Depois do falatório da presidente perdida em Nova York, a lama que estava na linha de cintura chegou à altura do pescoço

ATUALIZADO ÀS 9H37 A lama do Petrolão chegou à linha de cintura de Dilma Rousseff depois do que disse o empreiteiro Ricardo Pessoa. Alcançou a altura do pescoço presidencial depois do que o neurônio solitário resolveu recitar em Nova York. Quando não se sabe o que fazer, melhor não fazer nada, repetia Dom João VI. […]

dilma-rousseff-04-originalATUALIZADO ÀS 9H37

A lama do Petrolão chegou à linha de cintura de Dilma Rousseff depois do que disse o empreiteiro Ricardo Pessoa. Alcançou a altura do pescoço presidencial depois do que o neurônio solitário resolveu recitar em Nova York.

Quando não se sabe o que fazer, melhor não fazer nada, repetia Dom João VI. Dilma faz declarações destrambelhadas. E sempre consegue piorar o que está péssimo, confirmam três momentos do falatório desastroso:

1. “Eu não respeito delator. Até porque eu estive presa na ditadura e sei o que é. Tentaram me transformar em uma delatora”.

A primeira frase informa que Dilma resolveu esquecer que foi ela quem sancionou a Lei 12.850, que estabeleceu em 2013 as regras atuais da colaboração premiada. Repita-se: COLABORAÇÃO: a palavra “delação”, que não aparece uma única vez no texto, foi uma esperteza pejorativa criada por jornalistas sem compromisso com a verdade. A mesma frase revela que Dilma — a exemplo de Marcola, chefão do PCC — só respeita criminosos que escondem as bandidagens que cometeram e a identidade dos mandantes ou comparsas. Gente como João Vaccari Neto e Renato Duque, por exemplo.

A segunda frase sugere que Dilma não enxerga diferenças entre o governo que preside e o chefiado pelo general Emílio Médici nos anos 70. A terceira insinua  que os quadrilheiros presos em Curitiba têm sido submetidos a selvagens sessões de tortura. Os carrascos são os homens da lei que participam da Operação Lava Jato.

2. “Eu não aceito e jamais aceitarei que insinuem sobre mim ou a minha campanha qualquer irregularidade. Primeiro porque não houve. Segundo, se insinuam, alguns têm interesses políticos.”

A primeira e a segunda frases, conjugadas, informam que a declarante não lembra que transformou a larápia Erenice Guerra em melhor amiga, braço direito e depois sucessora na chefia da Casa Civil; que nem sequer ouviu falar do dossiê forjado para caluniar Fernando Henrique e Ruth Cardoso; que nunca participou de reuniões do Conselho Administrativo da Petrobras por ela presidido anos a fio; que não sabe quem é Lina Vieira; que ignora a existência de qualquer tramoia concebida para revogar calotes fiscais da Famiglia Sarney; que nada fez para que o ministério se assemelhasse a um viveiro de corruptos; que conhece só de vista o amigo de infância Fernando Pimentel; que mete o nariz em tudo, mas é portadora de uma disfunção olfativa que a impede de sentir cheiro de corrupção.

3. “Há um personagem que a gente não gosta, porque as professoras nos ensinam a não gostar dele. E ele se chama Joaquim Silvério dos Reis, o delator”.

Combinadas, as duas frases informam que, na cabeça da Doutora em Nada, o Petrolão é a Inconfidência Mineira do Brasil moderno, com Ricardo Pessoa no papel de Joaquim Silvério dos Reis. Lula, claro, é Tiradentes. A declarante é a Marília de Dirceu. José Dirceu é o Dirceu de Marília. E por aí vai. Os verdugos a serviço da Coroa portuguesa são o juiz Sérgio Moro, os procuradores federais, os policiais federais engajados na Operação Lava Jato, a elite golpista, a imprensa reacionária e, claro, FHC.

Nesta segunda-feira, aparentemente, Dilma tentou lançar-se candidata ao posto de  Madre Teresa do Planalto. Acabou transformando em certeza a suspeita encampada por 10 em 10 habitantes do país que pensa: na mais branda das hipóteses, a presidente da República agiu anos a fio como cúmplice e coiteira da quadrilha que consumou a maior ladroagem ocorrida desde o Dia da Criação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Mario Rabelo

    Eu gostaria de saber se a rainha da mandioca enquadraria José Genuíno como delator ou traidor?

    Curtir

  2. Comentado por:

    Eliza

    Esse “dia do juízo final” não chega nunca? Af!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Pedro

    Com o atual incapacidade de gerenciar a economia do Brasil seremos no dia de amanha a Grécia de Hoje

    Curtir

  4. Comentado por:

    Quem decide?

    O pedaço do PMDB que flerta com a tese do afastamento de Dilma Rousseff está prestes a excluir o tucano Aécio Neves da lista de interlocutores na oposição. O grupo se irritou com a defesa que Aécio fez da cassação conjunta de Dilma e do vice-presidente Michel Temer pela Justiça Eleitoral.Um peemedebista consultará Aécio. Se o tucano não abandonar a fórmula que exclui Temer do jogo, será desligado da tomada pelo PMDB. Nessa hipótese, informam os insatisfeitos do partido de Temer, os interlocutores preferenciais no PSDB serão o senador José Serra e o governador Geraldo Alckmin.Avaliou-se no PMDB que Aécio peca pela “ansiedade”. Prega a cassação de Dilma e de Temer porque, com tal desfecho, uma nova eleição teria de ser convocada em 90 dias. Algo que faria dele o candidato automático do PSDB, já que Alckmin teria dificuldade para deixar o governo de São Paulo, que reassumir há seis meses.
    Ao privilegiar os próprios interesses, disse um operador do PMDB, Aécio se ilude e se isola. Ilude-se porque não é certo que o TSE vá passar os mandatos de Dilma e Temer na lâmina no julgamento da ação que pede a impugnação da chapa. Isola-se porque condena o PMDB a dialogar apenas com Serra e Alckmin, que não são avessos à substituição de Dilma por Temer.
    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2015/07/07/pmdb-se-irrita-com-aecio-por-defender-afastamento-de-temer-junto-com-dilma/

    Curtir

  5. Comentado por:

    Arnaldo

    Absolutamente brilhantes,o texto é a análise…Meus parabéns.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Arnaldo

    Para Josias de Souza,se me permite…acho sim (como você)…que a atitude de Aecio Neves e’ um erro….manter Temer na presidência,ao se retirar Dilma,deixaria para ele resolver os problemas deste governo,do qual ele é cúmplice…e deixaria Aecio limpo para competir com Lula,que vira’.. Não será possível grande melhora nas condições econômicas do País,a curto prazo e parece-me burrice aceitar o fardo.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Arnaldo

    Novamente para Josias de Souza…outro brilhante comentário sobre as 2posturas distintas da Presidente…agora e na campanha presidencial passada…e quem é golpista???? Mentiras em campanha e pedaladas valem?..

    Curtir

  8. Comentado por:

    Escândalo

    Por nossa conta!!! “Dinheiro desviado da Petrobrás pagou prostitutas….”
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/07/1654856-dinheiro-desviado-da-petrobras-tambem-pagou-prostitutas-de-luxo.shtml

    Curtir

  9. Comentado por:

    Rogério

    Depois de “afastaram” o juiz Joaquim Barbosa achei que realmente o país cairia definitivamente nas mãos desta quadrilha do PT; aí surgiu Sergio Moro, e o que parecia perdido voltou a ser realidade; já que não podemos editar uma mudança social do quilate da Revolução Francesa, que tenhamos o prazer de ver estes corruptos na cadeia…

    Curtir