Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Walmart quer fechar lojas no Brasil

Plano para reduzir custos e melhorar resultados também deverá levar a rede varejista a diminuir o tamanho de lojas nos EUA

Por Da Redação - 15 out 2013, 22h05

Em seu plano de corte de gastos e melhora dos resultados, a rede varejista Walmart planeja fechar unidades com baixo desempenho no Brasil e na China. A empresa americana também está repensando sua estratégia nos Estados Unidos e quer abrir lojas menores. A maior varejista do mundo vê o cenário econômico “difícil” e “imprevisível” no mundo inteiro, disse nesta terça-feira seu presidente-executivo, Mike Duke.

O Walmart revisou para baixo sua projeção de abertura de novas lojas no mundo, segundo o diretor-executivo do Walmart International, Doug McMillon, em encontro com investidores e analistas no Arkansas nesta terça-feira. Agora ela planeja inaugurar novos 14 milhões de metros quadrados neste ano, abaixo de sua previsão inicial de 20 a 22 milhões de metros quadrados.

Leia mais:

Vendas do varejo sobem 0,9% em agosto, aponta IBGE

Publicidade

Marcos Samaha deixa a presidência do Walmart Brasil

Receita do grupo Pão de Açúcar cresce 15,8% no 3º tri

Economia – Segundo o diretor-executivo do grupo, a paralisação do governo americano por causa do impasse fiscal no Congresso, está preocupando os clientes da empresa. Apesar de o Walmart ainda não ter dados específicos de como a paralisação está afetando seu negócio, ficou claro que houve impacto. “Se as pessoas não estão sendo pagas, compram menos”, lembra o diretor-executivo do Walmart dos EUA, William Simon.

O Walmart já sentiu a pressão da economia. As vendas na base de mesmas lojas no Walmart dos EUA, seu maior negócio, inesperadamente caíram 0,3% no segundo trimestre. “O Walmart dos EUA está satisfeito com seu lucro, mas não com suas vendas”, disse Simon. “Pela primeira vez, nós planejamos abrir mais lojas de pequeno formato que lojas grandes”, acrescentou.

Publicidade

O Walmart norte-americano planeja usar algumas de suas grandes lojas no país como centros de distribuição para lojas menores próximas, em uma tentativa de estocar mercadorias e reduzir custos. O plano está sendo testado e será adotado em março no primeiro de três mercados.

(com agência Reuters)

Publicidade