O que esperam o governo e o Ministério Público para aplicar a lei aos quadrilheiros e recuperar o produto do roubo?

Abstraídos os comparsas, os parentes e os patrocinadores oficiais, desta vez ninguém se atreveu a afrontar a inteligência dos brasileiros decentes com a reapresentação do ato mais surrado do espetáculo do cinismo. Nem a tropa de choque do Senado, a tropa do cheque da Câmara e a diretoria do grande clube dos cafajestes irromperam no […]

Abstraídos os comparsas, os parentes e os patrocinadores oficiais, desta vez ninguém se atreveu a afrontar a inteligência dos brasileiros decentes com a reapresentação do ato mais surrado do espetáculo do cinismo. Nem a tropa de choque do Senado, a tropa do cheque da Câmara e a diretoria do grande clube dos cafajestes irromperam no palco para a lengalenga costurada em torno da  inocência até prova em contrário, do direito de ampla defesa, do devido processo legal. Nem mesmo Lula suou a camisa no palanque em defesa dos quadrilheiros que agiram durante oito anos e meio no Ministério dos Transportes, sob as bênçãos do Padroeiro dos Companheiros Pecadores.

A presidente Dilma Rousseff precipitou o despejo dos chefões do bando, iniciado logo depois das revelações feitas por VEJA, para não reeditar a exasperante agonia do ex-ministro Antonio Palocci. Ampliou a lista dos demitidos ao constatar, em pesquisas encomendadas pelo Planalto, a exaustão de milhões de brasileiros com as dimensões da roubalheira. Dilma foi longe demais: os quadrilheiros já não podem reivindicar a prescrição do crime por perda de emprego. A malandragem não é aplicável a quem embolsou quantias de deixar ruborizados até o asfalto que se desmancha nas estradas do Dnit, é coisa de empalidecer de espanto até os trilhos inexistentes da Valec. Ao afastar os bandidos, o governo não fez mais que a obrigação. É quase nada.

E será rigorosamente nada se parar por aqui o castigo que mal começou. É preciso recuperar ao menos parte da imensidão de dinheiro roubado pela organização criminosa formada por donos de órgãos públicos com orçamentos obesos, empreiteiras, consultorias e outras abjeções. É preciso enquadrar os meliantes nos numerosos artigos legais que violaram. É preciso mostrar ao Brasil que algo mudou ─ se é que algo tenha mudado.

Por enquanto, o governo limitou-se a determinar à Controladoria Geral da União que pedisse de volta R$ 8 milhões destinados às vítimas das inundações na Região Serrana do Rio e interceptados por meliantes acampados na prefeitura de Petrópolis. Tradução: os pagadores de impostos vão bancar também a conta das patifarias que já não poupam sequer flagelados. Quanto ao pátio de horrores no Ministério dos Transportes, o controlador-geral Jorge Hage fez só uma frase. Acha que o Dnit tem o DNA da corrupção.

O que espera o governo para exigir a devolução do produto do roubo? O que espera o Ministério Público para tomar providências que apressem a condenação dos culpados, todos merecedores de temporadas na cadeia e multas igualmente superlativas? A turma de Valdemar Costa Neto e Alfredo Nascimento vai desfrutar em paz do ócio sem dignidade? Os ladrões vão envelhecer em casa, com tempo e dinheiro de sobra? Se as perguntas não forem adequadamente respondidas, o país será o que é. Enquanto não houver na cadeia um só figurão corrupto, o Brasil será o paraíso dos bandidos de estimação.

Há quadrilhas demais. Todas em liberdade, todas sem motivos para perder o sono. A expansão da ladroagem federal é o ultrajante subproduto ─ tão previsível quanto a mudança das estações ─ da tolerância, negligência, da passividade e da conivência que sublinham o comportamento dos três Poderes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Carlos Teixeira

    Só para dar uma idéia do tamanho do problema, estimei quantos seriam os participantes dessas quadrilhas. A ordem de grandeza é de 150 mil! Ou seja, temos a insitucionalização da corrupção, no Brasil.
    http://democraciaja.wordpress.com/2010/09/22/quantas-seriam-as-pessoas-envolvidas/#entry

    Curtir

  2. Comentado por:

    Carlos Teixeira

    Para ter uma idéia do tamanho de nosso problema, estimo que os participantes dessas quadrilhas sejam da ordem de 150 mil envolvidos! Ou seja, a corrupção está insitucionalizada neste país, com a colaboração de nossa justiça e arremedo de democracia.
    http://democraciaja.wordpress.com/2010/09/22/quantas-seriam-as-pessoas-envolvidas/#entry

    Curtir

  3. Comentado por:

    Carlos Teixeira

    Com relação aos crimes contra o erário, a sociedade civil precisa pressionar para torná-los hediondos, inafiançáveis e imprescitíveis. Mais em:
    http://democraciaja.wordpress.com/2009/07/01/9/

    Curtir

  4. Comentado por:

    Aba

    Essa complacência dos governos em relação ao roubo nos deixa uma certeza clara e cristalina. Êles são cúmplices dos fora-das-leis.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Aba

    Se nós, os que temos princípios não fizermos nada, estaremos nos omitindo e o Brasil será para sempre o país do futuro, o país onde civilidade passa longe. Precisamos fundar o nosso partido político e tomarmos as rédeas da nação para que nossos filhos e netos tenham um país melhor.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Aposentado

    Eu que sou aposentado fui condenado sumariamente sem julgamento e sem possibilidade de apelação a pagar por todas as falcatruas daqueles que por voto direto, infelizmente, deveriam nos representar.
    Não tenho direito a recurso, apelação ou a qualquer outra firula jurídica em que me apoiar para livrar-me dessa pena, ao contrário dos corruptos de plantão.
    Fui condenado perpétuamente a sustentar essa bandalha com o erário público sem qualquer chance de contrapartida, pelo menos do SUS ou do INSS, as únicas coisas públicas das quais poderia esperar alguma contrapartida por conta de anos e anos contribuindo para a Previdência Oficial.
    Sr Presidente da República, peço clemência para minha condenação

    Curtir