo seu ex-governo foi impedido de desembarcar.

    Curtir

  19. Comentado por:

    bereta

    “Que pobreza que somos”. Pinçar frases é um dos meus exercícios prediletos. E não me venham com aquelas desculpas esfarrapadas, as mesmas dadas pelos manipuladores de opinião, quando dizem que o trecho foi tirado do todo, e isso desvirtua o seu conteúdo. MENTIRA! QUE POBREZA QUE SOMOS diz tudo. Falta-nos tudo, não de fora para dentro, mas de dentro para fora. Se tivemos dignidade, permitimos que a destruíssem. Se ao menos fosse roubada, alguém faria uso dela. Não se rouba para destruir. Rouba-se para fazer uso ou para transferir a outrem. Dizem os analistas de plantão, que o país despertou. Será? Sou cético em muitos aspectos. Não torço pelo quanto pior, melhor. Não é do meu feitio. É que a observação dos fatos me obriga a essa conclusão. Oliver deixa muito claro que a participação de setores da sociedade, cooptados, permitiram que tudo o que aí se vê, ocorresse. Se tivermos um governo sério, uma de suas primeiras medidas deve ser, por força, a supressão da contribuição sindical obrigatória. CHEGA de dar dinheiro a bandidos! Depois, a supressão dos cargos de confiança. Pensam que Temer terá coragem para isso? Aguardemos.

    Curtir

  20. Comentado por:

    MARILENA

    Assino embaixo……

    Curtir

  21. Comentado por:

    José Luiz Alberti

    Parabéns pélo excelente artigo. Acho que ninguem realmente sabe se o próximo presidente vai conseguir acabar ou diminuir pelo menos 80% da corrupção.
    Para começar acabaria com a farra dos mais de 100 mil cartões corporativos, que ninguém tem idéia do tamanho desse rombo, imagina quando abrirem a caixa preta do uso desses cartões. A próxima medida seria extinguir todos os mais de 100 mil cargos comissionados, acabar com a pelegada do pt, mst, une, cut e todas as demais ratazanas que faliram Nosso País, sim Esse País ou essa República é NOSSA, é da DEMOCRACIA.

    Curtir