Tesouro dos EUA ‘multiplica pães’ para poder economizar recursos

Órgão vai suspender investimentos para tentar postergar o limite da dívida, que é de 16,7 trilhões de dólares; previsão é de que o teto seja atingido em 17 de outubro

Por Da Redação - 1 out 2013, 21h45

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos começou a usar suas últimas ferramentas financeiras para adiar mais uma batalha orçamentária.

Não bastasse a paralisação iniciada nesta terça-feira devido à falta de acordo entre democratas e republicanos sobre a liberação de novos empréstimos para financiar o estado, o dia em que o governo atingirá o teto da dívida pública de 16,7 trilhões de dólares está próximo. De olho nesse novo entrave, o Tesouro americano decidiu agir.

O secretário de Tesouro, Jack Lew, afirmou nesta terça que o departamento está suspendendo alguns investimentos de um fundo cambial do governo e que também vai realizar um leilão de dívida. Segundo ele, essas medidas permitirão ao departamento continuar abaixo do teto da dívida por mais alguns dias.

Leia também:

Publicidade

Casa Branca rejeita proposta republicana de ‘flexibilizar’ paralisação

Paralisação do governo deve custar US$ 1 bi por semana à economia americana

Porém, Lew afirmou que até 17 de outubro o governo vai exaurir sua capacidade de tomar empréstimos e ficará com 30 bilhões de dólares em caixa para pagar as contas do país.”Se ficarmos com dinheiro insuficiente em mãos, será impossível para os Estados Unidos cumprir com suas obrigações”, alertou o Secretário do Tesouro em carta aos parlamentares. “Por esta razão, eu respeitosamente faço um apelo ao Congresso para que aja imediatamente para cumprir sua responsabilidade ao ampliar a autoridade da nação para tomar empréstimos.”

O comunicado do Tesouro foi divulgado no dia em que 800.000 funcionários do governo americano foram dispensados devido à falta de dinheiro do estado para arcar com seus salários.

Publicidade