Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Zona do euro confirma queda de 0,1% do PIB no 3º trimestre

Dados de Espanha, Portugal e Itália pressionaram ambiente recessivo, enquanto França e Alemanha, mesmo com baixo crescimento, conseguiram impedir que a contração fosse maior

Por Da Redação 6 dez 2012, 09h14

A zona do euro registrou uma queda da atividade de 0,1% do PIB no terceiro trimestre, depois de ter registrado um retrocesso de 0,2% no trimestre anterior, confirmou nesta quinta-feira a Eurostat, agência de estatísticas europeia, em uma segunda estimativa. Isto confirma que o conjunto dos 17 países da zona do euro está em recessão.

Os técnicos consideram um período de recessão quando são registrados dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Mais uma vez, os dados mostram os grandes desequilíbrios do bloco: Espanha (-0,3%), Portugal (-0,8%) e Itália (-0,2%) permanecem em recessão, enquanto Alemanha (0,2%) e França (0,2%) resistem às consequências da crise. A Holanda registrou a maior queda no trimestre, recuando 1,1% na comparação com o trimestre anterior.

Em linha com as expectativas, a leitura coloca o bloco de países em sua segunda recessão desde 2009, resultado dos estagnados gastos do governo e consumo das famílias, e de uma contribuição menor do investimentos e dos estoques no trimestre.

Leia também:

Ministros da UE não chegam a acordo sobre supervisão bancária

Continua após a publicidade

Merkel comemora o melhor balanço desde a Reunificação alemã

Embora os números mostrem recessão, economistas e autoridades estão divididos sobre se o pior ainda está por vir para o bloco, que gera um quinto da produção global e tem sido enfraquecido –primeiramente pela crise financeira entre 2007 e 2009 e depois pela crise da dívida da zona do euro.

A Comissão Europeia vê modesto crescimento de 0,1% no ano que vem, enquanto a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e muitos bancos de investimento veem uma continuidade da recessão em 2013, o que elevaria níveis recordes de desemprego e prejudicaria o resto da atividade no mundo.

O Banco Central Europeu (BCE) pode diminuir suas projeções para o crescimento em sua reunião nesta quinta-feira, afirmam economistas.

(Com Reuters e Agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade